sábado, 20 de setembro de 2014

Antidepressivo pode mudar estrutura do cérebro.

Antidepressivo pode mudar estrutura do cérebro, diz estudo

Exame revelou que, após três horas de ingestão de escitalopram, as conexões entre as células cerebrais diminuíram

medicamento
Antidepressivo: mudança nas conexões cerebrais ocorreram principalmente no cerebelo e no tálamo (Creatas Images/Thinkstock/VEJA) 

 
Uma única dose do antidepressivo escitalopram (também conhecido pelo comercial de Lexapro) pode mudar a estrutura do cérebro. A mudança nas conexões cerebrais ocorre depois três horas da ingestão do medicamento. Essa é a conclusão de um estudo publicado na quinta-feira no periódico Current Biology.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Serotonergic Modulation of Intrinsic Functional Connectivity​

Onde foi divulgada: Current Biology.

Quem fez: Alexander Schaefer, Inga Burmann, Ralf Regenthal, Katrin Arélin, Claudia Barth, André Pampel, Arno Villringer, Daniel S. Margulies e Julia Sacher

Instituição: Instituto Max Planck para Cognição Humana e Ciências do Cérebro, na Alemanha.

Resultado: Ressonância magnética revelou que consumo do antidepressivo escitalopram diminuiu a conexão entre as células cerebrais de voluntários.
 
O escitalopram é de uma classe de medicamentos chamada de inibidores seletivos de receptação (SSRI, na sigla em inglês). Esse tipo de remédio ajusta a disponibilidade da serotonina, neurotransmissor que regula o humor, no corpo. Ele diminui a sua reabsorção pelo organismo.
O estudo observou 22 pessoas saudáveis, das quais uma parte tomou o medicamento e outra não. Cada grupo foi submetido a três ressonâncias magnéticas em dias distintos: uma sem que os participantes ingerissem qualquer substância; a segunda  três horas depois da ingestão de uma dose de Lexapro (para os voluntários que tomaram o remédio) e a última três horas depois de uma dose de placebo. Os cientistas, então, compararam as conexões cerebrais entre os voluntários em todas as fases da pesquisa.


Conexão cerebral

Os exames revelaram que diminuiu a conectividade entre as células cerebrais das pessoas que tomaram escitalopram. Além disso, as regiões do cérebro se tornaram mais interdependentes. Essa característica foi notada, principalmente, no cerebelo, que coordena o movimento voluntário, e no tálamo, responsável pela parte sensorial.
"Nós não esperávamos que esse medicamento tivesse um efeito tão eminente em um prazo tão curto e que o efeito afetaria todo o cérebro", diz Julia Sacher, do Instituto Max Planck para Cognição Humana e Ciências do Cérebro, na Alemanha.
Os cientistas dizem que os resultados são os primeiros passos para estudos clínicos que analisam pacientes que sofrem de depressão. "Entender a reação de cada cérebro pode ajudar a prever de forma eficiente quem vai se beneficiar deste tipo de antidepressivo, ou não", explica Julia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário