segunda-feira, 6 de julho de 2015

Cidades do Centro-Oeste mineiro adotam medidas para evitar crise hídrica.

Cidades do Centro-Oeste adotam medidas para evitar crise hídrica

Oliveira e Formiga investiram na captação e armazenamento de água.
Seca do ano passado foi a mais rigorosa da última década.

 
Anna Lúcia Silva  
Do G1 

Oliveira terá água captada do Rio Jacaré  (Foto: Rômer Castanheira/Divulgação)Oliveira terá água captada do Rio Jacaré
(Foto: Rômer Castanheira/Divulgação)

O medo do caos causado pela falta de água que afetou boa parte dos municípios mineiros no ano passado tem feito com que algumas prefeituras de cidades do Centro-Oeste adotem medidas para poupar água e assim evitar que o cenário se repita novamente no período de seca deste ano. Entre as cidades que tem desenvolvido ações para evitar o desperdício e aumentar a captação de água estão Oliveira e Formiga.
O Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Oliveira (Saae) nas duas cidades tem investido na melhoria do sistema de captação, esgotamento e conscientização quanto à economia de água. Os dois municípios chegaram a decretar estado de calamidade e enfrentaram problemas como suspensão de aulas nas redes municipais e estaduais, por conta da seca.
Como indica o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o período de chuvas deste ano se estendeu até junho, o que não é normal e, portanto pode ajudar a minimizar o chamado stress hídrico. Segundo o meteorologista Lizandro Gemiacki, por conta disso, os mananciais podem suportar por mais tempo a falta de água. Contudo, o instituto também confirma que o inverno deste ano será seco, e que a crise hídrica pode se repetir. "A umidade do ar deve atingir valores abaixo dos 30% durante toda a estação. O que significa que o inverno será tão seco quanto no ano passado", comentou o meteorologista.
 

Oliveira

O Saae em Oliveira tem 46 anos de atividade no município e de acordo com o órgão, nenhuma situação foi próxima a enfrentada no mês de outubro do ano passado, momento em que houve racionamento de água por conta da vazão que chegava para tratamento na estação de 20 litros por segundo, 20% da vazão ideal para abastecimento da cidade com média de 41 mil habitantes. O período foi crítico, mas foi contornado com ajuda de captações alternativas, caminhões pipa e revezamento entre os bairros no sistema de abastecimento.O medida foi adotada durante um bom tempo.
No ano de 2015, o nível de chuvas do período até o mês de junho foi bem superior ao do mesmo período de 2014, como diz o Saae e  como também indica o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). No primeiro semestre deste ano foram realizadas campanhas de conscientização em escolas, supermercados, centros de assistência social, bem como no Presídio Doutor Nelson Pires dentre outros locais.


Reservatóros

Além dessas medidas o Saee realizou trabalhos pontuais para minimizar os efeitos da seca deste ano. Foi interligado um reservatório de capacidade 1 milhão de litros de água no Bairro Aparecida, de onde parte a distribuição  para outros bairros da cidade. Dessa forma a capacidade de reservação do local, de 760 mil litros de água passou para um 1.760 litros de água. Entre os bairros contemplados com o reservatório estão o Pedra Negra, Novo Horizonte, Antônio Laranjo, João Paulo II, Benedito Landim, Vale do Sol, Dona Neném Campos, Aparecida, Sinhaninha, dentre outros.

Saae investiu em melhorias na captação (Foto: Rômer Castanheira/Divulgação) 
Saae investiu em melhorias na captação (Foto: Rômer Castanheira/Divulgação)

 
Rio Jacaré

As obras do Saae para captação de água no Rio Jacaré, iniciadas em fevereiro de 2015, que também pretende aumentar o fornecimento de água na cidade já apresenta boa parte de seus trabalhos concluídos. A primeira etapa das obras prevê a captação de 50 litros por segundo e apresenta duas frentes de trabalho. As obras de responsabilidade do Saae e da empresa contratada para uma das frentes de trabalho já apresenta evolução considerável. O chefe do Setor de Abastecimento e Esgotamento Sanitário, Vagner Ananias Lourenço, comentou que os 3.300 metros de tubulação, que fará a transposição de água do Rio Jacaré até a adutora principal já estão instalados.

Saae irá fazer captação do Rio Jacaré em Oliveira (Foto: Rômer Castanheira/Divulgação) 
Saae irá fazer captação do Rio Jacaré em Oliveira 
(Foto: Rômer Castanheira/Divulgação)
 



A prioridade da obra envolve abastecimento e esgotamento sanitário. Uma casa de bomba já foi construída próximo ao rio e, de acordo com Vagner, são aguardados os projetos elétrico e hidráulico que garantem a transposição.

Em estudos realizados na bacia hidrográfica da região, o Rio Jacaré é o que apresenta maior volume de água e por isso os projetos de curto e médio prazo se deram nesse curso d´agua.  O Saae informou que a profundidade em meados de abril do Jacaré era de 120 centímetros, bem maior do que no período de seca em outubro de 2014 quando foi registrada a marca de 70 centímetros.


Formiga

Representantes do Saae em Formiga também estão preocupados com a possível falta de água na cidade e por isso enviou diversos comunicados à imprensa pedindo economia de água no primeiro semestre deste ano. O órgão investiu em campanhas de conscientização e também na manutenção da tubulação que capta água para a ciadde.

Saae Canalização Formiga - 01 (Foto: Prefeitura de Formiga/Divulgação) 
Canalização do Saee em Formiga  (Foto: Prefeitura de Formiga/Divulgação)
 

Entre as medidas ocorreu a  instalação de um motor na estação elevatória, no sistema de distribuição de água. O Saee explicou que atualmente há dois motores na estação elevatória de água, responsável por levá-la até a estação de tratamento, e que um terceiro motor, mais eficiente e que gasta menos energia, foi instalado e assim será possível manter os dois motores existentes como reserva.


Histórico de falta de água

A falta de água em Formiga foi parar no Ministério Público no fim do ano de 2013, quando o vereador José Geraldo da Cunha (PMN) entrou com um pedido junto ao órgão para que a promotoria iniciasse uma ação civil pública contra o Sistema Autônomo de Água e Esgoto (Saae).
Na ocasião o vice-diretor Saae, Oel Passos Campos, informou que os problemas envolvendo a falta de água no município podem ter solução a partir de 2016 com a implantação de um projeto que visa a entrega de uma nova adutora principal, responsável pelo abastecimento em toda a cidade.

Saae emite alerta em Formiga, MG (Foto: Saae/Divulgação)Saae em Formiga, MG
(Foto: Saae/Divulgação)
 
Já em 2014, o promotor Marco Aurélio Rodrigues de Carvalho entrou com a ação civil pública contra o Saae e a Prefeitura, que deveria fiscalizar o órgão e garantir o atendimento à população. Na ocasião ele disse: “Nós instauramos um procedimento para apurar os fatos e nos reunimos com o diretor do Saae na época, quando foi colocado para nós que o órgão não teria condições de atender a demanda porque falta estrutura de investimentos há longos anos”, explicou o promotor.
Ainda em 2014, alunos das redes municipais e estaduais ficaram sem aula pela falta de água.  Em outubro do mesmo ano a Prefeitura decretou estado de calamidade pública por conta da falta de água que chegou a atingir cerca de 50% dos imóveis da cidade, por quase um mês.
A medida foi publicada no Diário Oficial dos Municípios Mineiros. Para amenizar os efeitos e tentar manter o que restava de água nos reservatórios do Saae, o Executivo adotou um sistema de racionamento. Para cada 12 horas de abastecimento os moradores ficaram 48 horas sem água. A metodologia funcionou em bairros alternados. A medida se estendeu por meses na cidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário