sexta-feira, 13 de março de 2015

Papa enfrenta muitas resistências internas dois anos após eleição.

Papa enfrenta muitas resistências internas dois anos após eleição

Francisco foi eleito em 13 de março de 2013.
Descentralização e renovação da Cúria geraram dúvidas internas.

 
Da France Presse

O Papa Francisco gesticula ao falar a cardeais durante início de consistório nesta quinta-feira (12) no Vaticano (Foto: Andreas Solaro/AFP) 
O Papa Francisco gesticula ao falar a cardeais durante início de consistório nesta quinta-feira (12) no Vaticano (Foto: Andreas Solaro/AFP)
 
 
Dois anos após sua eleição, o primeiro papa latino-americano da história, Francisco, se tornou um fenômeno de massas por seus gestos e abertura, mas seu projeto de reformas gera resistências internas crescentes.
Eleito no dia 13 de março de 2013 após a surpreendente renúncia de Bento XVI, perseguido pos escândalos e intrigas, Francisco assumiu a direção espiritual de mais de 1,2 bilhão de católicos com um estilo novo, fresco e simples, o que lhe valeu o título de uma das personalidades mais carismáticas do mundo.
Em um prazo recorde conseguiu fazer com que os católicos voltassem a apreciar a Igreja num momento de crise econômica em todo o mundo, valorizando seu compromisso com os pobres, os idosos, e disposta a dar alívio aos divorciados que voltam a se casar e aos casais gays.
O líder que prometeu mudar o sistema operacional da Igreja, que considera fundamental descentralizar, dar espaço às igrejas periféricas, e que quis renovar a poderosa Cúria Romana, o governo central, acusada de acumular poder, riqueza e privilégios, não parece dispor de muito tempo para realizar as mudanças.
"Muitos esperam olhando para o relógio o fim do pontificado", advertiu à AFP o veterano vaticanista Marco Politi, autor do livro "Francisco entre os lobos".
A vontade do Papa argentino de mudar a Igreja vai além de uma operação de maquiagem e começa a irritar diferentes setores.
Por isso o ano de 2015 se apresenta chave para seu pontificado, já que deverá começar a apresentar resultados.
Duas frentes figuram entre as mais difíceis e complexas: a reforma da Cúria, um projeto lançado em 2013, e a resposta aos desafios da família moderna e sua evolução, com o Sínodo que será realizado em outubro.

Soldados italianos fotografam o Papa Francisco na chegada á audiência geral na Praça de São Pedro, no Vaticano (Foto: Stefano Rellandrini/Reuters) 
Soldados italianos fotografam o Papa Francisco na chegada á audiência geral na Praça de São Pedro, no Vaticano (Foto: Stefano Rellandrini/Reuters)
 
 
Convencer os chefes da Cúria e as congregações a levar uma vida simples e sóbria após décadas de luxo gerou uma guerra interna de todos contra todos, em particular pela gestão das finanças vaticanas, segundo a revista italiana L'Espresso, que publicou nesta semana um número especial.
Os vazamentos recentes à imprensa sobre os supostos gastos elevados do cardeal George Pell, poderoso secretário para a Economia do Vaticano, demonstram que muitos estão dispostos a voltar aos métodos do passado para atacar seus inimigos, enquanto novas rivalidades também surgiram.
Francisco, consciente de que tem pouco tempo, conta com o apoio de uma parte dos prelados que não temem ajudá-lo, enquanto outros esperam com prudência.
"Este é um pontificado no qual foi fixado um término. Isso significa que as forças que se opõem olham para o relógio e dizem: esperemos quatro ou cinco anos e tudo isso vai acabar", explicou Politi.

Papa Francisco saúda fiéis após a missa celebrada em Tacloban neste sábado (17) (Foto: JOHANNES EISELE/AFP) 
Papa Francisco saúda fiéis após a missa celebrada em Tacloban neste sábado (17) 
(Foto: JOHANNES EISELE/AFP)
 

Inclassificável

Francisco, que usa uma linguagem direta e espontânea e que prefere se envolver e romper moldes com declarações impróprias, costuma utilizar parábolas do Evangelho para ilustrar a Igreja que deseja, inspirada naquela das origens.
Para mostrar com exemplos seu desejo de mudança, concedeu a um pequeno jornal de um bairro pobre periférico de Buenos Aires, La Cárcova News, uma entrevista exclusiva por ocasião dos dois anos de seu pontificado, algo impensável há poucos anos nos corredores do Vaticano.
Seus colaboradores afirmam que é uma pessoa autoritária, ríspida com os prelados e afável com os fiéis, razão pela qual alguns o acusam de ser um demagogo.
Um resultado evidente de seu breve pontificado é que sua mensagem chegou a todo o mundo, mas, principalmente, ao seu continente, a América, onde vive a maior parte dos católicos do mundo.
Francisco utilizou todo o seu prestígio para propiciar o início de negociações diplomáticas entre Cuba e Estados Unidos em um acordo assinado em 17 de dezembro, dia de seu aniversário de 78 anos, encerrando mais de meio século de tensões e abrindo uma nova fase para a história de toda a América.
Uma região que visitará neste ano. Um giro desejado e aprovado por ele mesmo irá passar por três países emblemáticos: Equador, Bolívia e Paraguai.

O Papa Francisco beija o joelho da estátua do menino Jesus ao chegar à Basílica de São Pedro, no Vaticano, para celebrar a tradicional missa de fim de ano, quando o hino 'Te Deum' é centado para agradecer pelo ano que passou (Foto: Andrew Medichini/AP) 
O Papa Francisco beija o joelho da estátua do menino Jesus ao chegar à Basílica de São Pedro, no Vaticano, para celebrar a tradicional missa de fim de ano, quando o hino 'Te Deum' é centado para agradecer pelo ano que passou (Foto: Andrew Medichini/AP)

Nenhum comentário:

Postar um comentário