domingo, 28 de setembro de 2014

Após nova proposta, bancários confirmam greve a partir de terça-feira.

Após nova proposta, bancários confirmam greve a partir de terça-feira

Além de reajuste de 12,5%, sindicatos querem combate ao assédio moral.
Assembleias serão realizadas na segunda-feira para organizar paralisação.

 
Do G1, com informações da Reuters



 
Após assembleia realizada em Belém na última quinta-feira (25), bancários do Pará irão iniciar greve no próximo dia 30. (Foto: Divulgação/Assessoria do Sindicato dos Bancários do Pará)Assembleia em Belém na última quinta (Foto:
Divulgação/Sindicato dos Bancários do Pará)

O Comando Nacional dos Bancários confirmou neste sábado (27) o indicativo de greve por tempo indeterminado a partir da próxima terça-feira (30), mesmo após uma nova proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).
As instituições financeiras elevaram o reajuste de 7% a 7,35% para os salários, enquanto o aumento no piso da categoria foi de 7,5% para 8%. No entanto, os novos índices foram considerados insuficientes pelos bancários em reunião realizada em São Paulo.
Os trabalhadores querem reajuste salarial de 12,5% e outras reinvindicações como, vale-cultura de R$ 112, combate ao assédio moral e fim das metas abusivas. Sindicatos em ao menos 19 estados, mais o Distrito Federal, decidiram pela paralisação dos trabalhos em assembleias na última quinta-feira (25).
Novas reuniões serão feitas na segunda-feira (29) em todo o país para organizar a greve, conforme a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). Os bancários planejam protestos em frente a sede do Banco Central, em Brasília, e nas representações da autoridade monetária no dia 2 de outubro.
Os estados em que sindicatos decidiram aderir à greve na última quinta-feira foram, além do Distrito Federal: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Alagoas, Mato Grosso, Piauí, Ceará, Pará, Roraima, Acre, Sergipe, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Paraíba e Bahia.


2013

Os trabalhadores do setor promoveram uma greve de 23 dias no ano passado, que foi encerrada após os bancos oferecerem reajuste de 8%, com ganho real de 1,82%. A duração da greve na época fez a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) pedir um acordo para o fim da paralisação, temendo perdas de até 30% nas vendas do varejo do início de outubro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário