quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Menino de três anos pesa 70kg e espera por exame.

Menino de três anos pesa 70kg e espera por exame no ES

Segundo a mãe, Misael começou a engordar desde que era um bebê.
Um exame poderia descobrir o que ele tem, mas a família não pode pagar.

 
Naiara Arpini  
Do G1 

 


"Ele é um neném ainda, pede colo, e  eu não posso dar". O desabafo é da dona de casa Josiane de Jesus, mãe de Misael, uma criança de três anos que já pesa 70 quilos. Segundo ela, o filho engorda cerca de três quilos por mês. A suspeita é de que ele sofra de um síndrome, mas a família não tem dinheiro para pagar o exame que poderia diagnosticar a doença. Com dificuldades para realizar atividades básicas, como andar e respirar, a criança aguarda a autorização do exame. A Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) disse que o exame está em processo de compra, porque é raro e caro, e que esse processo deve ser finalizado até o final deste mês.

Misael nasceu com 3,750 kg, peso considerado normal, mas, segundo a mãe, começou a engordar desde os primeiros meses de vida. "Ele engordava 300 gramas por mês, que é mais do que o esperado. Os médicos alertavam, mas eu dizia que não estava dando nada do que ele não poderia comer. Com um aninho, ele engordava cerca de três quilos por mês e não parou mais", contou. 
Josiane contou que levou o filho ao médico para tentar descobrir o que causa o aumento de peso exagerado da criança, mas que o caso continua sendo um mistério para a família. "Começamos a correr atrás e marcamos uma consulta com uma endocrinologista. Ele fez um exame e então descobrimos que ele tem Hipotireoidismo, o que o faz engordar. Desde antes dos dois anos de idade ele toma remédio por conta disso, mas parece que depois do remédio ele engordou ainda mais", disse.

Criança tem três anos e pesa 70kg (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)Criança tem três anos e pesa 70kg
(Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

O menino foi encaminhado para uma geneticista que atua em Vitória. De acordo com a mãe, a suspeita é que Misael sofra de uma síndrome que o faz engordar. No entanto, para diagnosticar a doença, ele precisaria fazer um exame que a família não tem condições de pagar. "Essa doutora passou um exame, mas ele é caro e ainda não conseguimos fazer. A médica disse que custa mais de R$ 1 mil e que aqui em Vitória não está fazendo. O pedido do exame está Secretaria de Saúde há mais de um mês e ainda não recebemos resposta", explicou.
O exame é uma pesquisa molecular por síndrome de Prader Willi. O garoto mora em Cachoeiro de Itapemirim e hoje faz tratamento pelo Sistema Único de Saúde no Hospital Infantil de Vitória. Veio de lá o pedido ao qual os pais deram entrada na Secretaria Municipal de Saúde. Mas ainda não tiveram uma resposta. Com o diagnóstico em mãos, o garoto poderia dar início a um tratamento.
Para Josiane, a demora na realização do exame é um grande motivo de preocupação. "Os médicos já falaram que ele pode morrer dormindo, pois não respira direito. A gente fica muito preocupado", disse.


Dificuldades

A mãe lamenta que o filho não pode levar a vida como uma criança normal. "Ele tem dificuldades para andar, para levantar, para respirar. Às vezes chora a noite toda porque não consegue dormir, devido à dificuldade de respirar", contou.
Além de ver o sofrimento do filho, Josiane também enumera as dificuldades enfrentadas pela família. "Eu não posso trabalhar porque tenho que passar o dia inteiro com ele. Também não posso colocá-lo na creche. Ele é muito grande e algumas crianças até se assustam, têm medo dele. Além disso, não tem como sair de casa. Eu não posso pagar táxi e não tem condições de ele subir no ônibus", lamentou.
Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde de Cachoeiro de Itapemirim informou que já encaminhou o pedido de exame à Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), responsável pelos casos de especialidades. Já a Sesa disse que o exame está em processo de compra, porque é um exame raro e caro. Esse processo de compra deve ser finalizado até o final deste mês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário