quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Está com dor de cabeça? Talvez você devesse transar.

Seis fatos surpreendentes sobre o orgasmo




 
Na boa, você não precisa de ninguém pra te convencer a fazer sexo: a vontade está arraigada no seu cérebro. Mas além de propagar a espécie, transar pode melhorar a sua qualidade de vida por proporcionar uma explosão de sensações conhecida por orgasmo, ou “the Big O”. Não, não tenha vergonha – orgasmos fazem parte da saúde feminina tanto quanto passar fio dental – só que é bem mais divertido. Descubra alguns fatos surpreendentes sobre eles divulgados pela revista Woman’s Day.


1. Orgasmos podem aliviar a dor

Está com dor de cabeça? Talvez você devesse transar. “Há evidências de que os orgasmos podem aliviar todo tipo de dor – incluindo dores de artrite, pós-cirúrgicas e até dores do parto”, observa Lisa Stern, uma enfermeira do Planned Parenthood de Los Angeles. “O mecanismo funciona através de uma química chamada ocitocina, liberada durante o orgasmo.” 




2. 30% das mulheres têm problemas para alcançar o orgasmo

Se você já teve problemas em alcançar o orgasmo, você não está sozinha. De acordo com as estatísticas do Planned Parenthood, uma em cada três mulheres tem problemas pra alcançar o orgasmo durante o sexo. Cerca de 80% delas têm dificuldade com orgasmo só com a penetração. Stern salienta que o estímulo do clitóris durante o ato pode ajudar, mas que, se o problema persistir, a mulher deve procurar tratamento médico. “A disfunção sexual feminina, que envolve a inabilidade de alcançar o orgasmo, é bastante comum – atinge 43% das mulheres”, esclarece a médica. A condição pode ainda estar associada a outros problemas de saúde, como diabetes, depressão ou doença da tireoide.

 
3. Orgasmos melhoram com a idade 

Sim, existem muitas coisas pra reclamar quando o assunto é idade, porém sua vida sexual, na verdade, pode melhorar – especificamente a qualidade e a frequência dos seus orgasmos, afirma a Dra. Herbenick. “Os orgasmos vão se tornando mais fáceis com a idade”, garante ela. Enquanto 61% das mulheres entre 18 e 24 anos disseram ter alcançado o orgasmo da última vez que transaram, 65% das de 30 anos e cerca de 70% das de 40-50 também chegaram lá. E qual a explicação? Bem, com a idade, as mulheres vão ficando mais confiantes entre quatro paredes e, portanto, conseguem aproveitar melhor a relação sexual. 


4. Mulheres que ‘misturam as coisas’ têm orgasmos mais frequentes

É mais fácil para as mulheres atingirem o orgasmo quando elas se envolvem numa variedade de atos sexuais diferentes, em vez de apenas um, como a penetração. “Sexo vaginal combinado com oral está associado a uma maior probabilidade de alcançar o orgasmo”, garante Dra. Herbenick. Talvez seja porque as pessoas passem mais tempo transando, segundo a médica.


5. Em alguns casos, orgasmos podem acontecer sem estímulo genital

Todos já ouvimos falar de mulheres que conseguem alcançar o orgasmo sentadas no trem ou enquanto recebem uma massagem, mas isso não é só mais uma lenda urbana. Especialistas dizem que se trata de um fenômeno real. “Tinha uma amiga que conseguia alcançá-lo toda vez que usava a esteira”, afirma Stern. Ela explica que os orgasmos espontâneos durante certas atividades podem acontecer por causa do aumento de fluxo sanguíneo nos genitais, ou qualquer vibração ou contato com o clitóris. 
 

6. Para a maioria das mulheres, leva um tempo…

Muitas mulheres têm um clímax mais longo do que seus parceiros, e isso é perfeitamente normal, garante Stern. Na verdade, segundo as estatísticas, a maioria das mulheres exige pelo menos 20 minutos de atividade sexual para alcançar o orgasmo. Se o seu parceiro geralmente chega lá antes que você, há sempre um jeito de desacelerar as coisas. “Exercícios mentais, além de fazer pressão em torno da base do pênis, às vezes podem ajudar. Se a ejaculação precoce persistir, é bom procurar um urologista para aprender algumas técnicas que podem ajudar”, recomenda a especialista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário