sexta-feira, 5 de junho de 2015

Com 182 kg, menina de 11 anos que vive em abrigo inicia tratamento.

Com 182 kg, menina de 11 anos que vive em abrigo de MT inicia tratamento

Criança vive no Lar da Criança na capital desde 2011, segundo secretaria.
Ela já fazia tratamento para emagrecer, mas não tinha obtido resultados.

 
Do G1 

Menina de 11 anos embarcou para São Paulo para fazer tratamento. (Foto: Assessoria/ Setas-MT)Menina de 11 anos embarcou para São Paulo para fazer tratamento. (Foto: Assessoria/ Setas-MT)

Aos 11 anos, uma menina de 182 quilos, que sofre de obesidade mórbida, deu início a um tratamento em busca de perder peso. A criança vive no Lar da Criança, abrigo destinado a menores de idade em situação de abandono ou resgatadas em condições de vulnerabilidade, em Cuiabá, e embarcou para São Paulo, no último domingo (31).
Além do excesso de peso, a criança tem transtorno de conduta. Ela frequenta a escola normalmente e cursa a 6º série, segundo a Secretaria Estadual de Assistência Social (Setas).
Quando chegou ao abrigo, há quatro anos, ela já estava obesa. Ela já passava por tratamento na unidade, mas como não perdia peso, a 1ª Vara da Infância e da Adolescência e a Promotoria da Infância e da Juventude, que acompanham as crianças caso a caso, conseguiram junto com a secretaria encaminhar a criança para o Hospital das Clínicas.
Ela está internada para fazer uma série de exames e, com o resultado deles, deverá fazer o tratamento médico mais adequado para o caso da menina. Desde quando a criança chegou no hospital, ela já foi atendida por dois psicólogos, dois nutricionistas e dois psiquiatras.
A menina foi à capital paulista acompanhada por uma equipe da secretaria, composta por quatro profissionais, sendo uma médica, a superintendente do Lar da Criança e mais dois cuidadores. A criança está sob os cuidados do estado em Cuiabá.
"Podemos ter sucesso em todas as políticas da secretaria, mas, se falharmos com as crianças do Lar [da Criança], nos sentiremos fracassados", disse o secretário de Assistência Social do estado, Valdiney Arruda.
De acordo com a assessoria da Setas, todo o tratamento da menina está sendo financiado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O estado custeará cobrirá as despesas com alimentação e estadia das duas servidoras que ficarão em São Paulo até o fim do tratamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário