sexta-feira, 4 de abril de 2014

Parque Nacional da Serra da Canastra pode ter área reduzida.

Parque Nacional da Serra da Canastra pode ter área reduzida

Projeto que tramita no Congresso divide opiniões de quem mora no local.
'Insistimos que a área atual pode ser mantida', diz chefe do parque.

Do G1

Parque Nacional da Canastra pode ter área
reduzida (Foto: Aline Fonseca/Arquivo Pessoal)
Parque Nacional da Serra da Canastra pode ter área reduzida (Foto: Aline Fonseca/Arquivo Pessoal) Tramita no Congresso Nacional em Brasília, um projeto de lei que trata da redução da área do Parque Nacional da Serra da Canastra em São Roque de Minas. E a possibilidade da existência de uma nova delimitação de área divide opiniões de quem mora no local, já que o parque com 200 mil hectares passará a ter 120 mil hectares se o projeto for aprovado.
O Parque foi criado por decreto no dia 3 de abril de 1972, com 200 mil hectares. Mas até hoje, 42 anos depois, apenas 82 mil hectares foram desapropriados e indenizados. O projeto propõe a redução que passaria para 121 mil hectares, com isso, 76 mil hectares que faziam parte do projeto original passariam a ser área de Monumento Natural. Portanto, poderiam ser explorados por fazendeiros, desde que acompanhados pelos órgãos ambientais. "Só lei federal pode reduzir. Se for reduzido vamos acatar, mas insistimos que a área atual pode ser mantida", disse o chefe do Parque Nacional da Serra da Canastra, Darlan de Pádua.
Se a redução da área do parque for aprovada, cerca de 13 mineradoras que foram fechadas há sete anos poderão reiniciar as atividades. A região é um dos maiores polos da extração da pedra quartzito da região da Canastra.
Nas pedreiras trabalhavam 1.700 pessoas. A Associação dos Mineradores ganhou na Justiça a posse da terra.  Mas se eles trabalharem serão multado pelos órgãos ambientais, pois trata-se de uma área de preservação. "Eu tenho o direito de propriedade, inclusive ganhei uma sentença na Justiça me devolvendo o que é meu mas eu não posso voltar ao local", contou o presidente da Associação das Mineradoras da região da Canastra, Jorge Penha.


Projeto pode diminuir área do parque  de 200 mil hectares para 120 mil hectares (Foto: Aline Fonseca/Arquivo Pessoal) 
Projeto pode diminuir área do parque de 200 mil hectares para 120 mil hectares 
(Foto: Aline Fonseca/Arquivo Pessoal)
 

A indefinição sobre os limites do parque também tem gerado revolta entre os fazendeiros. Enquanto eles não forem indenizados pelo governo, são considerados os donos da terra. O produtor rural Vinicius dos Reis Silva só consegue plantar e criar gado por meio de liminar da Justiça. Ele faz parte da quarta geração da família Silva, que trabalha em uma fazenda há 200 anos. "A gente não sabe o que vai acontecer com o povo que mora aqui. Por isso, a gente fica emocionado ao falar disso", afirmou.
São 2.500 fazendeiros nessa mesma situação. "Já são 42 anos de agonia, de incertezas, de insegurança jurídica. Nós estamos vivendo em uma situação caótica. Nós não sabemos o dia de amanhã. Queremos do governo uma solução para que possamos direcionar nossa vida, o futuro dos nossos filhos", disse o presidente da Associação dos Canastreiros, Reinaldo Sebastião de Almeida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário