quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Chinesa mantida como escrava é encontrada em loja, diz Polícia Federal.

Chinesa em situação de escravidão é encontrada em loja, diz Polícia Federal

Mulher, de 23 anos, vivia em depósito de mercadorias em Araçatuba (SP).
Ela era constantemente xingada, dizem funcionárias da loja.

 
Do G1
 
A Polícia Federal de Araçatuba (SP) encontrou nesta terça-feira (23) uma chinesa, de 23 anos, que vivia trancada no depósito de mercadorias e sem condições adequadas para comer ou dormir. De acordo com a PF, uma loja de bijuterias mantinha a mulher trabalhando em situação semelhante à de escravidão, há pouco menos de um ano -  a jovem está no Brasil há três anos.
Os donos da loja, que também são chineses, foram encaminhados para a sede da Polícia Federal para esclarecimentos. O casal suspeito pode responder por trabalho escravo, que prevê de 2 a 8 anos de prisão; o crime é inafiançável e eles devem ser transferidos para cadeias da região.
De acordo com Frederico Franco Rezende, delegado da Polícia Federal, a jovem trabalhava para pagar uma dívida de seus pais com os comerciantes. "Ela recebia em torno de R$ 1 mil mensais, mas todo o salário ficava retido com os proprietários da loja", explica.

Segundo o boletim de ocorrência, a PF fez o flagrante após ser chamada para averiguar uma denúncia sobre documentação e procedência de mercadorias. De acordo com a polícia, a mulher era mantida no segundo piso do estoque, com um colchão no chão e coberto com tapumes de madeira e papelão. Aparentemente, ela bebia água dentro de um balde. Pedaços de tomate e frango foram encontrados estocados no chão. 
De acordo com depoimentos de funcionárias da loja, a mulher era constantemente xingada e não podia sair do local, mas elas não sabiam das condições em que ela vivia. “Os donos diziam ser tios dela e não a deixavam sair da loja, sempre dizendo que ela tinha que trabalhar. Ela também não comia e não podia usar o banheiro. Como ela não falava português direito, mas sabíamos da situação”, conta uma mulher, que não quis ser identificada.
A PF informou que a jovem não é parente dos comerciantes. Ela também foi encaminhada à Polícia Federal, onde aguarda para ser ouvida. O Ministério Público do Trabalho acompanha o caso e deve providenciar um abrigo para a jovem.


No estoque, tapumes escondiam cama e pertences da chinesa (Foto: Eduardo Fonseca / TV TEM) 
No estoque, tapumes escondiam cama e pertences da chinesa 
(Foto: Eduardo Fonseca / TV TEM)
 
 
Jovem dormia em colchão no chão, coberta por tapumes e papelão (Foto: Eduardo Fonseca / TV TEM) 
Jovem dormia em colchão no chão, coberta por tapumes e papelão 
(Foto: Eduardo Fonseca / TV TEM)
 
 
Água e comida da jovem foram encontradas no chão (Foto: Eduardo Fonseca / TV TEM) 
Água e comida da jovem foram encontradas no chão 
(Foto: Eduardo Fonseca / TV TEM)

Nenhum comentário:

Postar um comentário