quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Encontrado corpo que pode ser de operário desaparecido há 80 dias em Itabirito, MG.

Encontrado corpo que pode ser de operário desaparecido há 80 dias

Adílson Aparecido Batista é vítima de rompimento de barragem em Itabirito.
Dois corpos de operários foram encontrados no dia que ocorreu o acidente.

 
Do G1 

Bombeiros trabalham em área inundada após rompimento de barragem em Itabirito (Foto: Reprodução / TV Globo)Bombeiros trabalham em área inundada após rompimento de barragem em Itabirito 
(Foto: Reprodução / TV Globo)
 
 
Um corpo, que pode ser do operário Adílson Aparecido Batista, de 44 anos, terceira vítima do rompimento de uma barragem em uma mina em Itabirito, na Região Central de Minas Gerais, foi encontrado no fim da tarde desta quinta-feira (20), no local onde ocorreu o acidente. O deslizamento aconteceu no dia 10 de setembro.
(Correção: ao ser publicada, esta reportagem errou ao informar que o corpo de Adílson Aparecido Batista está desaparecido há 40 dias. O erro foi corrigido às 18h28.)
De acordo com o Corpo de Bombeiros de Ouro Preto, também na Região Central do estado, foram funcionários da Herculano Mineradora que encontraram os restos mortais. As buscas haviam sido interrompidas no dia 25 de setembro “devido à instabilidade do terreno, a tentativa de aprofundar as escavações traria um alto risco para as equipes”.
Adílson estaria na cabine de uma retroescavadeira no momento do acidente. O veículo já havia sido encontrado intacto e com uma das janelas abertas. O mais provável é que o funcionário tenha deixado o veículo e sido encoberto pela terra e pelos rejeitos. Os corpos do topógrafo Reinaldo da Costa Melo, de 68 anos, e do operário Cristiano Fernandes Silva, de 32 anos, foram localizados no dia do rompimento da barragem.
As buscas foram realizadas por 15 dias consecutivos. Foram mobilizadas equipes especializadas, que contaram com auxílio de máquinas escavadeiras e cães farejadores.


Sequestro de bens

Os bens da empresa Herculano Mineração e de seus sócios foram bloqueados pela Justiça em  Itabirito. A decisão atende ação proposta pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), que tem o objetivo de garantir eventual recuperação da área e pagamento de indenizações.
Segundo o MPMG, o rompimento da B1 foi provocada por irregularidades na gestão ambiental e pela disposição ilegal de rejeitos. O órgão ainda investiga as causas do rompimento e analisa medidas para reparar os danos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário