quinta-feira, 3 de julho de 2014

Bomba de insulina pode ser mais eficiente que injeções contra o diabetes tipo 2.

Bomba de insulina pode ser mais eficiente que injeções contra o diabetes tipo 2

Em estudo comparativo, pacientes que utilizaram o dispositivo tiveram suas taxas de açúcar no sangue mais equilibradas

remédios
Diabetes: estágios avançados de diabetes tipo 2 podem precisar de tratamento com insulina  
(Thinkstock)

 
Bombas de insulina podem ser mais eficazes no controle da glicose em pessoas com diabetes tipo 2 do que múltiplas injeções diárias de insulina. É o que diz uma pesquisa publicada na quarta-feira no periódico The Lancet.


CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Insulin pump treatment compared with multiple daily injections for treatment of type 2 diabetes (OpT2mise): a randomised open-label controlled trial

Onde foi divulgada: periódico The Lancet

Quem fez: Yves Reznik, Ohad Cohen, Ronnie Aronson, Ignacio Conget, Sarah Runzis, Javier Castaneda e Scott W Lee

Instituição: Universidade de Caen, na França, entre outros.

Resultado: Pacientes que utilizaram bombas de insulina tiveram a taxa de açúcar no sangue mais equilibrada do que aqueles que usaram infeções
 
 
O diabetes tipo 2 é normalmente controlado por remédios orais e dieta. Em estágios avançados, o paciente pode precisar da terapia com insulina para equilibrar o nível de açúcar no sangue. O método mais comum é a injeção, administrada diversas vezes ao longo do dia pelo próprio paciente. Já as bombas são aparelhos acoplados ao corpo por um cateter colocado sob a pele e que injetam quantidades constantes de insulina de ação rápida ou curta. 
Em uma primeira etapa, os pesquisadores acompanharam 495 pessoas de 30 a 75 anos que controlaram o diabetes tipo 2 com injeções diárias de insulina. Após dois meses, os 331 pacientes que tinham a hemoglobina HbA1c — indicadora do controle de açúcar no sangue — acima da meta estipulada foram aleatoriamente designados a se tratar com a bomba de insulina ou a continuar com as injeções.


Melhor equilíbrio da glicemia

Ao longo de seis meses, as pessoas que utilizavam a bomba tiveram uma redução mais significativa dos níveis de açúcar do que aqueles que usaram o outro tratamento. A meta da taxa de HbA1c foi atingida em 55% do grupo da bomba de insulina, ante 28% do grupo da injeção. Diariamente, os voluntários que usaram o dispositivo tiveram três horas a menos de hiperglicemia, que é quando o açúcar atinge níveis muito altos no sangue. Já o tempo na hipoglicemia, caracterizada pela glicemia baixa, foi semelhante nos dois grupos.
No fim do estudo, a dose diária de insulina foi 20% menor na terapia com o dispositivo do que com as injeções. "As bombas aumentam a absorção eficaz da insulina e a sensibilidade do organismo à substância, graças à constante remessa do hormônio. Nossos resultados abrem a possibilidade a uma nova opção de tratamento para os indivíduos que usam as injeções diárias", diz Yves Reznik, líder do estudo e professor da Universidade de Caen, na França.

Nenhum comentário:

Postar um comentário