segunda-feira, 17 de novembro de 2014

SUS passa a vacinar grávidas contra coqueluche.

Gestantes passam a receber vacina contra coqueluche, anuncia ministro

Ministério da Saúde pretende vacinar 480 mil mães até o fim do ano.
Segundo ministro, houve aumento de casos nos últimos quatro anos.

 
Do G1 

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, e o secretário em Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, durante entrevista (Foto: Gabriel Luiz/G1) 
O ministro da Saúde, Arthur Chioro, e o secretário em Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, durante entrevista (Foto: Gabriel Luiz/G1)


O ministro da Saúde, Arthur Chioro, anunciou nesta segunda-feira (17) que gestantes passaram a ser vacinadas faz duas semanas contra coqueluche pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A vacina deve ser aplicada em, no máximo, 20 dias antes do parto. Profissionais de saúde que trabalham em UTIs neonatais ou maternidades também receberão a dose.
Segundo Chioro, houve aumento significativo no número de casos e de mortes por coqueluche em todo o mundo — principalmente na faixa etária até 6 meses de idade. Em 2009, havia menos de 2 mil casos no planeta. Em 2012, o índice subiu para 7 mil casos. No Brasil, 98 pessoas morreram por coqueluche neste ano, de acordo com o ministro. Em 2013, foram 568 diagnósticos de coqueluche e 110 mortes.
“Estamos observando aumento de casos e óbitos em bebês com até 6 meses de idade. É um fenômeno que acontece também nos Estados Unidos e Canadá. Nos últimos quatro anos, começou a reemergir a doença e essa [a prática de vacinar gestantes] é mais uma estratégia de proteção para esses bebês”, disse Chioro.
A vacina já passou a ser distribuída na rede pública do país desde 3 de novembro. Foram adquiridas 4 milhões de doses, pelo preço de R$ 87,2 milhões. É a terceira vacina incorporada ao calendário de vacinação neste ano. Ela se junta à proteção contra HPV, hepatite A e mais 14 outras doenças.
Com capacidade de proteger adultos sem apresentar efeitos colaterais, a dTpa (nome da vacina) protege também contra difteria e tétano. Até então, uma gestante tomava três doses contra as duas últimas doenças. A partir deste ano, a terceira dose passa a conter proteção contra a coqueluche.
O secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, disse que vacinar mães garante uma proteção aos bebês nos primeiros meses de vida, mas não garante que ele esteja completamente seguro contra a doença.
“Isso não dá proteção permanente nem sequer prolongada. Aqueles anticorpos só duram 6 meses. Portanto, isso não altera o esquema de vacinação da criança, que deve tomar outra vacina depois de 2 meses de vida”, afirmou Barbosa.
O Ministério da Saúde pretende vacinar 480 mil gestantes em todo o país. Em 2015, a previsão é de que 2,9 milhões de mães estejam imunizadas.


Coqueluche

Transmitida por uma bactéria, o principal sintoma da coqueluche é tosse forte. Segundo o secretário de Vigilância em Saúde, isso faz com que a doença possa ser confundida com outras enfermidades. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a coqueluche é uma das dez maiores causas de mortalidade infantil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário