quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Papa telefona para refugiados no Iraque e diz que eles 'são como Jesus'.

Papa telefona para refugiados no Iraque e diz que eles 'são como Jesus'

Papa Francisco se dirigiu a cristãos que fugiram do avanço jihadista.
Depois, ele foi à Basílica de São Pedro rezar a Missa do Galo.

 
Agencia EFE

O Papa Francisco beija uma estátua do menino Jesus durante sua chegada para celebrar na Basílica de São Pedro, no Vaticano   (Foto: Max Rossi/Reuters) 
O Papa Francisco beija uma estátua do menino Jesus durante sua chegada para celebrar na Basílica de São Pedro, no Vaticano (Foto: Max Rossi/Reuters)
 
 
O papa Francisco desejou Feliz Natal nesta quarta-feira (24) ao grupo de cristãos refugiados em uma igreja de Erbil, após fugir do avanço jihadista no Iraque, e lhes disse que são "como Jesus", pois "ele também foi expulso e teve que fugir ao Egito para salvar-se". Depois, ele foi à Basílica de São Pedro rezar a Missa do Galo.
Em uma ligação telefônica à igreja do bairro de Ankawa, na capital do Curdistão iraquiano, retransmitida ao vivo pela emissora de televisão italiana 'TV2000', o pontífice repassou sua 'proximidade' e 'ternura' aos deslocados pelo conflito.
"Vocês são como Jesus na noite de seu nascimento: para ele não havia um lugar, foi expulso e teve que fugir ao Egito para salvar-se. Vocês, hoje, são como ele e eu lhes abençoo", disse o bispo de Roma.
"Estou perto de vocês com o coração e peço a Jesus que lhes acaricie com sua ternura e à Virgem Maria que lhes dê seu amor", acrescentou.
Em sua ligação, o pontífice transmitiu sua mensagem ao pároco Behanam Benoka, que trabalha com os deslocados no Iraque após o avanço dos jihadistas do Estado Islâmico.
O papa Francisco condenou em reiteradas ocasiões a situação na qual vivem os refugiados sírios, palestinos e iraquianos.
Em sua viagem este ano à Terra Santa, Francisco renovou o compromisso de ajuda da Igreja Católica com estas pessoas e fez, ao mesmo tempo, um pedido à comunidade internacional para que contribua para superar os conflitos armados no Oriente Médio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário