quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Procuradoria pede documentação sobre aeroporto de Cláudio, MG, à Anac.

Procuradoria pede documentação do aeroporto de Cláudio à Anac

Agência informou que há pendência de documentação para funcionamento.
Aeródromo fica em terras que pertenceram ao tio-avô de Aécio Neves.

 
Anna Lúcia Silva 
Do G1
 
Vista aérea da cidade de Cláudio (Foto: Acervo Prefeitura/Divulgação)Vista aérea da cidade de Cláudio, que tem 25.771
habitantes, segundo o IBGE (Foto: Divulgação)

A Procuradoria da República de Divinópolis (MG), responsável pela atuação judiciária do município mineiro de Cláudio, pediu à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) cópias da documentação do aeroporto construído nas terras que pertenceram ao tio-avô do candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, informou o órgão.
A pista do município que fica a 150 quilômetros de Belo Horizonte não tem autorização da Anac para funcionar porque há pendências de documentação, segundo informação confirmada pelo G1 nesta quarta-feira (22) com a assessoria de imprensa da autarquia, em Brasília.
Procurada pelo G1, a Anac informou que atendeu à solicitação da Procuradoria da República no dia 13 de setembro fornecendo documentos relativos ao processo de homologação do aeroporto. A Agência destacou que os aeroportos não homologados não estão abertos ao tráfego aéreo e que como o local não está cadastrado junto à entidade, a Anac não possui informações sobre voos que estejam sendo realizados ou sobre a identificação de passageiros.
Em julho, quando a polêmica veio à tona, Aécio Neves chegou a admitir que usou o aeroporto do município do interior de Minas algumas vezes. Ele, no entanto, afirmou que não sabia da necessidade de homologação para o uso.
"A obra foi corretíssima. Não me furto a responder sobre esse assunto. A obra foi planejada como milhares de outras feitas em Minas Gerais. O que há, na verdade, é uma grande demora da Anac em fazer essas homologações. Eu fui de forma inadvertida. Não procurei saber se havia ou não a homologação. Se isso é um erro, eu assumo esse erro", disse o presidenciável tucano na ocasião.
A obra na fazenda do tio-avô de Aécio custou cerca de R$ 14 milhões e foi concluída em 2010, último ano do mandato do candidato do PSDB como governador de Minas, segundo reportagem publicada pelo jornal "Folha de São Paulo".
O aeroporto feito para receber aviões de médio e pequeno porte fica dentro da fazenda de Múcio Guimarães Tolentino, no município de Cláudio. Múcio é irmão da avó de Aécio, Risoleta Tolentino Neves, que foi casada por 47 anos com Tancredo Neves. De acordo com a "Folha de S.Paulo", Múcio e os filhos dele ficavam com as chaves do portão do aeroporto. Ainda segundo o jornal, era preciso pedir autorização aos familiares de Aécio para pousar na pista.
O Diário Oficial da União publicou em 23 de abril de 2014 um convênio que transfere do Executivo federal para o governo mineiro a exploração do aeroporto de Cláudio.
Uma nota oficial publicada no site da campanha de Aécio no último domingo (19) afirmou que o aeroporto mineiro "é de uso público e, assim como outros, aguarda a conclusão do processo de homologação junto à Agência Nacional de Aviação Civil".

Nenhum comentário:

Postar um comentário