terça-feira, 26 de maio de 2015

Cientistas descobrem técnica para frear ou reverter o envelhecimento.

Cientistas descobrem técnica para frear ou reverter o envelhecimento

Reprodução 
Reprodução

 
Já pensou nunca ficar velho? Deixar rugas, cabelos brancos e outras marcas da idade de lado? Pois bem, a ciência deu um passo importantíssimo neste sentido, encontrando evidências sobre o envelhecimento que podem fazer com que ele seja evitado ou até revertido através de manipulações genéticas.

Os cientistas liderados pelo espanhol Juan Carlos Izpisua descobriram que o envelhecimento está diretamente ligado à epigenética, método que mostra informações às células sobre o que elas deve fazer com cada gene. Assim sendo, um método de edição da epigenética poderia fazer com que as informações passadas “não se desgastassem com o tempo”.

As primeiras pesquisas começaram em torno do desenvolvimento de equipamento tecnológico que possa combater a perda de informação epigenética. O objetivo da “edição” é ativar e desativar genes de modo que o envelhecimento possa ser freado. Para isso, o primeiro teste foi feito com um gene relativo à Síndrome de Werner, que causa envelhecimento precoce.

Os resultados dessa primeira edição mostraram que a Síndrome de Werner é causada por uma ruptura que é processo-chave para o envelhecimento, Com a manipulação epigenética, os cientistas tentam uma via de eliminar esse tipo de atividade e, assim, eliminar o envelhecimento. Um avanço nessa área é visto como crucial no processo de regeneração do organismo e sua perda de eficácia com o tempo.

Diferente do que se pode pensar, esse tipo de pesquisa não levará a uma eventual vida eterna das pessoas. Isso porque, com o passar do tempo, os próprios sistemas de reparação que seriam manipulados perdem sua eficácia. A tentativa, então, é muito mais focada ao combate de doenças como o câncer e de sintomas mais evidentes do envelhecimento. Segundo a equipe, o avanço seria crucial para dar uma vida saudável a qualquer pessoa até sua morte em um futuro próximo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário