segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Bancários fazem assembleia para decidir fim da greve ou manutenção.

Bancários fazem assembleia para decidir fim da greve ou manutenção

Na sexta-feira, trabalhadores receberam proposta dos bancos.
Contraf-CUT disse que recomendaria à categoria o fim da greve.

 
Do G1
 
Greve dos bancários fecha 30% das agências em Campinas, diz sindicato (Foto: Marcello Carvalho/G1) 
Greve dos bancários fecha 30% das agências em Campinas, diz sindicato 
(Foto: Marcello Carvalho/G1)


Os trabalhadores dos bancos públicos e privados vão decidir em assembleia pelo fim ou não da paralisação nesta segunda-feira (6), segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). Em todo o Brasil, 134 sindicatos representam a categoria e irão levar a proposta da Fenaban para votação dos bancários.
Após receber uma nova proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) na sexta-feira (3), a Contraf-CUT informou, na madrugada do dia seguinte, que o Comando Nacional dos Bancários iria recomendar à categoria o fim da greve, que começou no dia 30 de setembro.

Na 9ª rodada de negociação, a Fenaban propôs elevar o índice de reajuste de 7,35% para 8,5% (aumento real de 2,02%) nos salários e demais verbas salariais, de 8% para 9% (2,49% acima da inflação) nos pisos e 12,2% no vale-refeição.
Em relação aos dias parados, a entidade dos bancos propôs compensação de uma hora por dia no período de 15 de outubro a 31 de outubro, para quem trabalha 6 horas, e uma hora no período entre 15 de outubro e 7 de novembro, para quem trabalha 8 horas.

"Vemos essa proposta como positiva. É um aumento maior do que no ano passado e também é muito importante a criação de mecanismos de combate à pressão por venda de produtos. Foi um avanço. Nos últimos anos nos tentaram vencer pelo cansaço, tanto que a greve em 2013 durou 26 dias. Parece que eles aprenderam com os erros e resolveram de fato apresentar uma proposta melhor", afirmou na sexta-feira Carlos Cordeiro, presidente da Contraf, por telefone ao G1.


Paralisação

A greve dos bancários, que entrou nesta sexta-feira (3) em seu quarto dia, já fechou 10.355 agências pelo país, segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). A paralisação, segundo a entidade, é por tempo indeterminado. Sindicatos de todos os estados confirmaram adesão à greve, além do Distrito Federal.
A greve foi iniciada apenas em agências bancárias, mantendo o funcionamento de caixas eletrônicos, serviços de teleatendimento e centros administrativos.
No entanto, segundo o sindicato, na quarta-feira, bancários de São Paulo e do Rio de Janeiro paralisaram alguns callcenters, telebancos, centros administrativos, serviço de apoio ao cliente e central de atendimento em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário