sábado, 1 de novembro de 2014

Seca no sul de Minas leva Cemig a desligar hidrelétrica.

Seca no sul de Minas leva Cemig a desligar hidrelétrica

Até ontem, nível crítico do reservatório obrigava empresa a operar com apenas uma turbina

 

Cemig vai desligar uma de suas hidrelétricas pelo baixo nível do reservatório
Cemig vai desligar uma de suas hidrelétricas pelo baixo nível do reservatório (Exame/VEJA)


A seca que castiga o sul de Minas Gerais e toda a bacia hidrográfica do Rio Grande, responsável por 25% do abastecimento das regiões Sudeste e Centro-Oeste, fez sua primeira vítima da geração de energia. Na próxima semana, a situação vai obrigar a estatal mineira Cemig a paralisar a operação da hidrelétrica Camargos.

A usina, que tem potência de 45 megawatts, está localizada na cabeceira do Rio Grande. O rio tem mais 12 barragens instaladas em seu curso. A empresa decidiu desligar as turbinas por conta do nível crítico do reservatório da hidrelétrica, que está com menos de 0,5% de sua capacidade. Até ontem, uma das duas turbinas continuavam ligadas, mas com capacidade para gerar apenas 3 megawatts.
"Há previsão que essa unidade geradora seja desligada na próxima semana, quando a usina atingirá seu mínimo operativo. A partir desse momento, a vazão para jusante (rio abaixo) passará a ser liberada pela válvula de fundo, visando manter a perenização do rio", informou a estatal. "Esse procedimento deve permanecer até que as chuvas proporcionem condição afluente para elevação do nível de água do reservatório."
A estiagem histórica provoca um efeito cascata sobre o Rio Grande, rio que nasce em Bocaina de Minas (MG) e avança sentido leste-oeste, na divisa de Minas e São Paulo, até desaguar no Rio Paraná. Neste caminho, há mais doze barragens que também sofrem com a escassez de água. O reservatório de Furnas, por exemplo, que está entre os maiores do Brasil, apresenta apenas 13% de sua capacidade de armazenamento.
(Com Estadão Conteúdo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário