terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Caminhoneiros e representantes de postos falam de paralisação em MG.

Caminhoneiros e representantes de postos falam de paralisação em MG

Caminhoneiros querem pedidos atendidos para liberar veículos de carga.
Alguns postos de combustíveis de Oliveira fecharam por falta do produto.

 
Anna Lúcia Silva  
Do G1

Posto de combustíveis Oliveira (Foto: Anna Lúcia Silva/G1)Motoristas formam filas em postos de combustíveis em Oliveira 
(Foto: Anna Lúcia Silva/G1)

A reportagem do G1 foi até Oliveira nesta terça-feira (24) para acompanhar de perto a paralisação dos caminhoneiros que tem causado prejuízos tais como a falta de combustíveis na maioria dos postos da cidade.

A frota que trafega para abastecer as bombas estão paradas nas rodovias. Na BR-381 por exemplo, a manifestação dos caminhoneiros começou no domingo (21) e não há previsão para acabar. Nenhum veículo carregado passa pelo trecho e com isso as cargas não devem chegar aos destinos até que a situação se normalize.
De acordo com Aliomar Diniz dos Santos, gerente de um posto de combustíveis do Bairro Santa Maria, em Oliveira, geralmente são vendidos seis mil litros de combustíveis diariamente, mas na segunda-feira (23) chegou a vender 30 mil litros. “Os motoristas estão abastecendo e todos estão com muito medo de ficar sem. O caminhão que traria a gasolina para mim está parado na MG-O50, em Itaúna, desde segunda quando saiu para carregar na refinaria em Betim, na Região Metropolitana”, contou.

Filas se formaram nos postos de combustíveis em Oliveira (Foto: Anna Lúcia Silva/G1) 
Condutores temem falta de combustível e foram para a fila em Oliveira 
(Foto: Anna Lúcia Silva/G1)
 
 
Em Oliveira há cerca de oito postos de combustíveis e em praticamente todos não há gasolina, os poucos que ainda oferecem abastecimento têm diesel S10 e etanol. Pedro Almeida Filho é motorista de uma Kombi que faz carretos, ele abastece com álcool e, para não ficar sem rodar durante essa semana, encheu o tanque. “Essa é a situação mais complicada que já vi. Nunca chegou a faltar combustível na cidade”, comentou.
O eletricista Mateus Ribeiro Santos rodou pelo município durante toda a manhã desta terça-feira em busca de gasolina e não encontrou. “Fui em três postos e acabou mesmo, agora vou ter que encostar o carro até resolver essa situação. O que encontrei foi só etanol e óleo diesel”, disse.
Além de deixar o veículo parado, o motoista Celso Andrade teme por outro problema. Ele faz transporte de alunos da zona rural para estudarem na cidade. Com o que ele abasteceu, 40 litros é suficiente para rodar mais três dias. “Pedi para completar o tanque, estou me  precavendo. A previsão é acabar tudo, então para não parar de trabalhar eu enchi o tanque. Se não normalizar até o final de semana a previsão é parar o transporte e aí o problema vai começar a ficar bem pior, sem transporte para levar os alunos até a escola”, disse.

O gerente de posto Marcos Francisco Reis disse que sinaliza de longe com os braços orientando quem passa pelo local informando que no posto no Centro da cidade só há etanol. A fila de motoristas procurando por abastecimento chegou a dobrar o quarteirão.
A gasolina, segundo Marcos, acabou logo na manhã deste terça-feira (24) e o etanol e o diesel que ainda restavam não daria nem para o fim do dia. “Eu tenho agora três mil litros de diesel e mil litros de etanol . O caminhão que iria até a refinaria Gabriel Passos em Betim na segunda-feira (23) não saiu da cidade porque sabemos que está tudo parado”, disse.
A situação de Marcos se repete em outros postos, mas o que ocorre é que alguns veículos estão parados sem poder sair do lugar em trechos da BR-381, próximo a Oliveira. Segundo um dos representantes da paralisação dos caminhoneiros, Daniel Reis de Paula, não há previsão de liberação das cargas, e eles querem ser ouvidos.
“Desde um sabonete que se usa em uma casa, até um brinco que se compra em uma loja de bijuteria, tudo isso é levado pelos caminhões que rodam por esse Brasil. Não é prepotência nossa, mas não há valorização da classe. E o que nós queremos é exatamente isso. Precisamos de melhores preços nos combustíveis, diminuição dos valores cobrados nos pedágios, valorização do frete porque sobe todos os insumos e o preço continua estagnado. O Brasil vai parar, porque o movimento não vai acabar enquanto não formos ouvidos. O meu apelo é para parar de rodar, porque se não pararmos o Brasil, o Brasil vai nos parar”, lamentou.

Fila de caminhoões parados chega a oito quilômetros em Oliveira (Foto: Anna Lúcia Silva/G1) 
Fila de caminhoões parados chega a oito quilômetros na BR-381 
(Foto: Anna Lúcia Silva/G1)


Ainda segundo Daniel as rodovias não estão totalmente interrompidas. Carros, ambulâncias, ônibus todos os outros veículos que não são de carga têm transito livre. A situação foi confirmada pela reportagem do G1, que percorreu de carro os oito quilômetros onde há caminhões e carretas paradas na região de Oliveira.
“Nossa intenção não é parar ou impedir as rodovias, queremos mais uma vez ser vistos e ter nossos pedidos atendidos. Avião e trem não consegue chegar onde o caminhão chega. Quero ver faltar até café da tarde no Congresso. O Brasil precisa de nós caminhoneiros para seguir e nós vamos seguir se formos ouvidos. Acho uma vergonha essa situação, há cinco anos atrás os nossos governantes apresentaram que o Brasil era autossuficiente em petróleo, cinco anos depois nos apresentam uma Petrobras quebrada e falida, o resultado disso é o preço do combustível estar onde chegou ”, completou.


Outros trechos paralisados

A paralisação teve início em Oliveira no domingo (21), no km 618 da BR-381. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que intensificou o policiamento na região. Também está parada a BR-369, no km 1 em Oliveira, trecho que dá acesso ao município de São Francisco de Paula e cidades do Sul de Minas como Campo Belo.
 
Em Pitangui também houve adesão. Segundo informações da Polícia Militar Rodoviária (PMR), pneus foram queimados na BR-352. E os manifestantes também interditaram a MG-431, em Itaúna. Só está liberada a passagem de carros, motos, ônibus, ou carreta e caminhões que estejam transportando animais.
Ainda tem interdição em dois pontos da MG-050. No km 132, na saída do Anel Rodoviário de Divinópolis para São Sebastião do Oeste a rodovia está interditada nos dois sentidos. Outro ponto é no km 86, próximo ao trevo que segue para Itaúna.
A manifestação dos caminhoneiros teve início nesta semana em várias partes do país. Os caminhoneiros reclamam dos aumentos dos combustíveis, dos tributos sobre o transporte, como o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Eles pedem ainda melhorias nas estradas.
Pelas rodovias passam apenas carros de passeio, veículos de emergência, ônibus cargas de remédio para hospitais e cargas vivas como carregamento bovino.

Greve dos caminhoneiros teve início neste domingo (22) em Oliveira (Foto: Marcelo Praxesdes/Divulgação) 
Greve dos caminhoneiros teve início no domingo (22) em Oliveira 
(Foto: Marcelo Praxesdes/Divulgação)

Nenhum comentário:

Postar um comentário