sexta-feira, 17 de abril de 2015

Mulher que perdeu boca, nariz e olho poderá reconstruir face, diz marido.

Mulher que perdeu boca, nariz e olho poderá reconstruir face, diz marido

Mulher iniciou tratamento contra o câncer no Pará, e retornou ao Amapá.
Doença provocou mutilação do rosto da paciente, segundo a família.

 
Abinoan Santiago  
Do G1 

Em Macapá, dona de casa perdeu parte do rosto por causa de câncer (Foto: Abinoan Santiago/G1) 
Dona de casa perdeu parte do rosto por causa do câncer (Foto: Abinoan Santiago/G1)

O rosto da dona de casa Leia da Conceição, de 41 anos, poderá ser reconstruído, segundo o marido dela, o auxiliar de serviços gerais Benedito dos Santos, de 40 anos. O casal retornou no sábado (11) para Macapá após ficar dois meses e 14 dias em Belém, no Pará, onde Leia passou por tratamento contra o câncer de pele. Em 2014, ela perdeu a boca, o nariz e o olho direito, de acordo com a família, enquanto esperava por tratamento oncológico no Amapá. A retirada de parte do rosto aconteceu em um período de seis meses, para evitar que o câncer se espalhasse para outras regiões da face.
A dona de casa viajou depois que a família e amigos mobilizaram-se em redes sociais para pedir ajuda. Ela chegou em 20 de janeiro em Belém, onde realizou exames e fez 16 sessões de radioterapia no Hospital do Câncer Ophir Loyola. Benedito contou que o retorno para Macapá aconteceu pela possibilidade de a mulher continuar o tratamento com a quimioterapia na rede pública de saúde amapaense. Ela foi encaminhada para o Hospital de Clínicas Alberto Lima (HCAL).

Léia e o marido embarcaram para iniciar tratamento (Foto: Abinoan Santiago/G1)Leia e o marido quando embarcaram para iniciar o tratamento em Belém (Foto: Abinoan Santiago/G1)

Benedito disse que além do começo do tratamento, a informação da possibilidade de reconstrução da face da mulher foi recebida com alegria pela família. O casal ficou sem ver filhos e netos para partir em busca da cura contra o câncer de pele. Os momentos longe dos parentes foram considerados difíceis por causa da saudade que a casal sentia, segundo Benedito. Ambos se emocionaram quando lembraram os dias na capital paraense.
“Ela fez radioterapias e foi um momento muito difícil porque o tratamento é forte, estávamos longe da família, mas mesmo com tudo isso, foi gratificante pelo fato de as dores terem diminuído. Mas o que deixou a gente alegre foi a chance de reconstruir o rosto. Procurei informação sobre a possibilidade e fiquei feliz em saber”, comemorou o marido. Ele e a mulher ficaram na casa de apoio a doentes oncológicos, em Belém. O imóvel é alugado pelo governo do Amapá para pacientes em tratamento no estado do Pará.
A impossibilidade de reconstrução da face da autônoma era um dos medos da família. A cirurgia deverá ser requisitada ao Sistema Único de Saúde (SUS) por causa da dificuldade financeira da família, sustentada com um salário mínimo, na periferia da Zona Sul de Macapá.

Sondas e tubos na traqueia são usados após
radioterapia (Foto: Abinoan Santiago/G1)
Sondas e tubos na traqueia são usadas pela dona de casa após radioterapia (Foto: Abinoan Santiago/G1)Tratamento

O início do tratamento em Belém resultou em mudanças na vida da dona de casa, tanto na rotina quanto na aparência. Durante o período na capital paraense, Leia perdeu quase dez quilos. Ela também passou a respirar por um tubo na traqueia e se alimentar através de sonda. As medidas, segundo o marido, foram necessárias para preservar a face da mulher. As sessões fortes de radioterapia também resultaram na perda de parte do cabelo da mulher.
O marido de Leia falou que na estadia em Belém, o casal manteve-se com as doações de amigos e familiares. "Gastamos muito com remédios e táxis. Como passamos mais tempo no hospital do que na casa de apoio, nem usamos o dinheiro com outras coisas", contou.
A próxima etapa do tratamento será a quimioterapia. Segundo o marido, a fase seguinte será necessária para o alcance da cura do câncer, critério para reconstrução do rosto da dona de casa.

Radioterapia provocou perda de cabelo na mulher
(Foto: Abinoan Santiago/G1)
Radioterapia deixou mulher com perda de cabelo (Foto: Abinoan Santiago/G1)Câncer

O drama da autônoma Leia da Conceição começou depois do aparecimento de dores no nariz provocadas inicialmente por uma sinusite. Após exames mais aprofundados, a paciente foi diagnosticada com câncer de pele, em 2014.
A família diz que uma cirurgia naquela época seria a solução para a doença, mas a demora na emissão de passagens aéreas pelo governo do Amapá para tratamento da paciente em outro estado teria agravado o problema, resultando na perda da boca, nariz e o olho direito.
Sem dinheiro para a viagem, a autônoma aguardava pelo benefício do Tratamento Fora do Domicílio (TFD). A demora na liberação das passagens resultou na mutilação da paciente, afirma a família.
A primeira cirurgia no rosto da mulher aconteceu em agosto de 2014 e retirou o céu da boca e a cartilagem do nariz da paciente. A segunda ocorreu em dezembro do mesmo ano. Na ocasião, o olho direito da autônoma foi retirado. A família teme que o câncer atinja outras partes do rosto de Leia.
A família conta que todos na casa voltaram as atenções para a autônoma, que necessita de cuidados especiais por causa da perda da fala como resultado da retirada da boca. A mulher se comunica por gestos. A família diz que apesar do sofrimento, ainda é possível ouvi-la sorrir.

Família mora em casa em região alagada na Zona Sul de Macapá (Foto: Abinoan Santiago/G1) 
Família mora numa casa em região alagada na Zona Sul de Macapá 
(Foto: Abinoan Santiago/G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário