sábado, 29 de março de 2014

Cidade do ES onde Anchieta morreu se prepara para celebrar novo santo.

Cidade do ES onde Anchieta morreu se prepara para celebrar novo santo

Município de Anchieta recebeu melhorias para homenagear fundador.
Beato José de Anchieta será canonizado neste dia 2 de abril.

Amanda Monteiro Do G1 

'Aqui ele morreu e nasceu para a glória', diz Renata
(Foto: Amanda Monteiro/ G1 ES)
'Aqui ele morreu e nasceu para a glória', diz a gerente estratégica de Cultura e Patrimônio Histórico de Anchieta, Renata Genevieve (Foto: Amanda Monteiro/ G1 ES) A cidade de Anchieta, no Sul do Espírito Santo, se prepara para homenagear seu fundador, o beato José de Anchieta, que finalmente vai se tornar santo, reconhecido pelo Vaticano, neste dia 2 de abril, dando fim a um processo iniciado há mais de 400 anos, um dos mais longos da história.
O portal do Santuário do Beato Anchieta recebeu pintura nova, os buracos da rua foram tapados, a limpeza foi intensificada. "Queremos deixar a cidade ainda melhor para receber os devotos. A cidade está ansiosa e alegre. Já percebemos mudanças, acredito que o turismo vai aumentar, mais pessoas virão para conhecer o lugar onde Anchieta viveu seus últimos anos e onde morreu. Foi aqui que ele nasceu para a glória", conta a gerente estratégica de Cultura e Patrimônio Histórico, Renata Genevieve.
Uma programação especial está sendo preparada para o dia 2, com missa solene às 10h30 na Igreja Nossa Senhora da Assunção. Antes da missa, às 9h30, haverá apresentação do concerto intitulado "Concerto Clássico Poemas de Anchieta", do coral municipal Viva Voz e orquestra de Câmara de Vitória.
O maestro e cantor lírico Inárley Carletti musicou um poema escrito pelo padre José de Anchieta em tupi. "Anchieta fez esse poema para ensinar os índios a rezar, na língua deles. Fala das maravilhas da criação", conta o maestro. Com a proximidade do evento, os ensaios são diários. Outra música especial é o 'Hino a Anchieta', que conta um pouco da vida do beato. "Se inspirar em uma pessoa que fez o bem, que hoje é considerado um santo, nos dá uma emoção muito grande", afirma Inárley.
Anchieta fundou a Aldeia de Reritiba em 1565, onde posteriormente foi elevada a vila até se tornar a cidade que hoje leva seu nome. Lá, deu início à construção da Igreja Nossa Senhora da Assunção, em 1569, que até hoje mantém o quarto onde Anchieta morreu, em 1597, e guarda uma relíquia dele: parte da tíbia. As visitas e a devoção ao futuro santo já aumentaram e muitos fiéis atribuem milagres a ele.
O beato não tem nenhum milagre oficialmente reconhecido, apesar de reunir mais de cinco mil registros de graças no processo de canonização. Para assinar o decreto que transformará o beato em santo, o Papa Francisco vai abrir mão da comprovação dos milagres e considerar o conjunto da obra.
Para o padre José Acrízio, pároco da Igreja Nossa Senhora da Assunção, a canonização de Anchieta vai atrair ainda mais devotos. "A igreja com este ato legitima a devoção entre os fiéis. Atualmente, no Brasil, existem cerca de 35 paróquias que levam o nome de Anchieta. Com a canonização, as pessoas poderão recorrer mais ainda a Anchieta, pedindo graças e pedindo que ele seja seu intercessor diante de Deus", diz o padre.

A cidade Anchieta, no Espírito Santo, prepara programação especial para a canonização de José de Anchieta (Foto: Amanda Monteiro/ G1 ES) 
A cidade de Anchieta, no Espírito Santo, prepara programação especial para a canonização de José de Anchieta (Foto: Amanda Monteiro/ G1 ES)

Nenhum comentário:

Postar um comentário