sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Sem energia, milhares de frangos morrem em São Sebastião do Oeste, MG.

Sem energia, milhares de frangos morrem em São Sebastião do Oeste

Sistema de refrigeração foi interrompido por cerca de duas horas.
G1 contatou a Cemig, e até o momento da publicação não obteve resposta.

 
Anna Lúcia Silva  
Do G1 

Mais de cinco mil frangos de várias granjas em São Sebastião do Oeste, no Centro-Oeste do estado, morreram devido a problemas causados por cortes no fornecimento de energia elétrica nesta quarta-feira (21). A falta de energia interrompeu o sistema de refrigeração e a mortandade foi provocada pelo forte calor, segundo o veterinário e diretor da Associação de Avicultores do Centro-Oeste de Minas (Avicom), Douglas Teixeira Moraes. O G1 aguarda posicionamento da Companhia Enérgica de MInas Gerais (Cemig) sobre o corte no fornecemento de energia.

Sem energia, milhares de frangos morrem em São Sebastião do Oeste (Foto: Avicom/Divulgação) 
Milhares de frangos morrem em São Sebastião do Oeste (Foto: Avicom/Divulgação)
 

A falta de energia afetou vários produtores da região. A queda ocorreu por volta das 15h e a situação só voltou ao normal às 17h30. "Foram duas horas sem energia, mas por conta do forte calor, o tempo foi suficiente para provocar a mortandade dos animais. Devido a interrupção no fornecimento de energia elétrica ocorre uma elevação da temperatura dos aviários e consequentemente a temperatura das aves, o que leva a um quadro de estresse calórico provocando o que chamamos de alcalose metabólica, que é quando as aves ficam ofegantes e tentam dissipar o excesso de calor. Elas ficam ofegantes durante um período e quando chega o fim da tarde acabam morrendo", explicou o veterinário e presidente da Avicom, Douglas Teixeira.
Ainda segundo o presidente da Associação, todos os animais estão comprometidos e o problema é frequente na região. "Os frangos que sobrevivem perdem peso e têm uma piora no índice de conversão alimentar, ou seja, convertem menos ração em quilos de carne. A energia que os animais usariam para o crescimento eles acabam direcionando para dissipar o calor e tentar manter a temperatura corporal. Esse problema é frequente e ocorre principalmente em períodos de chuva e de muito calor. Esse ano a preocupação é maior pois o calor é o mais rigoroso de todos os tempos, e ainda há falta de chuva", lamentou Douglas.
A economia do município é basicamente voltada para a avicultura e a situação preocupa os produtores, que precisam justificar a mortandade por meio de laudos. "Precisamos acionar o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e a Emater,  pois uma mortandade como essa pode ser associada a uma doença infecciosa. Além de trazer prejuízos para os produtores e para a indústria de alimentos que receberia esses frangos para produção", explicou Douglas Teixeira Moraes.
O G1 solicitou à Cemig informações sobre o corte de energia, e a companhia ficou de se posicionar por meio de nota ainda nesta quinta-feira (22).

Nenhum comentário:

Postar um comentário