sábado, 2 de agosto de 2014

Caso de professora que 'chorava pedras' deve virar pesquisa inédita.

Caso de professora que 'chorava pedras' deve virar pesquisa inédita

Membranas expelidas pela moradora de Lins passaram por testes químicos.
Patologista que vive no Canadá e oftalmologista estudam o caso.

Do G1 
 
Professora expelia uma membrana branca pelos
olhos (Foto: Arquivo/TV Tem)
Professora conta que já passou por mais de 30 médicos (Foto: Reprodução/TV Tem) O estudo do caso da professora de Lins (SP) Laura Ponci, que durante 19 anos expeliu uma espécie de membrana rígida e branca dos olhos, deve se tornar uma pesquisa inédita desenvolvida pelo médico oftalmologista Raul de Paula e pelo professor Miguel Burnier, patologista que vive no Canadá.
Miguel Burnier é professor titular e Chefe do Departamento de Oftalmologia e Patologia da "McGill University Health Center & Henry C. Witelson Ocular Pathology Laboratory" , no Canadá, e Professor de Oftalmologia da Unifesp de São Paulo. "Em uma de suas vindas para o Brasil, eu apresentei o caso, que é único no mundo. Ele ficou impressionado com o que viu", afirma Raul.
Os pesquisadores fizeram testes químicos com as membranas expelidas pela paciente e descobriram que o material de dissolve na água. Agora eles estão fazendo pesquisas com as membranas congeladas e também com lágrimas. Os resultados devem ser publicados em um estudo, para servir de referência em casos semelhantes.
Há pouco mais de um ano, o G1 mostrou a história da professora, que sofria com as dores e a vermelhidão nos olhos, e profissionais da área de oftalmologia de Bauru se interessaram em estudar o caso.
Após vários exames e consultas no Hospital dos Olhos, os médicos descobriram que uma bactéria agia no canal lacrimal, causando uma infecção bastante rara. A paciente passou a ser tratada com o uso de um lubrificante e colírio a base de nitrato, que inibiram o problema. 
Segundo Raul, que acompanha a paciente, Laura já voltou à rotina normal, retornou para o trabalho e está bem de saúde. O único cuidado que ela precisa ter é continuar lubrificando os olhos para que não tenha conjuntivite.
“Tenho acompanhado o caso por telefone, a última vez que a vi faz três meses, mas ela está bem, só não pode deixar de lubrificar os olhos. Ela não expeliu mais a membrana, teve apenas um começo de formação, que foi evitado com o uso do colírio específico. Quando começa já matamos o vírus na raiz", explica. O G1 entrou em contado com a professora, mas ela não quis falar sobre a recuperação.

Professora de Lins passou por série de exames no Hospital dos Olhos  (Foto: reprodução/TV Tem) 
Oftalmologista de Bauru e patologista, que vive no Canadá, estudam o caso 
(Foto: Reprodução/TV Tem)
 

Entenda o caso

Em julho do ano passado, o G1 mostrou a história da professora, de 33 anos e que, desde os 15, sofria com o problema primeiramente no olho direito, que ficava bastante vermelho e expelia uma membrana branca e dura, como uma pedra. Em 19 anos, ela passou por mais de 30 médicos, a maioria com o mesmo diagnóstico de conjuntivite lenhosa, uma doença rara e sem tratamento comprovado no país.
Ainda em julho de 2013, Laura começou a ser tratada no Hospital dos Olhos de Bauru e os profissionais identificaram que uma bactéria agia no canal lacrimal causando a infecção bastante rara. Após vários exames, que incluíram até a coleta de hora em hora das membranas, a paciente passou a ser tratada com um colírio especial que inibiu a formação das membranas.

Membrana possui elasticidade de cartilagem (Foto: Reprodução/TV Tem)Membrana passou por testes químicos (Foto:
Reprodução/TV Tem)
 
Antes do tratamento, Laura chegou a expelir mais de 30 membranas dos olhos em um único dia e o problema vinha piorando com o passar do tempo. Por conta da doença, a professora precisou parar trabalhar e relatou em entrevista ao TEM Notícias que sofria bastante preconceito.
“Sou professora e trabalho com crianças, mas não dá para exercer minha profissão porque o olho fica inchado e quando me agacho, a membrana começa a sair. Tenho vergonha de sair de casa porque a membrana não tem hora para sair e nem para terminar”, alegou Laura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário