quinta-feira, 10 de julho de 2014

Após matar o ex, mãe deixa filho tetraplégico.

Mulher é condenada por atirar contra filho 20 anos após matar ex-marido

Casos aconteceram nos EUA; filho ficou tetraplégico.
Americana alegou legítima defesa nos dois casos.

Da AP
 
Linda Cooney durante seu julgamento nesta quarta-feira (9) em Las Vegas, nos EUA (Foto: Las Vegas Review-Journal, Jeff Scheid/AP) 
Linda Cooney durante seu julgamento nesta quarta-feira (9) em Las Vegas, nos EUA 
(Foto: Las Vegas Review-Journal, Jeff Scheid/AP)
 
 
Uma mulher foi condenada nesta quarta-feira (9) nos Estados Unidos a até 41 anos de prisão por atirar contra seu filho adulto, deixando-o tetraplégico, durante uma briga em 2011. A condenação ocorre 20 anos após a mesma mulher ser inocentada da morte de seu ex-marido, em um julgamento no qual alegou legítima defesa.
Linda Cooney, de 66 anos, foi condenada a uma pena que pode variar de 13 a 41 anos de prisão em um julgamento em Las Vegas, no estado de Nevada. O júri a considerou culpada dos crimes de tentativa de assassinato, agressão com arma letal e intimidação de testemunhas.
Muito emocionada, ela alegou estar sendo vítima de um erro. “Eu estou aqui diante de vocês como uma mulher inocente que foi condenada de maneira errada”, disse a mulher antes de ouvir sua sentença. “Tenha piedade de mim.”
Segundo a acusação, Linda atirou em seu filho, Kevin Cooney, em 28 de junho de 2011, durante uma briga entre os dois sobre a ex-namorada do rapaz. A defesa de Linda alega que Kevin atacou sua mãe durante a discussão, e que a arma – do mesmo modelo da que foi usada pela mulher para matar seu ex-marido – disparou acidentalmente.
Após ser baleado, Kevin ficou tetraplégico. Ele testemunhou no julgamento sentado em uma cadeira de rodas elétrica.
O outro crime pelo qual a mulher foi julgada ocorreu em 1992. Na época, ela foi inocentada da morte de seu ex-marido, James Cooney, depois que o júri considerou que ela agiu em legítima defesa. Ela alegou que a vítima a havia atacado com uma faca. 
Kevin defendeu a mãe nos dois julgamentos, mesmo sendo a vítima no último. Em 1992, seu testemunho foi fundamental na absolvição de Linda, ao dizer que viu seu pai com um objeto brilhante na mão – apesar de inicialmente ele ter dito às autoridades que seu pai não segurava nada.
No julgamento que terminou nesta quarta, o americano disse que ele havia atacado sua mãe antes de ela atirar contra ele.
De acordo com a promotoria, Linda já havia tentado sabotar o relacionamento do filho antes da briga, mandando mensagens de texto para seus colegas dizendo que a namorada era maldosa. Outra ex-namorada de Kevin disse que já havia sido confrontada por Linda. As duas mulheres disseram saber que ela havia matado seu ex-marido, e por isso alegaram ter medo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário