sexta-feira, 25 de abril de 2014

Compressa fica no abdômen de mãe após parto.

Compressa é encontrada dentro de corpo de mulher 3 meses após parto

Natália Leopoldina, de 29 anos, perdeu parte dos intestinos grosso e delgado.
Caso aconteceu em hospital particular de Natal.

Fernanda Zauli Do G1 


Natália Leopoldina descobriu a compressa dentro
da barriga três meses após o parto
(Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)
Natália Leopoldina descobriu a compressa dentro da barriga três meses após o parto (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal) A empresária Natália Leopoldina da Silva Souza, de 29 anos, se internou no Hospital Antônio Prudente, em Natal, no dia 3 de setembro de 2013 para ter a primeira filha. O parto transcorreu normalmente, mas três meses após a cirurgia Natália descobriu que uma compressa - que foi usada na cesariana - estava dentro do abdômen dela. Em decorrência disso, Natália perdeu parte dos intestinos grosso e delgado e está colostomizada. A paciente está processando o médico que fez a cirurgia e o hospital e pede indenização de R$ 600 mil por danos morais e estéticos.
Em nota, o hospital informou que lamenta o ocorrido e se solidariza com a paciente e sua família. A nota informa ainda que  “não houve, em todos os atendimentos médicos, falha na estrutura ou de instrumentos oferecidos no momento dos procedimentos cirúrgicos”. O hospital também ressaltou que a escolha do profissional para realização do parto foi feita pela própria paciente. O G1 ligou para o médico Rômulo Gomes Cruz, mas ele disse que não iria comentar o caso.
A ação foi movida pelo advogado Fábio Hollanda. "Não há valor que pague o trauma que essa situação causou a essa moça. Estamos em busca de justiça", disse.
Ao G1, Natália contou que após o parto começou a sentir fortes dores abdominais e procurou o médico Rômulo Gomes Cruz - responsável pela cirurgia - mas foi informada de que "as dores eram normais" por causa do procedimento. "A dor não passou e minha barriga estava cada vez mais inchada. Eu perdi as contas de quantas vezes liguei para o médico e fui ao consultório, mas ele sempre dizia a mesma coisa: que era normal por causa da cirurgia", disse.
Segundo ela, o médico passou apenas um anti-inflamatório e recomendou que ela fizesse caminhadas. "Eu seguia todas as recomedações, tomava o remédio, mas não melhorava. Eu comecei a ter febre constantemente, estava com ínguas e a dor só piorava", contou. Sem apresentar melhoras, Natália decidiu procurar outro médico. "O doutor Eduardo Campelo me examinou e disse logo que havia algo estranho. Na consulta ela já suspeitou que havia um corpo estranho no meu abdômen e requisitou uma tomografia. Eu procurei o Hospital Antônio Prudente, mas a médica que me atendeu disse que não ia fazer tomografia só porque 'um médico de não sei onde pediu'. Ela falou que as dores eram normais e que eu estava toda aberta por dentro. Eu fui pra casa desesperada, sem saber o que fazer".

Natália perdeu parte dos intestinos grosso e
delgado (Foto: Arquivo pessoal)
Natália perdeu parte dos intestinos grosso e delgado (Foto: Arquivo pessoal) A médica Maria Ocinete Guedes Pereira está sendo investigada em um inquério instaurado na 3ª Delegacia de Polícia por omissão de socorro neste caso. O G1 tentou falar com a médica, mas ela não estava no hospital Antônio Prudente e a atendente não quis informar o celular da profissional.
A família então entrou em contato com o médico responsável pela cesariana e pediu que ele atendesse Natália. No dia 27 de dezembro, Natália foi submetida a uma ultrassonografia e, em seguida, a uma tomografia e os exames constataram que havia um corpo estranho no abdômen dela. "Eles nos chamaram pra uma reunião. O doutor Rômulo reconheceu que havia algo dentro de mim, pediu desculpas e disse que foi um erro da equipe", afirmou Natália.
No dia 28 de dezembro ela foi submetida a uma cirurgia para retirada do material. Foi encontrada uma compressa na barriga dela. Segundo ela, por causa da infecção foram retiradas partes dos intestinos grosso e delgado, o que levou a paciente a ser colostomizada. "Eu estou com uma bolsa para defecar desde o dia da cirurgia e ainda vou ficar com ela por mais dois meses", disse.
Depois da cirurgia o leite de Natália secou e ela não conseguiu mais amamentar a filha. "Essa é minha maior tristeza. Ela é minha primeira filha e eu nem pude amamentá-la", disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário