domingo, 24 de agosto de 2014

Inteligência britânica identifica jihadista suspeito de decapitar jornalista.

Inteligência britânica identifica jihadista suspeito de decapitar jornalista

 

 
 
James Foley nas mãos de jihadista (Foto: Reuters) 
James Foley nas mãos de jihadista (Foto: Reuters) (EFE)


Os serviços secretos do Reino Unido identificaram o jihadista britânico suspeito de ter decapitado o jornalista americano James Foley, segundo fontes governamentais citadas neste domingo pelo jornal "The Sunday Times".
De acordo com essas fontes, o serviço de contra-espionagem britânico MI5 e o serviço de espionagem MI6 revelaram que o jihadista é conhecido por outros militantes extremistas como "Jihadi John".
O aparente assassinato de Foley, de 40 anos, e que foi sequestrado na Síria em novembro de 2012, foi divulgado em um vídeo em fóruns jihadistas pelo grupo Estado Islâmico (EI), no qual é possível ouvir o suposto executor da decapitação do jornalista falar em inglês com sotaque de Londres.

Apesar de as fontes oficiais citadas não apresentarem detalhes sobre esse homem, o jornal diz que um suspeito chave é Abdel-Majed Badel Bary, de 23 anos, que deixou sua casa no bairro de Maida Vale, no oeste da capital britânica, no ano passado.
Em declarações a esse mesmo jornal, o ministro das Relações Exteriores, Philip Hammond, afirmou que a suposta origem britânica do jihadista representa uma "absoluta traição" aos valores do país.
Hammond declarou que seu governo investe "recursos significativos" para erradicar o que chamou de "barbárie ideológica" e que, segundo ele, pode ameaçar o Reino Unido.
O chefe da diplomacia britânica concordou com outros membros do governo de Londres ao opinar que a "ameaça" procedente de Síria e Iraque pode durar toda uma geração.
"É horrível pensar que o autor deste ato atroz pode ter sido educado no Reino Unido", afirmou o chefe do 'Foreign Office'.
Desde que o governo de coalizão de conservadores e liberais-democratas chegou ao poder, em 2010, mais de 150 cidadãos foram expulsos do Reino Unido por "comportamento inaceitável". EFE

Nenhum comentário:

Postar um comentário