quarta-feira, 16 de abril de 2014

Menina morre após inalar remédio errado em crise de asma.

Menina morre após inalar remédio errado em crise de asma no RS

Adolescente precisava de broncodilatador, mas usou colírio para glaucoma.
Medicamento foi comprado por irmã de 10 anos, enquanto mãe trabalhava.

Do G1 

Uma adolescente de 14 anos morreu na segunda-feira (14) após ter inalado um remédio errado durante uma crise de asma. O corpo de Andriza Oliveira da Silva foi enterrado na terça-feira (15) em Guaíba, na Região Metropolitana de Porto Alegre, onde ela morava.
A garota precisava inalar um broncodilatador, mas acabou usando, na nebulização, um colírio para glaucoma, que faz o efeito contrário. "O medicamento provoca obstrução dos brônquios, diminui a eficiência do trabalho cardíaco e pode dar complicações cardiovasculares", explica a farmacologista Leila Moreira.

Andriza da Silva precisava inalar broncodilatador
para asma (Foto: Reprodução/RBS TV)
Andriza Oliveira da Silva precisava inalar um broncodilatador (Foto: Reprodução/RBS TV) O colírio foi comprado por uma irmã de Andriza, de 10 anos, enquanto a mãe estava no trabalho. "A receita foi levada com um bilhete com o nome do remédio, que não tinha nada a ver com o que retornou à residência da menina", diz o primo de Andriza, Rodrigo Barbosa da Silva.
A família registrou um boletim de ocorrência sobre o caso. A polícia também pediu ao Instituto Geral de Perícias laudos complementares sobre o que provocou a morte da adolescente. A certidão de óbito diz que ela foi vítima de um "edema pulmonar agudo", ou seja, excesso de líquido nos pulmões provocado por insuficiência cardíaca. Entretanto, o documento não esclarece se o uso da medicação errada pode ter influenciado para que isso ocorresse. O texto apenas informa que esses exames devem ficar prontos em 3 meses.
"Por enquanto, é isso que vamos averiguar: como o medicamento foi entregue a uma criança de 10 anos. O proprietário confirmou que há uma farmacêutica no local, mas que no momento da venda ela não se encontrava no balcão de atendimento", afirma a delegada Sabrina Teixeira, responsável pelo caso.
A delegada vai ouvir a vendedora e a farmacêutica. Além disso, já ouviu informalmente o dono da farmácia. O proprietário não foi localizado pela RBS TV para comentar o ocorrido. Já a rede da qual a farmácia é associada disse que está ciente do fato, mas ainda não divulgou uma posição oficial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário