sábado, 21 de fevereiro de 2015

Homologada nova empresa para serviço de abastecimento da água em Pará de Minas.

Prefeito homologa empresa que fará abastecimento em Pará de Minas

Termo foi assinado nesta sexta-feira (20).
Antônio Júlio afirmou que custo final será menor.

 
Do G1 

Prefeito Antônio Júlio assina termo de homologação (Foto: TV Integração/Reprodução)Prefeito Antônio Júlio assina termo de homologação (Foto: TV Integração/Reprodução)

A concessão da água em Pará de Minas será administrada por uma nova empresa. O contrato foi validado nesta sexta-feira (20). O acordo com a Companhia de Saneamento (Copasa) estava vencido há cinco anos. Depois de 35 atuando na cidade, a empresa foi descredenciada.
Procurada, a Copasa disse que não vai se pronunciar sobre o assunto, por enquanto.
O termo de homologação, ou seja, o documento que autoriza a empresa a assumir o serviço de abastecimento de água em Pará de Minas foi assinado pelo prefeito, Antônio Júlio. Representantes de entidades acompanharam o momento. "Algumas firmas participaram dessa licitação, mas a Copasa não quis entrar. De cinco firmas, caiu para três. Quem foi a vencedora foi a Águas do Brasil. Espero que o prefeito solicite essa transição o mais rápido possível", disse o vereador Carlos Roberto Lázaro, presidente da Câmara.
Durante o discurso, foi destacado o apoio na decisão durante audiências e consultas. A partir de agora, é a empresa Águas do Brasil que fará o fornecimento e o saneamento básico. Irá atender a cidade, os distritos e povoados. "A partir de hoje, a Águas do Brasil tem que criar outra empresa aqui em Pará de Minas, especificamente para a cidade. Está no edital, na lei. Tenho a impressão de que, em 15 a 20 dias, no máximo, darei a ordem de serviço e a empresa começará a trabalhar. É um processo que espero que não seja traumático. Tive uma reunião com a Copasa na manhã de hoje, para cuidar dessa transição", afirmou Antônio Júlio.
Ainda segundo o prefeito, a intenção é absorver a maior parte dos funcionários da Copasa. Hoje são 48 diretos. A sede da empresa também será assumida pela nova prestadora, que inicialmente fará um investimento de R$ 88 milhões. A população não deverá pagar a mais por isso. "Nosso edital prevê que o preço da empresa ganhadora não poderá ser maior do que o da Copasa. A Copasa é o parâmetro. A Águas do Brasil apresentou que tem 3% de desconto. Então, o valor será sempre menor do que a Copasa pratica em Minas Gerais", acrescentou Antônio Júlio.
O problema da falta de água tem sido frequente há cinco anos. A situação se agravou nos últimos meses. Quem mora na cidade espera o momento em que a situação seja resolvida definitivamente. "Tem lugar aí que fica até 12 dias sem água. Tem que melhorar", disse a doméstica Lourdes Gonçalves de Couto.
"Espero uma boa melhora com essa mudança. Tenho muita esperança de que essa nova empresa dará melhores condições à população", complementou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário