sexta-feira, 25 de abril de 2014

EUA propõem restrições ao comércio e consumo de cigarro eletrônico.

EUA propõem restrições ao comércio e consumo de cigarro eletrônico

Novas normas entraram em consulta pública nesta quinta-feira.
Cigarro eletrônico pode ter mesmas restrições que o tradicional.

Da AFP
 
 
Jovem fuma cigarro eletrônico em Nova York  (Foto: Reuters/Mike Segar/Arquivo) 
Jovem fuma cigarro eletrônico em Nova York (Foto: Reuters/Mike Segar/Arquivo)


Os Estados Unidos propuseram nesta quinta-feira (24) uma série de medidas para regulamentar a venda dos cigarros eletrônicos, também chamados de "e-cigarettes", visando proibir o consumo entre menores e exigir dos fabricantes provas de que o produto é menos prejudicial à saúde que o fumo tradicional.
A FDA - a agência que regulamenta os alimentos e os medicamentos nos EUA - também defende a exigência de uma autorização do órgão para a venda do produto, cada vez mais popular entre os jovens.
Os fabricantes do cigarro eletrônico estão, até o momento, isentos da supervisão federal nos EUA, onde o "vaping" (fumar vapor eletrônico) está em moda e é cada vez mais comum em bares e casas noturnas.
A FDA abriu um período de consultas públicas de 75 dias, ao final do qual seus especialistas decidirão sobre a regulamentação, que colocaria os "e-cigarettes" sob as mesmas regras dos cigarros tradicionais.
Em outras palavras: se as propostas da FDA forem aprovadas, os fabricantes não poderão vender "e-cigarettes" a menores de 18 anos ou distribuir unidades promocionais, além da obrigação de indicar os riscos do uso do produto e sua composição, o que no momento é um mistério para o consumidor.
"As regras propostas são um novo passo em nossos esforços para conseguir livrar a próxima geração americana do cigarro", disse a secretária da Saúde, Kathleen Sebelius.

Nenhum comentário:

Postar um comentário