sábado, 30 de agosto de 2014

Padrasto suspeito de pôr agulhas em criança de 3 anos diz que foi acidente.

Padrasto suspeito de pôr agulhas em criança de 3 anos diz que foi acidente

Ronaldo Oliveira diz que ela estava sozinha no quarto e encontrou agulhas.
G1 entrou na casa em que a família vivia e o entrevistou com exclusividade.

 
Michelle Farias  
Do G1
 
Ronaldo Apolinário nega que tenha colocado as agulhas na enteada de três anos (Foto: Michelle Farias/G1)Ronaldo Apolinário nega que tenha colocado as
agulhas na enteada de três anos
(Foto: Michelle Farias/G1)

Após ser indiciado pela polícia por maus-tratos à enteada de apenas três anos, diagnosticada no início da semana com três agulhas dentro do corpo, Ronaldo Apolinário de Oliveira, 25, quebrou o silêncio. Em entevista exclusiva ao G1, na tarde da última sexta-feira (29), ele mostrou a casa onde vivia com a família, no Povoado Santo Antônio, no município de Atalaia, e negou as acusações. O padrasto da criança alega que tudo não passou de acidentes. A menina foi liberada do hospital e foi morar com a tia na cidade de Jacaré dos Homens, Sertão alagoano.
Segundo Oliveira, no momento em que a menina se feriu com as agulhas, ele escovava os dentes do lado de fora da casa, enquanto a mãe da menina, Quitéria dos Santos, tomava banho. Eles ouviram os gritos da criança e foram socorrê-la. "Foi um acidente, a menina encontrou as agulhas que estavam no quarto. Quando chegamos, vimos que ela estava com várias agulhas. Ela [a mãe da menina] retirou rapidamente as que estavam do lado de fora [do corpo], enquanto ela chorava. Sou inocente", afirma Oliveira.
O caso de maus-tratos à menina foi denunciado pelo Conselho Tutelar de Jacaré dos Homens, município do Sertão de Alagoas, onde ela passou a residir com a tia. De acordo com o conselheiro tutelar José Carlos Ferreira Barbosa, a tia da criança foi buscá-la na casa dos pais, em Atalaia, depois que soube que a menina vinha sendo maltratada e estava com marcas de agressão no rosto.

Exames revelam agulhas no corpo de criança de 3 anos em Jacaré dos Homens (Foto: Arquivo Pessoal/José Carlos Ferreira)Exames revelam agulhas no corpo de criança
(Foto: Arquivo Pessoal/José Carlos Ferreira)
 
À época, a jovem Quitéria dos Santos, mãe da criança, disse que suspeita que o padrasto da menina seja o responsável pelas agressões. Segundo ela, o companheiro não gostava da criança e costumava espancá-la com frequência. Ela contou ainda acreditar que padrasto fazia algum tipo de ritual macabro com a criança.
"Ele costumava colocar ela de castigo e batia muito. As agulhas eu nunca vi ele colocando. Mas vi ele acendendo velas pela casa e escutei o amigo dele dizendo que se fosse preta ou de outra cor era melhor", relatou em entrevista à TV Gazeta na última quarta-feira (27).
Questionado sobre o hematoma no rosto da menina, o padrasto diz que nunca ficou sozinho com ela. "Ela é muito danada e sempre tive medo de ficar a sós com ela. O olho dela está assim porque ela caiu, quem viu a queda foi a mãe dela. Quando eu vi, chamei um vizinho e levei a menina ao médico. Nunca bati na menina e não entendo porquê ela [mãe da menina] não diz isso para a polícia", defende-se.
Já sobre as velas citadas pela sua mulher, ele disse que desconhece o fato e que nunca comprou nenhuma vela. "Quero que ela prove o que está falando. Não sei o motivo de ela não estar falando a verdade, mas acredito que a tia, com quem ela foi morar, está fazendo a cabeça dela. Espero que ela volte para a nossa casa porque quero cuidar dela e do nosso filho que ela espera ", diz.
Oliveira abriu as portas da casa em que vivia com a família para o G1. De acordo com o suspeito, eles moravam na casa de um primo dele, mas estavam de mudança após o proprietário pedir o imóvel de volta. Ele conta que havia acertado com a companheira, antes do caso vir à tona, que iriam morar em uma casa que está sendo construída no terreno do pai dele na região.

Ronaldo mostra a casa em que vivia com a família (Foto: Michelle Farias/G1) 
Ronaldo mostra objetos reunidos para a mudança na casa em que vivia com a família 
(Foto: Michelle Farias/G1)
 
 
Vizinhos desconhecem perfil violento

A reportagem também entrevistou vizinhos do suspeito. Eles disseram que Ronaldo gostava de "farra" e de sair com os amigos, mas desconhecem que ele seja uma pessoa violenta. "Conheço ele desde pequeno e nunca ouvi que ele era violento e nem soube de nada. A única coisa que sei é que ele gosta muito de farra, mas ele é tranquilo", afirma o aposentado José Cícero da Silva.
A dona de casa Sônia Freire diz que só soube do caso das agulhas pela imprensa. "Nunca ouvi falar nada sobre ele, mas ninguém conhece ninguém. O que eu sei, é que ele gosta de beber com os amigos. Mais nada", afirma.
Oliveira conta ainda que, após a divulgação do caso na imprensa, ele foi ostilizado pelos vizinhos. "Todo mundo me olhou de cara feia. Mas eles sabem que eu sou inocente, nunca fiz mal a ninguém, principalmente a uma criança", reforça.
Investigação

A Polícia Civil de Atalaia entrou no caso após uma denúncia anônima feita ao Conselho Tutelar do município de Jacaré dos Homens, no Sertão do estado. A TV Gazeta acompanhou a visita dos conselheiros tutelares à casa de uma tia da criança, com quem ela foi morar após as supostas agressões. Perguntada pelos conselheiros quem a agrediu, a menina deu detalhes da agressão.
O delegado responsável concluiu o inquérito sobre o caso e indiciou Ronaldo Apolinário de Oliveira, 25, pelas agressões à enteada. De acordo com o agente Henrique Viana, o inquérito já foi encaminhado à Justiça com o pedido de prisão do suspeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário