quinta-feira, 9 de julho de 2015

Saiba como os camaleões conseguem olhar em duas direções ao mesmo tempo.

Saiba como os camaleões conseguem olhar em duas direções ao mesmo tempo

Estudo feito com os répteis revela que os olhos, porém, não são tão independentes quanto aparentam

Camaleão, conhecido como cameleão Iêmen, senta no dedo de um cuidador durante realização do inventário de animais em um parque de Potsdam, na Alemanha
Ao observar uma presa, o camaleão consegue fixá-la apenas com um olho e utiliza o outro para verificar a presença de predadores próximos a ele, conferindo uma aparência curiosa ao animal(RalfHirschberger/AFP/VEJA)

Além de se camuflar com perfeição na natureza, o camaleão também consegue mover seus olhos de forma independente. Ele consegue ter duas perspectivas do mundo ao seu redor, o que, para os humanos, é quase incompreensível. Contudo, um estudo, publicado nesta quarta-feira no periódico The Journal of Experimental Biology, decifrou como esses répteis fazem isso. De acordo com a equipe de cientistas israelenses, o olhar do camaleão não é tão autônomo assim: cada um dos olhos sabe o que o outro vê, e assim coordena seu movimento.

Não só o camaleão, mas outros animais, como alguns peixes e pássaros, conseguem a mesma façanha. Ao observar uma presa, o animal consegue fixá-la apenas com um olho, utilizando o outro para verificar a presença de predadores. Cada olho se conecta com o lado oposto do cérebro para decodificar as imagens. Assim, o lado esquerdo do cérebro sabe o que o olho direito vê e vice-versa. No entanto, os pesquisadores tinham dúvidas se essas duas imagens estariam mesmo tão dissociadas. Para verificar isso, fizeram os répteis jogar um game.


O jogo do camaleão 

Os animais ficaram próximos a uma tela, que exibia um inseto (alimento dos camaleões) pixelado, similar às figuras do game Minecraft. Ao observar a presa virtual, o camaleão fixou-o com um dos olhos e, com o outro, verificou a ausência de perigo. Então focou os dois olhos no inseto e esticou a língua.
Em seguida, os especialistas 'pregaram uma peça' no camaleão: o inseto cibernético transformou-se em dois quando começou a voar. Surpreso, o lagarto puxou a língua para dentro da boca e, com cada olho, começou a acompanhar os movimentos dos insetos, voando em direções opostas. Ele ficou indeciso por alguns segundos, sem saber qual das presas atacar. Quando escolheu, focou os dois olhos na mesma direção e esticou a língua.
"Se os olhos fossem completamente independentes, um sem saber o que o outro enxerga, o animal ficaria para sempre indeciso. Mas o que acontece é que um deles fica estático e o outro converge em sua direção", disse Gadi Katzir, professor do departamento de biologia da Universidade de Haifa e um dos autores do estudo.
Ainda de acordo com os pesquisadores, esse estudo mostra que um dos olhos tem algum conhecimento da visão do outro. Assim, as informações são, de alguma forma, cruzadas e reunidas no cérebro. O conhecimento desse processo poderia ser útil para o homem, no detalhamento da percepção e memória visual, ou para a descoberta de soluções ópticas que podem ser úteis tanto para a ciência quanto para a indústria.
(Da redação)

Nenhum comentário:

Postar um comentário