quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Múmias apareceram no Egito muito antes da era dos faraós, revela estudo.

Múmias apareceram no Egito muito antes da era dos faraós, revela estudo

Técnica de preservação começou mil anos antes do que se pensava.
Pesquisadores descobriram uso de resinas e linho entre 3.350 e 4.500 a.C.

 
Da France Presse
 
Conservadores egípcios limpam uma múmia
feminina datada do período faraônico (712-323 aC),
no centro de conservação do Museu do Egito nos
arredores do Cairo (Foto: Amr Nabil/AP)
Conservadores egípcios limpam uma múmia feminina datada do período faraônico (712-323 aC), no centro de conservação do Museu do Egito nos arredores de Cairo, (Foto: Amr Nabil/AP) A mais remota evidência da mumificação no Egito sugere que a prática de embalar corpos para preservá-los depois da morte começou por volta de mil anos antes do que se pensava, revelou um estudo publicado nesta quarta-feira (13).
O estudo, publicado no periódico PLOS ONE, foi o primeiro a descrever resinas e linhos usados como envoltórios funerários de 3.350 a 4.500 a.C.
Há muito tempo, historiadores acreditavam que a prática egípcia de mumificação tinha começado por volta de 2.500 a.C.
Mas, ao aplicar análises científicas modernas a coleções egípcias que já estavam em museus britânicos, eles descobriram que, já nesta época, as pessoas usavam materiais similares de preservação nas mesmas proporções das encontradas em múmias posteriores.
"Este trabalho demonstra o enorme potencial do material em coleções de museus que permite a cientistas analisar novas informações sobre o passado arqueológico", disse o co-autor do estudo, Thomas Higham, da Universidade de Oxford.
"Usando modernas ferramentas científicas, nosso trabalho ajudou a iluminar um aspecto importante da história remota do Egito antigo", prosseguiu.
Especialistas usaram cromatografia a gás, espectrometria de massa e outras técnicas de análise química para identificar materiais naturais usados para preservar cadáveres na época.
"Estas receitas consistem de uma 'base' de óleo vegetal ou de gordura animal, constituindo a parte principal dos 'bálsamos''', destacou o estudo.
Quantidades menores de resina de conífera, um extrato de plantas aromático, cera e goma vegetal ou açúcar também foram usados.
"Além disso, essas receitas continham agentes antibacterianos, usados nas mesmas proporções empregadas pelos embalsamadores egípcios quando sua habilidade estava no auge, entre 2500 e 3 mil anos depois", destacou o estudo.
Cientistas do projeto, que já dura uma década, vieram das Universidades de York, Macquarie e Oxford.
Os fragmentos de linho que eles examinaram foram originários de corpos sepultados nos mais remotos cemitérios antigos egípcios registrados em Mostagedda, na região de Badari, no alto Egito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário