sábado, 7 de março de 2015

Homens tendem a ser mais narcisistas que mulheres, diz estudo.

Homens tendem a ser mais narcisistas que mulheres, diz estudo

A pesquisa se concentrou em três traços dos narcisistas: desejo de poder, exibicionismo e ideia de merecer tudo

Homem tira foto com pau de selfie
 
Os homens têm tendência a reivindicar certos privilégios mais do que as mulheres, diz a pesquisa(iStock/Getty Images)

Os homens têm tendência a ser mais narcisistas do que as mulheres, concluíram pesquisadores após uma revisão de 355 estudos, dos quais participaram cerca de 470 000 pessoas. A pesquisa se concentrou em três traços narcisistas: desejo de poder, exibicionismo e ideia de ser merecedor de tudo.
"O narcisismo está relacionado a diferentes disfunções mentais do indivíduo, entre elas a incapacidade de manter relações duradouras com os outros, a agressividade e a falta de ética", explicou a principal autora do estudo, Emily Grijalva, professora de recursos humanos da Universidade de Buffalo, na edição de março do periódico Psychological Bulletin. Por outro lado, diz Emily, o narcisismo melhora a autoestima, a estabilidade emocional e a tendência a se afirmar como líder.


Diferenças 

Os pesquisadores determinaram que a maior diferença entre os gêneros se baseia na ideia de merecer tudo. Mais do que as mulheres, os homens têm tendência a reivindicar certos privilégios. Além disso, eles têm mais vontade de exercer autoridade. "Em relação às mulheres, os homens mostram mais segurança e desejo de poder", afirma a professora. Não foram constatadas diferença nas tendências exibicionistas, o que significa que ambos os sexos demonstram vaidade, desejo de ser admirado e falta de empatia.
De acordo com Emily, os indivíduos têm tendência a observar e a aprender desde cedo os papéis de mulher e de homem. As mulheres poderiam "ser duramente criticadas quando se mostrassem autoritárias, ou agressivas. Isto cria mais pressões nelas do que nos homens, o que as faz controlar seus comportamentos narcisistas".
(Com Agência France-Presse)

Nenhum comentário:

Postar um comentário