quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Vaticano encontra centenas de milhões de euros 'escondidos'.

Vaticano encontra centenas de milhões de euros 'escondidos'

Cardeal diz que dinheiro estava em contas de vários departamentos.
Reformas financeiras foram adotadas após a eleição do Papa Francisco.

 
Da Reuters

O cardeal australiano George Pell, ministro da Fazenda do Vaticano, em foto de 6 de março de 2013 (Foto: Reuters/Tony Gentile) 
O cardeal australiano George Pell, ministro da Fazenda do Vaticano, em foto de 6 de março de 2013 (Foto: Reuters/Tony Gentile)


O ministro da Fazenda do Vaticano revelou que centenas de milhões de euros foram encontrados "escondidos" em contas de vários departamentos da Santa Sé sem terem aparecido nos balanços da cidade-Estado.
Em um artigo na edição da revista britânica Catholic Herald que será publicada na sexta-feira (5), o cardeal australiano George Pell escreveu que a descoberta significa que as finanças em geral do Vaticano estão em melhor estado do que se acreditava.
“De fato, descobrimos que a situação é muito mais saudável do que parecia, porque algumas centenas de milhões de euros estavam escondidas em contas particulares seccionais e não apareceram na folha de balanço”, escreveu.
“É importante enfatizar que o Vaticano não está quebrado... a Santa Sé está mantendo seus pagamentos e possui bens e investimentos substanciais”, afirmou Pell, de acordo com uma prévia do texto disponibilizada nesta quinta-feira.
Pell não insinuou nenhum malfeito, mas disse que durante muito tempo os departamentos do Vaticano tiveram “liberdade quase total” com suas finanças e que seguiram “padrões há muito estabelecidos” na administração de seus assuntos.
“Muito poucos ficaram tentados a contar ao mundo o que estava acontecendo, a não ser quando precisavam de uma ajuda adicional”, afirmou, destacando o outrora poderoso Secretariado de Estado como um departamento que protegia sua independência de maneira especialmente ciumenta.
“Era impossível para qualquer um saber precisamente o que estava acontecendo de forma geral”, disse Pell, chefe do novo Secretariado para a Economia, que é independente do hoje rebaixado Secretariado de Estado.
Pell é um forasteiro do mundo de língua inglesa transferido pelo papa Francisco de Sydney para Roma para supervisionar as muitas vezes nebulosas finanças do Vaticano depois de décadas de controle nas mãos de italianos.
O escritório de Pell enviou uma carta a todos os departamentos do Vaticano no mês passado tratando das mudanças na ética econômica e na prestação de contas.
A partir de 1º de janeiro, cada departamento terá que adotar “políticas administrativas confiáveis e eficientes” e preparar informações financeiras e relatórios que obedeçam padrões internacionais de contabilidade.
As declarações financeiras de cada departamento serão analisadas por uma grande empresa de auditoria internacional, diz a carta.
Desde a eleição de Francisco em março de 2013, o Vaticano adotou grandes reformas para aderir a padrões financeiros internacionais e evitar a lavagem de dinheiro, e fechou muitas contas suspeitas em seu banco, assolado por escândalos.
Em seu artigo, Pell afirma que as reformas estão “bem encaminhadas e já passaram do ponto no qual o Vaticano poderia voltar aos 'maus e velhos dias'".

Nenhum comentário:

Postar um comentário