quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Homem tenta provar ao INSS que está vivo para receber seguro em Luz, MG.

Homem tenta provar ao INSS que está vivo para receber seguro em MG

Alessandro Oliveira foi dado como morto desde 2000.
Rapaz quer seguro-desemprego; INSS informou que já atualizou cadastro.

 
Bárbara Almeida  
Do G1 
 
Alessandro Oliveira é dado como morto pelo INSS (Foto: Alessandro Oliveira/Arquivo Pessoal)Alessandro descobriu que é dado como morto pelo INSS (Foto: Alessandro Oliveira/Arquivo Pessoal)

Um morador da cidade de Luz, no Centro-Oeste de MG, tenta provar para o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) que está vivo para poder receber o seguro-desemprego. Desempregado, o homem enfrenta transtornos e registrou um Boletim de Ocorrência (BO), pois descobriu que consta nos registros do órgão que ele está morto desde o dia 29/09/2000. O INSS informou que já foram atualizados os dados cadastrais do rapaz.
Alessandro Alves de Oliveira, 37 anos, descobriu o problema no dia 9 de setembro quando compareceu ao Sistema Nacional de Emprego (Sine) em Luz e foi informado pela funcionária que não poderia dar entrada no seguro desemprego, pois consta no registro do INSS que ele está morto há mais de 14 anos. "Fiquei assustado e sem saber como agir, pois desempregado e com as contas vencendo precisava de agilidade. Estou vivo, firme e forte e preciso resolver o problema para colocar as contas em dia”, comentou.
Após ser informado pelo Sine sobre o óbito indevido, Alessandro foi até o INSS e lá foi orientado a entrar com recurso e provar que está vivo através de uma declaração de próprio punho. Ele conta que tomou as providências, mas foi informado que não tem data para o problema ser resolvido. "Já tento resolver a situação há quase um mês, e isso tudo está atrasando a primeira parcela do meu benefício. Fiz a declaração e entrei com recurso e agora aguardo ansioso para que o problema seja resolvido com agilidade afinal as contas não esperam", declarou Oliveira.
Boletim Registrado por Alessandro Oliveira de Luz (Foto: Alessandro Oliveira/Arquivo Pessoal)Com receio, Alessandro registrou boletim na PM
(Foto: Alessandro Oliveira/Arquivo Pessoal)
 
Com receio que o recurso e a declaração não sejam suficientes, Alessandro também procurou a Polícia Militar (PM) e registrou um boletim, contando o problema e registrando diante uma autoridade policial que está vivo. "É constrangedor ficar tentando provar a todo momento que estou vivo. Ainda mais para receber meus direitos. Mas com medo procurei a PM e registrei um BO para que não fique dúvidas que não estou morto", finalizou.
A reportagem entrou em contato com o Sine que informou que solicitou a documentação necessária à Alessandro após constar no sistema que ele estava morto. "Orientamos Alessandro a procurar o INSS para fazer a retificação de dados. Após enviamos o recurso junto ao Ministério do Trabalho e aguardamos a resposta. O prazo para retorno é de cerca de 30 dias", explicou a funcionária do Sine, que atendeu Alessandro, Graziele Ribeiro.
Já o INSS, por meio de nota, informou que foram atualizados os dados cadastrais com retirada da data do óbito e que o segurado foi encaminhado ao Sine.

Nenhum comentário:

Postar um comentário