quarta-feira, 30 de julho de 2014

Mãe confessa assassinato da filha de 6 anos em ritual.

Mãe confessa assassinato da filha de 6 anos em ritual

Dona de casa de 25 anos afirmou à polícia que a menina estava 'possuída por demônios' e a espancava como forma de 'purificá-la'

Vanessa indica à polícia onde está enterrado o corpo da filha
 
Vanessa indica à polícia onde está enterrado o corpo da filha  
(Reprodução / TV Globo/VEJA)


Uma dona de casa de 25 anos confessou em depoimento à Polícia Civil do Paraná, nesta terça-feira, ter participado do assassinato da própria filha, de 6 anos. Ela alegou que a morte foi decorrência de um ritual que incluia espancamentos frequentes contra a criança. Vanessa Aparecida Ramos do Nascimento alegou que as surras eram parte de um plano espiritual de Deus. E que a garota era possuída por demônios. O crime foi cometido com a ajuda de Giulia Albuquerque, amiga de Vanessa. As duas indicaram à polícia onde o corpo estava enterrado. A ossada da menina Maria Clara Zortea Ramalho, que estava desaparecida desde o início de março, ainda está no Instituto Médico Legal (IML) de Cascavel e deverá ser liberada somente após os resultados do exame de DNA, o que deve levar dois meses.
"Ela (Giulia) dizia que Deus tinha um plano na minha vida e que Deus ia mudar a minha história, que eu ia ter marido, prosperidade e toda essa história, só que para eu receber isso tinha um plano espiritual que eu tinha que fazer. E esse plano era corrigir os meus filhos e que se eles fizessem alguma coisa errada tinham que ser castigados. Eles tinham que apanhar", relatou Vanessa. No dia do crime, a menina, que já havia sido espancada, foi colocada ainda com vida no porta-malas do carro durante a madrugada como um processo de purificação. Pela manhã, Vanessa pediu para Giulia que a retirasse, mas ouviu da amiga que "Deus quer que ela fique um pouco mais" e que ela deveria ficar mais tempo para ser purificada.
A dupla contou à polícia que esse procedimento - de espancamento - fazia parte de um ritual para tirar um demônio teria possuído a garota. No dia seguinte (5 de março) as duas abriram o porta-malas e encontraram a menina sem vida. "Tiramos Maria Clara do carro e levamos para casa. Ela me disse para sair e deixar ela fazer respiração boca a boca. Depois de dez minutos voltei para o cômodo e vi que ela estava morta", contou, conforme depoimento divulgado pelas autoridades.
A partir dali, elas foram até uma localidade em Santa Tereza do Oeste (517 quilômetros de Curitiba), e a enterraram em uma cova com 50 centímetros de profundidade. Vanessa também é mãe de uma garota de dois anos que testemunhou todas as cenas. "No carro levamos a Emily na cadeirinha e a Maria Clara no porta-malas". Logo após o desaparecimento de Maria Clara, o pai da criança fez um boletim de ocorrência e procurou o Conselho Tutelar. O crime só foi descoberto no dia 28 deste mês.
(Com Estadão Conteúdo)

TJ decide se pai congelado por filha após morte em 2012 será enterrado.

TJ decide se pai congelado por filha após morte em 2012 será enterrado

Corpo do engenheiro da FAB está congelado há mais de 2 anos nos EUA.
Briga judicial entre herdeiras discute se pai queria ou não ser congelado.

 
Káthia Mello Do G1 
 
Engenheiro na companhia da filha mais nova, que
congelou o seu corpo (Foto: Reprodução/TV Globo)
Engenheiro na companhia da filha mais nova durante uma viagem (Foto: Reprodução/TV Globo) Está marcada para o início da tarde desta quarta-feira (30), na 7ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, mais uma etapa da briga judicial entre as três filhas de Luiz Felipe Dias de Andrade Monteiro, engenheiro da Força Aérea Brasileira (FAB), congelado após a morte, em fevereiro de 2012, pela caçula, Lígia Cristina Mello Monteiro.
Desde o início do processo, Lígia disse que atendia a uma vontade do pai, que, assim como ela, acredita na possibilidade de, no futuro, ser possível que ele volte à vida. As duas irmãs mais velhas entraram na Justiça para reverter o quadro e dizem acreditar que ele gostaria de ser enterrado.
Nesta quarta, cinco desembargadores do TJ vão julgar os embargos infringentes, recursos impetrados pela defesa de Denise e Carmem Monteiro contra a decisão de junho de 2012, que autorizou o envio do corpo do engenheiro para os Estados Unidos. Congelado com o uso da técnica conhecida como “criogenia”, que utiliza nitrogênio líquido para resfriá-lo e preservá-lo, o corpo está nos EUA há dois anos.
A advogada Renata Mansur, que representa Lígia, disse que o julgamento desta quarta deverá discutir a vontade do engenheiro em ser congelado após a morte. Ele não deixou documento por escrito explicando a decisão por desconhecimento jurídico, segundo a advogada. No entanto, explica que prevalece a prova testemunhal da filha Lígia, que viveu com ele durante 34 anos.
As outras duas filhas moram no Rio Grande do Sul e, por isso, segundo a advogada, não sabiam do desejo do pai de ser congelado. "Se não existe nada por escrito e se as irmãs mais velhas não conviviam com ele, vale o testemunho da filha que vivia ao lado do pai", disse Renata.
Para o advogado Rodrigo Marinho Crespo, que representa as irmãs mais velhas, o julgamento é decisivo. Ele disse que espera ganhar e conseguir repatriar o corpo do engenheiro para a realização do enterro no Brasil. No entanto, Crespo reconhece que a batalha judicial poderá continuar já que ainda cabem recursos em instâncias superiores.    
 

Esperança de trazer o pai de volta

Na época da divulgação do caso, o Fantástico ouviu Lígia Cristina, do segundo casamento de Luiz Felipe. Como o pai, Lígia acredita que com o avanço da ciência será possível trazê-lo de volta à vida em algumas décadas. “Já pensou ter a oportunidade de, daqui a 30 ou 40 anos, poder rever meu pai?”, indaga Lígia. “Não tem provas de que isso pode acontecer, mas é um sonho”, complementa. 


Irmãs que moram no Rio Grande do Sul querem
enterrar o corpo (Foto: Reprodução/TV Globo)
Irmãs que moram no Rio Grande do Sul  (Foto: Reprodução/TV Globo) Mas as irmãs Carmen Sílvia Monteiro Trois e Denise Nazaré Bastos Monteiro, do primeiro casamento, não concordaram com o congelamento, realizado por uma empresa da cidade de Detroit e entraram com um processo contra Lígia, exigindo o sepultamento de Luiz Felippe no jazigo da família, em um cemitério de Canoas (RS), onde vivem.
“As irmãs que moram no Sul falaram que o congelamento do pai era um absurdo”, conta Crespo.
O advogado explica que, segundo elas, "nunca o pai manifestou qualquer vontade” em ser congelado e ressalta não haver “qualquer prova, em momento algum, que esse senhor queria ser congelado nos EUA”. “As próprias irmãs declararam que, se soubessem desse desejo, fariam o congelamento. Mas elas não tinham qualquer conhecimento disso”, acrescenta.
Antes da decisão judicial permitir o envio do corpo do pai para os Estados Unidos, ele foi mantido numa funerária de São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio. Na época, Lígia disse que arcava com as despesas para mantê-lo preservado. Segundo ela, pagava R$ 500 para a funerária por dia e comprava R$ 360 de gelo seco. "Já gastei minhas economias da vida toda”, contou ela.
 

Relacionamento entre irmãs era pequeno

Lígia explica que, após a separação do pai da primeira esposa, houve um distanciamento entre ele e as filhas do primeiro casamento. Por isso, afirma que as irmãs não sabiam do desejo do pai de ser congelado. “Ele se separou da mãe delas há 34 anos e conheceu minha mãe. Logo depois eu nasci. Minha mãe faleceu de câncer quando eu tinha 7 anos, e continuei morando com meu pai”, recorda a irmã mais nova. “Com 19 anos, fui conhecer a Carmen e, mais tarde, a Denise. Nosso contato era muito pequeno, mínimo, quase zero. A gente nunca se deu bem”, acrescenta.
Entretanto, Lígia afirma que, em 2009, mandou um e-mail para as irmãs do Sul, pedindo a opinião delas sobre a possibilidade de o corpo do pai ser submetido a uma criogenia. “Reenviei esse e-mail a minhas irmãs para comprovar minha boa-fé”, conta ela. “Tenho esse e-mail guardado até hoje”, complementa.
O advogado das irmãs mais velhas comenta que elas não entendem a postura de Lígia. “A gente se pergunta: por que essa insistência?”, conta Crespo. “Eu achava que ninguém ia ser contra. Elas foram contra o congelamento por uma revanche contra mim, por briguinha boba”, acredita Lígia. “Na ação, elas ainda estão pedindo danos morais. Ou seja: ainda querem lucrar com essa história”, critica Lígia.

Pesca e turismo têm prejuízos com seca da represa de Furnas em Formiga, MG.

Pesca e turismo têm prejuízos com seca da represa de Furnas em MG

Usina tem operado apenas com 28% da capacidade.
Associação de Pescadores afirma que 1,5 mil pessoas dependem do lago.

 
Do G1 
 
A chuva dos últimos dias não foi o suficiente para recuperar a represa de Furnas, que opera com 28% da capacidade. O baixo nível tem afetado setores como agricultura, mercado de peixes e o turismo no Centro-Oeste de Minas. De acordo com a Associação de Pescadores de Furnas, somente na região de Formiga, 1,5 mil pessoas dependem da represa e estão tendo dificuldade com a seca.


represa Furnas seca (Foto: Reprodução/Tv Integração) 
Mesmo com chuvas, represa de Furnas continua abaixo do nível 
(Foto: Reprodução/Tv Integração)


Os pescadores lamentam o recesso de chuvas e a diminuição da renda. “Estou tirando, em média, dois salários, mas poderia estar tirando três ou quatro nesse período”, explicou João Batista Correia, pescador da região.
Furnas tem um lago que cobre uma superfície de 1,4 km, banhando 34 municípios na região Centro-Oeste. O reservatório está a 10 metros abaixo do nível considerado máximo e hidrelétrica tem operado com 28% da capacidade.
O agricultor Braz Donizete Gonzaga, que depende da água para irrigação da colheita, explica que as perdas no período foram grandes. “Pelo impacto da seca, paramos com o plantio de várias verduras e legumes. Tivemos muita perda e resolvemos passar para o ramo do leite”, disse.

Lazer

O lago de Furnas também é fonte de lazer, atraindo pessoas de várias regiões, mas a situação tem afastado os turistas. A queda registrada pela Associação dos Municípios do Lago de Furnas foi de 50% em comparação com outros anos. Segundo eles, a estimativa é um prejuízo de mais de R$ 30 milhões.
Hasenclever Rodrigues de Faria, gerente de um clube da região, afirma que o movimento caiu 40% no local. “Eles ligam para fazer reserva, mas querem saber como está o nível da água, principalmente as pessoas que estão a fim de fazer navegações”, explicou.
A situação também tem se refletido em hotéis próximos à região. O gerente de hotéis Mozart Santos explica que, com a perda, foi necessário fazer promoções. “As perdas foram grandes e tivemos que fazer promoções para atrair os consumidores para a região”, finalizou.

Correr dez minutos por dia já traz benefícios para a saúde.

Correr dez minutos por dia já traz benefícios para a saúde

Novo estudo indica que praticar o exercício menos de uma hora por semana protege a saúde cardíaca da mesma forma que correr por períodos mais longos

 

Corrida: Nem sempre, distância percorrida e tempo de exercício é o que importa

Corrida: Nem sempre, distância percorrida e tempo de exercício é determinante para beneficiar a saúde (Thinkstock/VEJA)


Os benefícios da corrida são bem conhecidos, como o controle do peso, a melhora do condicionamento físico e a prevenção de doenças cardíacas. No entanto, a velocidade, distância e frequência com que uma pessoa pratica o exercício nem sempre são determinantes para surtir esses efeitos positivos. O que parece fazer a diferença é manter o hábito de correr durante vários anos.
Essas são as conclusões de um novo estudo americano, que mostrou que correr por apenas dez minutos ao dia, e cinco vezes por semana, já é suficiente para reduzir o risco de morte precoce. Segundo a pesquisa, o maior benefício é observado não em quem corre maiores distâncias, mas sim entre aqueles que praticam o exercício por pelo menos seis anos.


CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Leisure-Time Running Reduces All-Cause and Cardiovascular Mortality Risk

Onde foi divulgada: periódico Journal of the American College of Cardiology

Quem fez: Duck-chul Lee, Russell Pate, Carl Lavie, Xuemei Sui, Timothy Church e outros

Instituição: Universidade do Estado de Iowa, EUA

Resultado: Correr de forma constante, mesmo menos do que 50 minutos por semana e uma distância menor do que 9 quilômetros, ajuda a reduzir o risco de mortalidade.
O estudo, feito na Universidade do Estado de Iowa, será publicado na edição de agosto do periódico Journal of the American College of Cardiology. Os pesquisadores acompanharam cerca de 55.000 adultos durante quinze anos.


Proteção

Ao longo desse tempo, 3.413 participantes morreram, sendo que 1.217 das mortes ocorreram por doença cardíaca. Segundo os resultados, as pessoas que praticavam corrida, em comparação com as que não faziam o exercício, tiveram um risco 30% menor de morrer por qualquer causa ao longo da pesquisa e 45% menor de morrer por alguma doença cardíaca. Além disso, elas viveram, em média, três anos a mais do que as outras.
O estudo indicou que os benefícios da corrida sobre o risco de mortalidade foram observados mesmo em pessoas que corriam, na semana, uma distância de até 9 quilômetros, menos de 50 minutos e em uma velocidade menor do que 9 quilômetros por hora. 
Segundo os autores, pessoas que correm até uma hora por semana, por exemplo, parecem ter benefícios semelhantes mesmo em comparação com aquelas que correm mais do que três horas semanais. "Aparentemente, após correr uma determinada distância e por um certo período de tempo, os benefícios se mantêm os mesmos. Não sabemos ao certo o motivo pelo qual isso acontece", disse à rede americana CNN Warren Levy, médica chefe do instituto de cardiologia Virginia Heart, nos Estados Unidos. 


Estabilidade 

Segundo a pesquisa, os participantes que mantiveram a prática de corrida por pelo menos seis anos apresentaram maior proteção contra morte por problemas cardiovasculares. Eles tiveram um risco 50% menor de morrer por doenças cardíacas ou acidente vascular cerebral (AVC) em comparação com quem não corria.
"A maioria das pessoas diz que não tem tempo de se exercitar, mas mostramos que correr dez minutos por dia já proporciona efeitos positivos", afirma Duck-chul Lee, professor da Universidade do Estado de Iowa e coordenador do estudo.

Aplicativo do Facebook vai perder recurso de bate-papo.

Aplicativo do Facebook vai perder recurso de bate-papo

Usuários que acessam a rede por meio de smartphones e tablets terão que usar obrigatoriamente o Messenger, app dedicado às mensagens instantâneas

 
Rafael Sbarai 
 
 
Ícone do Whatsapp sobre uma tela com o ícone do Facebook

Dois encontros em onze dias decretaram o bilionário negócio entre Facebook e WhatsApp
Dado Ruvic/Reuters/VEJA

A rede social Facebook vai remover nos próximos dias o recurso de bate-papo de seu aplicativo para smartphones com sistemas operacionais iOS (Apple) e Android (Google). A estratégia já começou a ser testada entre usuários que acessam o serviço na Europa e deve chegar aos mais de um bilhão de cadastrados nas próximas semanas: uma notificação já é exibida às pessoas que ainda não aderiram ao app de mensagens instantâneas — inclusive usuários brasileiros.

O aplicativo oficial da rede vai manter o ícone de mensagens, mas, ao clicar nele, o usuário será direcionado a outro app: o Facebook Messenger, recurso lançado pela companhia em 2011 especialmente para troca de mensagens instantâneas — por ora, a companhia americana exibe um comunicado a uma parcela de usuários notificando a mudança e recomenda o download do aplicativo, conforme mostra a imagem abaixo. Em contato com a reportagem de VEJA.com, o Facebook afirmou que o usuário terá sete dias para se adequar à exigência a partir da data de recebimento do aviso.


Aplicativo do Facebook vai perder função de bate-papo

Segundo a empresa, a medida tem como objetivo deixar o aplicativo principal mais rápido e não se aplica a dispositivos móveis com sistema operacional Android de baixo custo e Windows Phone. Pessoas que acessam a rede social por meio de desktops não serão afetadas com a mudança.

Nos últimos meses, o Facebook tem criado uma série de estratégias agressivas para o universo móvel, para onde migram milhões e milhões de usuários. Na última quarta, a companhia informou que mais de 1 bilhão de pessoas se conectam ao serviço por meio de smartphones e tablets. Em fevereiro, a rede adquiriu o serviço de mensagens instantâneas WhatsApp por 19 bilhões de dólares.

Trio suspeito de assaltos é detido em Carmópolis de Minas, MG.

Trio suspeito de assaltos é detido em Carmópolis de Minas

Aparelhos celulares, drogas e dinheiro foram apreendidos.
Operação das polícias Civil e Militar ocorreu nesta terça-feira (29).

 
Do G1 
 
Operação foi feita pelas polícias Civil e Militar
(Foto: Polícia Militar/Divulgação)
Trio suspeito de assaltos ao comércio é preso em Carmópolis de Minas (Foto: Divulgação/Polícia Militar) Três suspeitos de envolvimento com uma quadrilha especializada em roubos a estabelecimentos comerciais foram detidos nesta terça-feira (29), durante a operação “Cidade Limpa”, desencadeada pelas polícias Civil e Militar de Carmópolis de Minas.
A ação contou com 14 policiais militares, seis civis e nove viaturas policiais, que cumpriram três mandados de prisão preventiva e quatro de busca e apreensão. Segundo as informações da polícia, o grupo é suspeito de praticar assaltos a estabelecimentos comerciais, em uma residência na cidade de Passa Tempo neste mês, posto de combustíveis às margens BR-381 e outro em uma loja no Distrito de Bom Jardim das Pedras, no mês de maio. 
Todas as abordagens foram feitas em residências do Bairro Aparecida. Durante as buscas em uma delas, dois suspeitos foram detidos e apreendidos aparelhos celulares, chips e pequena quantidade de droga.  Na segunda casa, um homem foi preso em flagrante com pedras de crack, maconha, vários relógios e pulseiras, som automotivo e R$ 179 em dinheiro.
Na terceira e última residência foi cumprido um mandado de busca e apreensão, sendo encontrada a quantia em dinheiro de R$ 3.130 e uma folha de cheque no valor de R$ 600. O trio foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil de Passa Tempo, onde foi registrada a ocorrência.

Mãe que matou e escondeu filho no sofá não demonstra remorso.

'Frieza dela chamou a atenção', diz delegado sobre mãe que matou filho e escondeu corpo no sofá

Davi Batista, da 9ª Delegacia de Homicídios de Ibirité, diz que acusada só demonstrou nervosismo ao perceber que poderia ser presa durante depoimento

 
Mariana Zylberkan
 
Menino Keven Gomes Sobral, de 2 anos, foi encontrado morto dentro de sofá em MG
 
Menino Keven Gomes Sobral, de 2 anos, foi encontrado morto dentro de sofá em MG 
  (Uarlen Valério/Estadão Conteúdo/VEJA) 
  
Foi a frieza com que a dona de casa Marília Cristiane Gomes, de 19 anos, relatou os momentos que antecederam a morte do próprio filho que levou o delegado da 9ª Delegacia de Homicídios de Ibirité (MG), Davi Batista, a desconfiar de sua participação no crime. Ela foi presa na segunda-feira após confessar ter matado o filho Keven Gomes Sobral, de 2 anos, e ocultado seu corpo dentro de um sofá na casa dos tios do menino, localizada no mesmo terreno onde morava. Marília foi indiciada por homicídio e ocultação de cadáver e está presa no Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, em Belo Horizonte.

Uarlen Valério
Estadão Conteúdo
Keven estava desaparecido
O delegado afirma que, durante o depoimento, a mãe só demonstrou nervosismo ao cair em contradição. E que em momento nenhum demonstrou remorso por ter matado a criança. "A frieza chamou a atenção porque a reação esperada de uma mãe é chorar bastante a morte de um filho, ainda mais sendo pequeno. Após a confissão, ela demonstrou muito medo de ser presa e de ser linchada pelos vizinhos", disse o delegado. 
Cláudio Ribeiro Sobral, de 31 anos, marido de Marília, também relatou a frieza da mulher diante do desaparecimento do filho, comunicado por ela à polícia na quinta-feira passada. Em depoimento, Sobral disse que a mulher preferiu navegar no Facebook enquanto ele tentava encontrar a criança desesperadamente. 
O corpo do menino Keven foi escondido na estrutura do sofá que ficava na casa do cunhado de Marília. Segundo a polícia, a causa da morte, ainda não confirmada, pode ser traumatismo craniano, já que a mãe relatou que Keven bateu a cabeça na parede depois de ter apanhado.
O crime começou a ser desvendado porque os tios do menino sentiram mau cheiro na casa e perceberam que o sofá tinha sido revirado.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Os alertas que denunciam doenças na área intima feminina.



Menstruação e corrimento anormais denunciam doenças na área íntima feminina

Conheça os sinais de alerta para recorrer a um ginecologista



Por Carolina Serpejante

Entender como funciona o nosso corpo é importante não só para o autoconhecimento - se familiarizar com as formas e manifestações fisiológicas ajuda também a identificar quando algo não está correto em nosso organismo. Essa investigação anatômica pode ser muito difícil para mulher, seja pela dificuldade de se enxergar um órgão que é interno, pelo tabu que acerca a vagina ou pelo nojo que a mulher pode ter de secreções, menstruação e outras coisas que são absolutamente naturais. Ao buscar informações e entender sobre a própria região íntima, a mulher consegue não só se aceitar melhor, como também diagnosticar precocemente uma série de doenças. Veja quais: 

 
absorventes - Foto: Getty Images

 

Aparência da menstruação 

 

Segundo o ginecologista Cláudio Bonduki, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), cada mulher tem um padrão menstrual, que inclui: variação de intervalo entre um sangramento e outro, intensidade e duração do fluxo. O alarme só apita quando algum fator destoa do padrão que acompanha a mulher desde as primeiras menstruações. Quando uma destas características sai do normal, pode ser sinal de alguma alteração hormonal, orgânica ou, até mesmo, funcional. "Quando as mudanças são notadas em apenas um ciclo não diz muita coisa, pode ser natural", explica. "O problema começa quando essa mudança na menstruação se mantém com o passar dos ciclos."

Um fluxo que passa a ser muito intenso ou com maior duração, por exemplo, pode ser indício da presença de um mioma - tumor benigno do tecido que forma a parede do útero. Além disso, o sangue da menstruação deve ser um sangue limpo, ou sangue novo - e ele é muito parecido com o sangue de todo o resto do nosso corpo, como quando cortamos a pele. Ele deve ter um tom vermelho intenso que é uniforme durante todo o ciclo e não apresenta odores. Alterações na coloração da menstruação - como quando ela fica amarronzada ou quase preta - podem estar relacionadas a mudanças importantes no corpo. Segundo os especialistas, essa alteração na cor pode ser um sinal de endometriose, feridas na vagina, útero ou colo do útero, HPV e outras DSTs, cisto de ovário, alterações hormonais por medicamentos, estresse e até mesmo mudança da pílula anticoncepcional. Entretanto, como afirma Cláudio, as mudanças no ciclo decorrentes de problemas como estresse ou pílula tendem a normalizar com o tempo.

Há também aquele sangue coagulado, que aparece em pelotas. Esse sangue também não é dos mais saudáveis, uma vez que o líquido sempre contém anticoagulantes. Isso pode acontecer com mulheres que tem o ciclo muito intenso, e por isso o sangue se acumula no endométrio antes de ser expelido - para esses casos, é comum a mulher menstruar coagulado nos dias de fluxo mais intenso, tendendo a normalizar. Para mulheres que tem o sangue coagulado durante toda a menstruação, há um alerta: pode ser que você esteja expelindo mais sangue do que o normal, configurando também um problema a ser discutido com seu ginecologista.

Quanto ao odor, a menstruação deve apresentar cheiro de sangue normal, um pouco mais intenso do que seria se você cortasse o dedo - já que a quantidade de sangue tende a ser maior. "Menstruação com odor muito forte e desagradável pode ser um sinal de vaginose bacteriana, que é uma infecção por bactérias", explica o ginecologista. Menstruações abundantes também podem exalar cheiro forte uma vez que o sangue pode ser degradado por bactérias na própria vagina ou no absorvente - e fluxos intensos, que duram mais de seis dias, também devem ser visto como um alerta para algo errado.

 

 calcinha no varal - Foto: Getty Images

 

Corrimento com cor ou odor


Toda mulher apresenta secreção vaginal - o que muda é a intensidade desse fluxo, que varia de pessoa para pessoa e de acordo com a fase da vida da mulher. "Mulheres que passaram da menopausa e meninas antes da primeira menstruação tendem a ter menor fluxo de corrimento por conta dos menores níveis do hormônio estrogênio no organismo", afirma a ginecologista Arícia Helena Galvão Giribela, da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP). Durante a gestação, perto da ovulação, uma semana antes do período menstrual ou ainda com o uso de pílulas anticoncepcionais, excitação sexual, adesivos ou anel vagina, a tendência é que a secreção se torne mais perceptível. Além disso, toda a secreção vaginal tem um cheiro característico e individual. "O que diferencia uma secreção normal de uma problemática é o fato de ela incomodar ou não a mulher, seja pelo odor, por coceiras ou outros sintomas", explica. Mesmo que não seja agradável, seu odor não pode gerar desconforto. Quanto ao tom da secreção saudável, saiba eu ele pode mudar durante o ciclo menstrual. Na maior parte do tempo ela é transparente ou ligeiramente esbranquiçada, mas, no meio do ciclo menstrual, costuma ter aspecto de clara de ovo. Também é possível que ela apareça ligeiramente amarelada na calcinha por conta de reações químicas que a secreção sofre quando entra em contato com o ambiente externo.

O corrimento vaginal que não é saudável provoca uma espécie de mancha branco-acinzentada ou amarelo-esverdeada na calcinha e, além do cheiro forte, do ardor e da coceira, pode estar associado a uma dor na região pélvica. E as causas dessa inflamação podem ser diversas. "Muitas vezes o corrimento aparece por conta de uma reação alérgica a algum produto usado no banho ou para lavar a roupa íntima, mas também pode ser sintoma de infecções provocadas por bactérias, fungos ou até mesmo vírus", afirma Arícia. Uma das doenças mais comuns associadas ao corrimento vaginal é a candidíase. Para evitar o corrimento acarretado por irritações ou infecções, prefira calcinhas de algodão a tecidos sintéticos, permitindo a entrada de ar que é tão necessária para a saúde vaginal. "Dormir sem calcinha também permite que a região íntima 'respire', evitando a umidade e, consequentemente, a proliferação de fungos e bactérias", explica a especialista. Optar por sabonete líquido apropriado para higiene íntima, com pH abaixo de 6, é outra maneira de ajudar bastante.  

 

mulher abrindo a calça jeans - Foto: Getty Images

 

 

Coceira vaginal


A coceira vaginal nunca é normal. Segundo os especialistas, esse sintoma pode indicar desde uma alergia até DSTs. "Processos irritativos por algum produto externo, parasitoses, infecção por HPV, candidíase, alergias e doenças como psoríase, dermatites e até câncer tem como sintoma comum a coceira vaginal", explica o ginecologista Fabio Laginha, responsável pela Clínica da Mulher do Hospital 9 de Julho, em São Paulo. Sintomas relacionados à coceira, como secreção de coloração e odor estranho, dor ao urinar, vermelhidão, inchaço e dor no ato sexual indicam que o problema é mais grave do que uma simples irritação e merece a atenção de um especialista. Já para o caso de alergia na pele, a solução pode ser encontrada mudando hábitos, como lavar as mãos antes e depois de ir ao banheiro e manter a higiene da área íntima adequada, usar calcinhas de algodão, evitar absorvente diários e utilizar um sabonete com pH neutro.
mulher no ginecologista - Foto: Getty Images

 

Feridas ou verrugas


Lesões na área externa ou interna da vagina podem indicar uma série de problemas, conforme a extensão da ferida, profundidade, local e possível causa. Elas podem ser dolorosas, coçar, produzir corrimento ou não provocar nenhum sintoma - e em todos os casos é motivo para preocupação. Isso porque essas aparições estão frequentemente associadas a DSTs, como herpes genital, sífilis e granuloma inguinal. Já a presença de pequenas verrugas na região íntima é um sinal de alerta ainda maior. As verrugas podem aparecer na forma de manchas brancas, vermelhas ou marrons na vulva e podem provocar coceira. O problema que está mais comumente associado às verrugas genitais é o HPV, que pode evoluir para um câncer de colo de útero. Dessa forma, é importante prestar atenção na sua vagina e notificar a um especialista a presença de qualquer alteração.
mulher com cara de vergonha - Foto: Getty Images

 

Flatulência vaginal


Normal durante a relação sexual, a flatulência vaginal acontece quando o ar que eventualmente entrou na vagina é expelido - e o som emitido é o mesmo de uma flatulência regular. "Durante a penetração pode sobrar espaço entre a parede e o pênis, fazendo com que o ar entre na cavidade, e durante as microcontrações que acontecem na musculatura durante o ato ele é expulso, causando ruídos", explica a ginecologista Flávia Fairbanks, da Associação de Ginecologista e Obstetrícia do Estado de São Paulo (SOGESP). No entanto, a flatulência vaginal também pode acontecer como consequência da flacidez vaginal - e nesses casos, a flatulência pode acontecer até mesmo no dia a dia, enquanto a mulher caminha ou senta, por exemplo. Isso é um sinal de que a musculatura da vagina precisa ser exercitada. "Atividades de fortalecimento do períneo são indicados para todas as mulheres, mas principalmente em idade avançada e após um parto via vaginal", explica Flávia.
mulher no banheiro - Foto: Getty Images

 

Urgência para urinar acompanhada de dor


Cerca de 50% das mulheres adultas já sofreram esses sintomas. Ardência e dor na hora de urinar, combinado com uma urgência frequente para ir ao banheiro, são sinais clássicos de infecção urinária. A infecção urinária acontece quando bactérias entram pela uretra e chegam até a bexiga, se instalando lá. Embora não seja uma doença exclusivamente feminina, afeta muito mais esse público. "Isso acontece por razões anatômicas, já que a uretra feminina é mais curta que a do homem, facilitando a ascensão de bactérias até a bexiga", explica a ginecologista Maria Rita de Souza Mesquita, diretora da Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo. A infecção urinária pode ser prevenida adotando hábitos que evitem o contato da vagina com corpos estranhos ao órgão. Entre os cuidados estão usar camisinha, não adiar a ida ao banheiro, urinar após a relação sexual, beber muita água e fazer a limpeza da vagina corretamente após usar o banheiro - de frente para trás.
casal brigando na cama - Foto: Getty Images

 

Durante o sexo


Por ser um órgão interno, a vagina está mais suscetível a infecções e doenças que não são perceptíveis em um primeiro momento - mas podem, durante o sexo, dar sinais de problema. A dor é um dos problemas vaginais mais recorrentes relacionados ao ato sexual. Também chamada de dispareunia, a dor sentida durante o sexo pode ter um fundo físico e químico ou psicológico - e, para todos os efeitos, não é algo normal na relação. "Entre as causas orgânicas podemos destacar infecções tanto dentro quanto fora do útero, bem como mioma ou endometriose", explica o ginecologista Fábio Rosito, do laboratório Salomão Zoppi Diagnósticos. Sangramentos durante o ato sexual, quando não estão relacionados à menstruação, podem denunciar fissuras decorrentes do atrito do pênis com a vagina ou então feridas mais profundas. Infecções bacterianas também podem provocar a inflamação no colo do útero. "A endometriose e o câncer estão entre as causas mais graves de sangramento, por isso é essencial não esperar muito tempo para procurar o ginecologista", reforça Fabio. Outros distúrbios recorrentes são a falta ou o excesso de lubrificação vaginal - só que nesses casos não existe uma cura definitiva, e a mulher deve procurar soluções individuais com o ginecologista.

McDonald's suspende venda de hambúrgueres em Pequim e Xangai.

McDonald's suspende venda de hambúrgueres em Pequim e Xangai

Decisão foi tomada após escândalo do fornecimento de carne estragada.
Lanchonetes passaram a oferecer apenas sanduíches à base de peixe.

 
Da France Presse
 
Vendas foram suspensas em Hong Kong
(Foto: AFP)
Vendas foram suspensas em Hong Kong (Foto: AFP) Alguns restaurantes da rede McDonald's de Pequim e Xangai suspenderam a venda de hambúrgueres e passaram a oferecer apenas sanduíches à base de peixe após o escândalo do fornecimento de carne estragada que atingiu a rede de fast food americana.
As autoridades chinesas fecharam na semana passada a fábrica Husi Food, filial chinesa da produtora de alimentos americana OSI, suspeita de vender carne estragada a grandes empresas de fast food, incluindo McDonald's, KFC e Pizza Hut (grupo Yum).
Um operador da linha direta do McDonald's na China, entrevistado nesta segunda-feira (28), indicou que os alimentos com carne ou frango não estão disponíveis para venda em restaurantes na região de Xangai.
"Nós paramos de vender todos os alimentos que continham elementos da Husni, tratam-se principalmente de carne e frango", disse ele.
Frente a este escândalo, McDonald's informou que passará a comprar de uma outra filial local de seu provedor na China, a Husi Henan.
Enquanto isso, OSI anunciou neste fim de semana que retirará do mercado todos os produtos feitos pela sua fábrica de Xangai.
O escândalo chegou ao Japão, onde McDonald's confirmou que 20% de seus nuggets eram provenientes da fábrica de Xangai.

Campanha contra a Aids causa polêmica na Suíça.

Novos cartazes de prevenção contra Aids da Suíça provocam polêmica

Órgão federal convocou pessoas comuns para posarem para campanha.
Cartazes mostram casais protagonizando cenas sensuais.

 
Do G1
 
Cartaz de campanha de prevenção contra a Aids lançada na Suíça provocou polêmica (Foto:  AFP Photo/Swiss Federal Office of Public Health) 
Cartaz de campanha de prevenção contra a Aids lançada na Suíça provocou polêmica 
(Foto: AFP Photo/Swiss Federal Office of Public Health)


O Escritório Federal de Saúde Pública da Suíça lançou, nesta segunda-feira (28), uma nova campanha de prevenção contra Aids que provocou reações de escândalo no país, de acordo com a agência France Presse. As reações foram em relação a cartazes que mostram casais em posições explícitas.
A campanha "Love Life - Sem arrependimentos" anunciou, em maio, uma chamada para pessoas comuns que quisessem posar para a fotógrafa Diana Scheunemann. Houve 300 candidatos. Foram selecionados cinco casais com idades entre 20 e 52 anos, que estrelaram a campanha. Veja outros cartazes.
Segundo a imprensa local, alguns setores da sociedade criticaram a campanha, caracterizando-a como "pornográfica" e demostraram preocupação sobre a exposição dos cartazes a crianças.
O objetivo da ação, de acordo com o Escritório Federal de Saúde Pública da Suíça, foi criar uma campanha participativa para incentivar a população a adotar uma vida sexual prazerosa e responsável.

Idosa é agarrada pelo pescoço e abusada sexualmente em Arcos, MG.

Idosa é agarrada pelo pescoço e abusada sexualmente em Arcos

PM foi acionada quando vítima deu entrada no Pronto Socorro Municipal.
Ninguém foi preso até o momento; crime foi na Avenida Magalhães Pinto.

 
Do G1 Centro-Oeste de Minas

Uma idosa de 66 anos foi estuprada neste domingo (27) em Arcos. A informação é da Polícia Militar (PM) que foi acionada quando a vítima deu entrada no Pronto Socorro Municipal. Segundo a PM, ela caminhava pela Avenida Magalhães Pinto quando foi agarrada pelo pescoço por um homem não identificado.
A vítima disse que ele mandou ela ficar calada e a levou até um barraco que fica nos fundos de um prédio em construção. O suspeito trancou a porta e violentou a vítima à força causando ferimentos na vagina e no ânus.
A polícia foi até o local do crime e constatou vestígios de sangue. Em seguida, eles foram até o terminal rodoviário após informações de que um homem com as mesmas estavam no local. Ninguém foi preso até o momento.

Corpo de um homem é desenterrado e furtado de cemitério.

Corpo de indigente é desenterrado e furtado de cemitério no interior do PI

Polícia Civil está investigando o caso que aconteceu na cidade de Corrente.
Para administrador do cemitério fato é um mistério.

 
Do G1

 
O furto de um cadáver de dentro de uma sepultura do Cemitério Municipal da cidade de Corrente, no Sul do Piauí, causou espanto até mesmo para a polícia. Segundo o delegado João Rodrigo, o caso foi registrado nesta segunda-feira (27) na Delegacia Regional e as informações sobre o crime ainda estão sendo levantadas.

Cova onde estava corpo de idoso, agora está apenas com o caixão no Cemitério de Corrente (Foto: Adson Jordão / Correnteenoticia) 
Cova onde estava corpo de idoso agora está apenas com o caixão 
(Foto: Adson Jordão / Correnteenoticia)


Para o delegado, o fato é inédito em sua carreira e bastante curioso. “Esse não é um crime comum, já estivemos no local e fizemos os primeiros levantamentos. Lá encontramos a cova aberta e apenas o caixão sem nenhum corpo dentro”, disse João Rodrigo.
Sobre o que poderia ter motivado o roubo, o delegado afirma que ainda não é possível tirar conclusões sobre o caso. “O que sabemos é que se tratava de uma pessoa que foi enterrada como indigente e que nenhum familiar tinha reclamado o corpo. Não podemos, ainda, informar sobre o que pode ter acontecido, para não atrapalhar as investigações”, destacou.
Administrador do cemitério há vários anos, Raimundo Lustosa, conta que isso nunca tinha acontecido na cidade. “É muito estranha esta situação. Simplesmente, durante uma vistoria de rotina que realizamos, reparei que uma cova estava aberta e para minha surpresa o caixão estava aberto e sem o corpo dentro”, conta Raimundo.
De acordo com o Raimundo, o local da cova foi destinado para o sepultamento de um idoso, sem identificação que havia morrido por causas naturais na cidade de Corrente no dia 29 de junho deste ano, mas há menos de um mês depois, desapareceu. “Depois de recebemos o atestado médico e a autorização para enterrá-lo como indigente, abrimos a cova e o enterramos dentro do caixão”, explica Raimundo.
Durante uma vistoria de rotina que realizamos, reparei que uma cova estava aberta e para minha surpresa o caixão estava aberto e sem o corpo dentro"
Raimundo Lustosa
Ainda de acordo com o administrador, dias após o sepultamento, pessoas que conheciam o idoso levaram um documento de identidade até o cemitério. “Recebi o documento e realmente era do falecido, identificado como Irineu Alves da Silva, de 69 anos, natural do estado do Goiás. Por isso, anexamos o RG ao documento de sepultamento, mas nunca, nenhum familiar veio reclamar o corpo”, afirma.
Sobre o idoso, Raimundo contou que chegou a ir atrás de pessoas que conheciam a vitima, mas ninguém sabia informar sobre a família dele. “Descobri que ele vivia em uma garagem aqui na região há muitos anos e que trabalhava consertando máquinas, mas nos últimos anos tinha se entregado a bebida, contraído doenças e morrido”, informou Raimundo.
Depois de presenciar a sepultura aberta, ele contou que acionou imediatamente a polícia. “Os policiais vieram, fizeram uma varredura no local em buscas de provas, depois disso, disseram que eu poderia fechar novamente com a areia o túmulo que ficou só com o caixão”, disse Raimundo.
Para o administrador, a motivação para o roubo do corpo é um grande mistério, mas ele espera que a polícia solucione o caso. “Não temos nenhum suspeito e ninguém viu nada anormal no local. É realmente muito intrigante esta situação, podem ter pegado o corpo para algum ritual de magia negra ou até mesmo esconder alguma coisa, como um crime. O que espero é que as autoridades policiais chegam a uma conclusão e prendam a pessoa que fez isso, para que nunca mais se repita”, destacou Raimundo Lustosa.

Ronaldinho Gaúcho rescinde com o Atlético-MG.

Adeus, Ronaldinho: após dois anos e dois meses, craque está fora do Galo

Saída amigável é definida em reunião entre a diretoria do Atlético-MG e Assis, irmão do jogador. Passagem fica marcada pelo título mais importante da história do clube


Por
Belo Horizonte
Ronaldinho levou o Atlético-MG ao título mais importante da história: a Libertadores (Foto: AP)
Ronaldinho Atlético-MG festa título Libertadores (Foto: AP)Vinte e oito de julho de 2014. Será sempre a data lembrada pelo torcedor do Atlético-MG como aquela em que Ronaldinho Gaúcho, um dos maiores ídolos da história do clube, encerrou seu ciclo vitorioso no alvinegro. Após uma reunião entre a diretoria e o irmão e empresário do jogador, Roberto Assis, na manhã desta segunda-feira, ficou definida a rescisão amigável do contrato, que deveria durar até o fim da temporada. O desejo partiu do próprio meia, que concederá entrevista coletiva na próxima quarta-feira, quando anunciará o seu futuro. Pendurar as chuteiras está fora de cogitação, segundo Assis.
- Ele joga até os 42. O futuro vamos revelar para vocês na quarta-feira - brincou o empresário, em conversa rápida nesta segunda.

Participando do programa Arena Sportv, o técnico Levir Culpi foi perguntado se contava com R10 para o restante da temporada e mostrou que já sabia do futuro do meia.
- Não. Não conto mais com Ronaldinho. A notícia que eu recebi é que ele já teria assinado a rescisão de contrato. Esta é a noticia oficial que eu recebi. Então terminou o ciclo do Ronaldinho conosco, infelizmente. Porque ele é um ídolo de todos nós. Todo mundo gosta do seu futebol, da maneira como ele joga, ele é muito carismático. Mas é assim que funciona, ele está saindo e a gente vai seguir sem ele - afirmou Levir.
O último jogo de Ronaldinho Gaúcho foi diante do Lanús-ARG, pelo segundo jogo da Recopa Sul-Americana, quando o Atlético-MG conquistou o título inédito da competição. Depois, foi liberado para participar do jogo de despedida do meia luso-brasileiro Deco, em Portugal, que ocorreu na última quinta-feira. O meia disse ter perdido o voo e permaneceu no Brasil. Por causa da viagem, R10 havia sido liberado do jogo do Atlético-MG contra o Sport e dos treinos até a próxima terça-feira.

Ronaldinho Gaúcho filma a festa do Galo no gramado (Foto: Léo Simonini) 
Último título foi a Recopa, quando o meia teria se despedido de companheiros e comissão técnica (Foto: Léo Simonini)

Porém, por não ter viajado, a diretoria atleticana e o técnico Levir Culpi esperavam que o jogador voltasse aos treinos na sexta-feira, o que não aconteceu. A situação estremeceu a relação, que já não estava boa por causa do baixo rendimento do meia com a camisa alvinegra em 2014.
Mas a situação não deverá manchar a imagem deixada por Ronaldinho diante da torcida atleticana. Em 88 jogos, com 28 gols, ele contribuiu para que o Atlético-MG elevasse seu status no cenário internacional, conquistando a Libertadores de 2013 e a Recopa Sul-Americana nesta temporada, títulos inéditos na história do clube. Além disso, o jogador conquistou o Campeonato Mineiro do ano passado e foi vice-campeão Brasileiro em 2012.
O certo é que Ronaldinho deixará saudades na torcida atleticana, que depositou as esperanças no jogador de dias melhores pelo clube e teve como recompensa títulos, gols e momentos felizes durante os dois anos, um mês e 24 dias que o atleta permaneceu no Galo.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Prostituta formada em letras conta vida em livro.

Formada em letras conta em livro sua história de prostituição; leia trechos

'O prazer é todo nosso', de Lola Benvenutti, sai no dia 11 de agosto.
Prévia exclusiva ao G1 fala de 'cura gay' e casal de meia idade em crise.

 
Do G1
 
Lola Benvenutti mantém blog com histórias de seus clientes em São Carlos, SP (Foto: Felipe Turioni/G1)Lola Benvenutti, que lança livro 'O prazer é todo
nosso' (Foto: Felipe Turioni/G1)
 
Literatura e sexo foram as atividades principais de Gabriela Natalia Silva, 22 anos, durante a graduação em letras. Ela se dividia entre o curso na Universidade Federal de São Carlos (SP), e a atividade de garota de programa. Ao se formar, começou a escrever na web sobre a experiência de prostituição, com o pseudônimo Lola Benvenutti. É assim que ela assina o livro em que volta a unir as duas atividades. "O prazer é todo nosso" (Editora MosArte) sai no dia 11 de agosto.
Em entrevista ao G1, Lola defendeu a escolha pela prostituição. "Tem uma categoria nos sites de acompanhantes de universitárias e fazem isso porque fazem faculdade particular e precisam pagar, mas eu nunca precisei disso, sou inteligente, fiz faculdade, optei por isso, qual o problema?". Ela rejeitou comparação com Bruna Surfistinha, que narrou a experiência em blog e livro. “Ela teve uma vida diferente da minha, com outras oportunidades."
No novo livro, a jovem nascida em Pirassununga (SP) conta sobre "momentos marcantes de sua vida como garota de programa, incluindo suas experiências com a alta sociedade", ela diz ao G1. A pré-venda começa no dia 30 de julho, no site da editora.

Leia abaixo trechos exclusivos de "O prazer é todo nosso":
'O prazer é todo nosso', livro de Lola Benvenutti
(Foto: Divulgação)
'O prazer é todo nosso', livro de Lola Benvenutti (Foto: Divulgação)'Nossa essência não tem 'cura'' 

"Em função de minha profissão, dia a dia sou colocada diante de questões que me fazem pensar cada vez mais sobre as barreiras fortíssimas de nossa sociedade em relação à sexualidade e, sobretudo, em relação à liberdade sexual dos indivíduos.
Embora eu não seja formada em psicologia, o fato é que muitas pessoas me procuram crendo que eu posso ajudá-las. Um desses casos aconteceu com Juno. Ele me ligou tímido, a voz triste quase não saía e eu mal podia escutar o que ele me dizia. Explicou-me que era gay, como se isso devesse ser justificado de alguma maneira, e logo demonstrou que não se conformava com isso. Em linhas gerais, ele queria sair comigo para ver se gostava de mulheres, queria sair com uma puta para tentar provar que era “macho”.

Sua súplica fez com que eu me compadecesse e cedi ao seu pedido. Foi um dos atendimentos em que fiquei mais tensa, pois eu queria realmente ajudá-lo, mas não acredito que se possa exorcizar o lado gay de uma pessoa, justamente porque esse dado não é uma doença, embora “psicólogos” sem ética vendam “curas” por aí, principalmente nas portas das igrejas

O que eu queria era que Juno percebesse que viveria em conflito até que conseguisse enfrentar seus medos, seus anseios e seus desejos. [...] Conversamos muito e percebi que se ele não entendesse e aceitasse sua orientação sexual, em um esforço de se enganar, ele seria muito infeliz.
Como não podia deixar de ser, embora haja exceções, Juno vinha de uma família ultraconservadora: o pai era um médico tradicional e a mãe uma dona de casa voltada exclusivamente às vontades do marido. O pai exaltou seu primeiro filho homem e determinou que o criariam para que fosse um macho capaz de “comer” uma menina por dia. Para isso não faltavam rituais: o doutor o levava a puteiros constantemente e, quando Juno finalmente ia para o quarto com uma garota, ficava tão inquieto e sem jeito que as garotas, entendendo sua situação, simplesmente se deixavam ficar no quarto, apenas esperando a hora combinada terminar.
O jeito como ele falava sobre as garotas evidenciava certa aversão em relação ao ambiente e ao próprio corpo feminino. Era um bloqueio e eu percebi isso quando tentei me insinuar algumas vezes. Juno fingia não me ver diante dele. Seu olhar fugia de mim, direcionando-se para o teto, os móveis, o quadro na parede... [...] Cada vez que ele se dava conta de que estava “fugindo” de mim, seus olhos começavam a lacrimejar [...] Então bolei uma estratégia [...]"
 
Lola Benvenutti se formou no curso de letras em São
Carlos, SP (Foto: Felipe Turioni/G1)
Gabriela Natália da Silva, ou Lola Benvenutti, se formou no curso de letras em São Carlos, SP (Foto: Felipe Turioni/G1)'A reinvenção dos prazeres'
 
"O número de homens de meia idade, e casados, que vêm até mim com a queixa de que suas mulheres não os desejam mais, ou que eles não as desejam mais, é realmente elevado. Mas nem todos estão dispostos a ouvir o que tenho a dizer: que devem conversar com suas parceiras, que um casamento pode ser renovado apesar do tempo e que contratar uma prostituta para “amenizar” uma frustração – embora me renda lucros – não vai resolver o problema conjugal que eles têm. Assim como os corpos mudam com o tempo, também os desejos seguem esse movimento de transformação e precisam ser redescobertos a todo o momento.
Nossos desejos são subjetivos e dizem respeito a cada um [...] Em uma relação conjugal, se o casal for realmente sincero entre si, os parceiros conhecerão as necessidades e os desejos sexuais um do outro na medida em que se relacionam sexualmente. Tenho prazer em descobrir nos corpos com que me deito o que lhes dá prazer e o que neles me dá tesão. Sexo é, portanto, sempre um ato de constante aprendizado já que os corpos se transformam diariamente, natural ou artificialmente, havendo sempre algo por se desvendar e experimentar.
Numa manhã de sexta-feira, recebi a ligação de Lúcia.
— Você é a Lola que é... – Tentava perguntar com uma insegurança que lhe fazia tremer a voz.
— Garota de Programa? Puta? Sou eu sim.
— ...
— Posso ajudar?
— É que... Acho que meu marido não sente mais tesão por mim. E eu até entendo, porque já não tenho mais 20 anos, não tenho mais um corpo lindo e jovem como o seu... Mas estamos casados há um bom tempo e... Desculpa por te falar essas coisas!
— O que é isso, querida. Fale mais, vai que posso ajudar vocês.
— Eu já tentei de tudo, Lola. Até o que eu não gosto, que é aquilo por trás, já deixei meu marido fazer, mas acho que ele quer se separar porque não tem mais desejo por mim. Mas a gente se ama, sabe? Ou se acostumou a se amar assim.
— O que acha de combinarmos um dia para conversarmos pessoalmente. Se você está me ligando é porque acho que deseja fazer alguma surpresa para ele...
— Você pode almoçar comigo hoje?
E lá fui eu, Lola, almoçar com essa mulher misteriosa. Conversamos muito e a estranheza que ela sentia diante de algumas coisas que eu falava era nítida, afinal, sexshops, sextoys, ménage à trois, etc. não eram expressões comuns para ela. O legal é que a curiosidade persistia e ela concordou em experimentar coisas novas com seu parceiro. No início, ela queria me “dar de presente” para seu marido, mas depois de horas de conversas resolveu que eu seria a encarregada de presentear os dois com uma noite inesquecível e renovadora.
Na noite esperada, o casal chegou ao quarto do motel. Ele mostrava-se sisudo e muito desconfiado de tudo e a Lúcia estava em nervos. Chamei-os para perto da cama, servi-lhes vinho, petisco com queijos e torradinhas temperadas, e me dediquei a conhecê-los melhor.
Alguns casais que atendo são verdadeiramente safados, não há descrição melhor. Alguns acabam comigo em poucas horas e se divertem horrores, já outros ficam assim, tímidos, receosos com a forma como seu parceiro reagirá caso toque o meu corpo.
Depois de algumas taças de vinho comecei a puxar assunto sobre sexo e aí a coisa foi ficando interessante [...]"

Paracetamol e placebo têm mesmo efeito sobre dor nas costas, diz estudo.

Paracetamol e placebo têm mesmo efeito sobre dor nas costas, diz estudo

Pesquisa não constatou diferença no tempo de recuperação entre pessoas que tomaram o remédio ou pílula de farinha

A dor nas costas é a principal causa de incapacidade no mundo
 
A dor nas costas é a principal causa de incapacidade no mundo (Thinkstock)


O medicamento paracetamol não é melhor do que o placebo para tratar casos agudos de dores nas costas. Essa é a constatação de um estudo publicado nesta quinta-feira no periódico The Lancet
CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Efficacy of paracetamol for acute low-back pain: a double-blind, randomised controlled trial​

Onde foi divulgada: periódico The Lancet

Quem fez: Christopher M Williams, Christopher G Maher, Jane Latime, Andrew J McLachlan, Mark J Hancock, Richard O Day e Chung-Wei Christine Lin

Instituição: Universidade de Sydney, na Austrália, entre outras

Resultado: Pessoas que tomaram paracetamol demoraram 17 dias para se recuperar de dor nas costas, enquanto os voluntários que ingeriram placebo levaram 16 dias
 
A dor nas costas é a principal causa de incapacidade no mundo e diretrizes clínicas geralmente recomendam o paracetamol como a primeira escolha para amenizá-las. Nesta pesquisa feita na Austrália, cientistas recrutaram 1 652 participantes, com idade média de 45 anos. Durante quatro semanas, um terço dos indivíduos foi medicado com paracetamol três vezes ao dia, outro terço ingeriu o medicamento apenas em casos de dor e o último terço tomou placebo. 
Não houve diferença no tempo de recuperação entre os três grupos. Os voluntários que ingeriram paracetamol levaram, em média, dezessete dias para se livrar do desconforto, enquanto os que tomaram placebo demoraram dezesseis dias.


Eficácia comprovada 

Segundo os pesquisadores, o mecanismo de dores nas costas pode ser diferente daquele de dores de cabeça, de dente e de desconfortos pós-cirúrgicos — quadros em que a eficácia do paracetamol é comprovada. Entender por que o medicamento funciona em alguns casos, e não em outros, pode ajudar a elaborar futuros tratamentos, dizem os autores do estudo.
"Os resultados sugerem que é preciso reconsiderar a recomendação de utilizar o paracetamol para tratar dor nas costas", diz Christopher Williams, líder do estudo e professor da Universidade de Sydney, na Austrália.

Trailer de '50 tons de cinza' mostra pouco sadomasoquismo; assista.

Trailer de '50 tons de cinza' mostra pouco sadomasoquismo; assista

Filme estreia em fevereiro e adapta o best seller erótico de E.L. James.
Cenas apresentam o momento em que casal protagonista se conhece.

 
Do G1, em São Paulo
Lançado nesta quinta-feira (24), o primeiro trailer do filme "Cinquenta tons de cinza" oferece pouco das cenas de sadomasoquismo que popularizaram o best seller homônimo escrito por E.L. James. O longa, que tem estreia prevista para fevereiro de 2015, adapta o volume inicial da trilogia conhecida como "pornô para mamães". Quem dirige o longa é Sam Taylor-Johnson ("O garoto de Liverpool").
 

Com 2 minutos e 24 segundos de duração, o vídeo de início apresenta o primeiro encontro entre os protagonistas (até aquele momento, desconhecidos um do outro). O futuro casal é formado pelo milionário sedutor e dominador Christian Grey (Jamie Dornan) e pela ingênua estudante de literatura Anastasia Steele (Dakota Johnson). A serviço de um jornal, ela vai até a empresa dele para entrevistá-lo.
Mais tarde, a jovem descreverá seu entrevistado como "educado, intenso, inteligente e bastante intimidador". Em outra conversa, Anastasia pergunta a Grey: "Então, a que se deve seu sucesso?" A resposta é sugestiva: "Exerço controle sobre tudo, senhorita Steele".
Em seguida, o par central é visto aos beijos em cenas que sugerem romance ou sexo, mas nada com muitos detalhes. A dupla também aparece num avião e participando de um jantar em que Grey, por baixo da mesa, acaricia a coxa de Anastasia. Perto do fim, o protagonista surge sem camisa algumas vezes e diz que tem "gostos bem peculiares". Como a jovem pede para conhecê-los, ele apresenta à parceira um cômodo em que guarda apetrechos sexuais.

Antes do término, uma sequência rápida mostra Grey segurando uma espécie de chicote e o encostando nas costas de Anastasia, que ainda terá uma venda colocada sobre os olhos e as mãos atadas a uma cama. Neste momento, a trilha sonora é uma versão lenta de "Crazy in love", hit lançado em 2003 por Beyoncé. No sábado (19), a própria cantora já havia divulgado em seu perfil no Instagram um vídeo promocional de 15 segundos de "Cinquenta tons de cinza".

O elenco do filme tem ainda o ator Luke Grimes e a cantora Rita Ora, interpretando, respectivamente, Elliot e Mia Grey, irmãos adotivos de Christian.

A atriz Dakota Johnson como a personagem Anastasia Steele no filme 'Cinquenta tons de cinza', adaptação do best seller erótico escrito por E.L. James (Foto: Divulgação) 
A atriz Dakota Johnson como a personagem Anastasia Steele no filme 'Cinquenta tons de cinza', adaptação do best seller erótico escrito por E.L. James (Foto: Divulgação)

Noivo com câncer realiza sonho e se casa três dias antes de morrer.

Noivo com câncer realiza sonho e se casa três dias antes de morrer

Cerimônia foi em hospital de Botucatu (SP).
Doença surgiu um ano depois que os dois começaram a namorar.

 
Do G1 
 


Buquê, alianças, noivos, família, amigos e amor. O casamento de Michele Alves de Oliveira e João Marcos da Silva teve todos os ingredientes de uma cerimônia tradicional, não fosse pelo lugar onde aconteceu: dentro de um hospital de Botucatu (SP). A união simbólica foi o último desejo do noivo, que morreu três dias depois, vítima de câncer em múltiplos órgãos.
O noivo descobriu há quatro anos que tinha câncer no abdômen. Após a primeira cirurgia para tentar conter o avanço do tumor, ele pediu Michele em casamento. No entanto, a doença continuou evoluindo e os planos do casal foram adiados até o dia 30 de junho, quando a união aconteceu, com direito a vestido branco, música e muita emoção.

Cerimônia foi acompanhada por parentes e médicos em Botucatu (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves) 
Cerimônia foi acompanhada por parentes e médicos em Botucatu 
(Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)
 
 
No corredor, a noiva usava um vestido branco curto e foi guiada até o altar improvisado onde o noivo a esperava. Um painel foi fechado no corredor para dar privacidade à cerimônia. João estava internado no hospital havia três semanas quando ficou sabendo pelos médicos que teria só mais alguns dias de vida. Ele resolveu, então, realizar o sonho de se casar com Michele, com quem namorava há cinco anos.
O jovem passou por vários tratamentos e internações desde que descobriu a doença. Na última passagem pelo hospital, em junho, os médicos avisaram que ele precisaria passar por uma nova cirurgia, que João não aceitou. “A equipe médica alertou que ele não teria muito tempo de vida, mas, quando conversamos, ele me disse que só tinha um sonho para realizar antes de morrer, que era se casar comigo", conta Michele.
Ele disse que só tinha um sonho para realizar antes de morrer: se casar comigo"
Michele Oliveira, noiva de João Marcos
A tão esperada união teve ajuda da equipe médica. “Ela saiu triste da sala perguntando se seria possível casar dentro do hospital. Sabíamos que não era fácil, nem comum, mas agimos com o coração”, lembra a técnica em enfermagem Kelly Cristina da Silva, de 23 anos. Na sequência, os funcionários fizeram uma "vaquinha", organizaram a festa que ficou pronta em dois dias, com direito a bolo e salgadinhos, além da presença de um pastor.

Cerimônia

Apesar de não ter tido tempo de planejar o casamento como a maioria das noivas sonha, Michele conta que o resultado no hospital foi marcante. “Foi tudo muito delicado, simples e bonito. Ele dizia que estava muito feliz e que eu estava linda”, lembra emocionada a noiva que cantava e segurava as lágrimas durante a celebração.
Por conhecer o hospital e acompanhar a rotina os pacientes, Kelly lembra que o cuidado e amor que a jovem tinha com o noivo surpreendeu os profissionais. “Ela não saía de lá por nada, ficava até mais que a mãe", afirma a enfermeira, que diz não estar acostumada a ver provas de amor como esta. “Quando uma das duas pessoas está doente, o relacionamento costuma não durar. Não é nem porque não existe amor, mas muitos namoros e casamentos terminam porque aquele companheiro não quer que o outro veja seu sofrimento", afirma. 

Michele e João se casaram no hospital em Botucatu (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)Michele e João se casaram no hospital em
Botucatu (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)
 

Convidada 'por acaso'

Entre médicos, enfermeiras, parentes e amigos próximos do casal, uma das pessoas que acompanhava a cerimônia estava lá por um acaso. Uma funcionária administrativa do hospital passava pelo quarto do noivo, quando descobriu o que estava acontecendo e se tornou fotógrafa oficial da cerimônia.
“Achei que já tinha visto de tudo dentro de um hospital, e, de repente, vejo essa história bonita de amor acontecer e se realizar. Lindo demais", afirma a funcionária, que prefere não ser identificada.
A "fotógrafa" até postou em uma rede social sobre o quanto estava emocionada em participar daquele momento por acaso. “É impossível descrever a sensação que eu senti e sinto ainda ao pensar em tudo que passei ali naqueles 40 minutos. Deus sabe o quanto eu me segurei para não cair em lágrimas.”


Anos de namoro e dias de casamento

João morreu três dias depois da cerimônia que comoveu o hospital. Para a noiva Michele, o que fica são as lembranças dos bons momentos de anos de namoro e dos poucos dias de casamento. “Nunca o vi reclamando. Ele era divertido, extrovertido, animado, sempre brincalhão e tinha muita fé em Deus. É isso que eu vou guardar do meu noivo.”

Noivos celebraram apenas três dias de união (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)Noivos celebraram apenas três dias de união
(Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)
 
Durante o tempo em que acompanhou João no tratamento, Michele conta ainda que muitas pessoas diziam que ela mantinha o relacionamento com ele por pena. No entanto, ela faz questão de afirmar que permaneceu com o namorado/noivo por amor e companheirismo.
"Mesmo enfrentando tudo isso, ele conseguia me fazer sentir a mulher mais feliz do mundo", comenta. Apesar do triste fim da história de amor, a noiva faz questão de contar a sua trajetória para inspirar outras pessoas.
“Não podemos desistir nunca. O João falava para ter fé até o último dia e nada de se abater ou desanimar diante de um sonho. Claro que eu queria que ele estivesse aqui e a gente estivesse comemorando a cura dele, mas acho que o casamento foi um conforto em meio à dor”, conclui Michele.

Michele e João se casaram no hospital em Botucatu (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves) 
Cerimônia foi o último desejo do noivo antes de morrer (Foto: Arquivo Pessoal/Michele Alves)