sexta-feira, 28 de março de 2014

Uma em cada 68 crianças tem autismo.

Uma em cada 68 crianças tem autismo nos EUA

Prevalência é 30% maior do que a registrada em 2012 no país, que era de uma em 88 crianças

Autismo: Problema é cinco vezes mais comum em meninos do que em meninas nos EUA
Autismo: Problema é cinco vezes mais comum em meninos do que em meninas nos EUA  
(Thinkstock)

 
Uma em cada 68 crianças americanas de oito anos de idade tem autismo, indicam novos dados do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, sigla em inglês) divulgados nesta quinta-feira. A prevalência do transtorno no país sofreu um aumento de 30% em relação aos números divulgados em 2012, os quais apontavam que uma em cada 88 crianças dos Estados Unidos era autista.
Ainda de acordo com o novo balanço do CDC, o autismo é quase cinco vezes mais comum em meninos do que em meninas, e mais prevalente em jovens brancos ou hispânicos do que negros. O órgão também indicou que a proporção de crianças autistas que possuem um coeficiente intelectual QI elevado aumentou. Hoje, nos Estados Unidos, cerca de metade dos jovens com autismo tem um QI dentro ou mais alto que a média. Há dez anos, essa taxa era de 30%. 
O relatório revelou que a maioria das crianças com autismo recebe o diagnóstico após os quatro anos de idade, embora a síndrome possa ser detectada a partir dos dois anos. "Precisamos fazer mais para diagnosticar crianças mais cedo", diz Coleen Boyle, diretora do Centro Nacional de Defeitos Congênitos e Deficiências do Desenvolvimento do CDC. "A detecção precoce é a ferramenta mais eficaz que temos para fazer a diferença na vida dessas crianças.”


Diagnóstico

No ano passado, a publicação da nova versão do DSM (sigla em inglês para Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), documento considerado como a "bíblia da psiquiatria", propôs mudanças na forma como médicos devem diagnosticar o autismo. As diretrizes criaram uma nova classificação de transtornos mentais: o transtorno do espectro autista, que abrange em apenas uma categoria quatro condições: o transtorno autista, a síndrome de Asperger, o transtorno desintegrativo da infância e o transtorno global do desenvolvimento. Antes, esses quatro transtornos eram categorizados como doenças separadas.
Para os especialistas do CDC, porém, o principal fator que levou ao aumento da prevalência de crianças autistas nos Estados Unidos não foi a mudança nos critérios de diagnóstico, mas o fato de as pessoas terem cada vez mais informações sobre o transtorno. Com isso, pais, professores e médicos são mais capazes de reconhecer sintomas que podem indicar o autismo.


Descobertas

Um estudo publicado nesta quinta-feira na revista The New England Journal of Medicine é mais um a desvendar fatores que envolvem o autismo. De acordo com a pesquisa, feita na Universidade da Califórnia em San Diego, nos Estados Unidos, algumas das diferenças na estrutura cerebral de uma criança autista podem ser detectadas quando ela ainda está no útero materno. A conclusão sugere que, embora o autismo seja considerado como uma condição causada por fatores como o genético e os ambientais, entre eles exposição à poluição, a predisposição ao transtorno pode começar durante a gravidez. 
Os autores chegaram a essa conclusão após descobrirem que crianças autistas apresentam diferenças na expressão de alguns genes em determinadas áreas do cérebro que normalmente se desenvolvem no segundo trimestre de gestação. A pesquisa foi feita a partir da análise e da comparação do cérebro de 22 crianças com e sem autismo que tinham entre dois e quinze anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário