domingo, 30 de junho de 2013

Dançarino 'bolinha' é expulso no meio da festa de encerramento.

Dançarino 'bolinha' é expulso no meio da festa de encerramento


Um voluntário que participava da festa antes da final da Copa das Confederações entre Brasil e Espanha, no Maracanã, foi expulso por organizadores no meio do evento depois de abrir uma faixa que estava escrito: "Imediata anulação da privatização do Maracanã".

Vanessa Carvalho / Brazil Photo Press/Folhapress
 
 
Dançarinos levam faixa com os dizeres: "Imediata anulação da privatização do Maracanã" em protesto durante a cerimônia de encerramento da Copa das Confederações no estádio do Maracanã
Vestidos de "bolinha", dois voluntários seguraram uma faixa azul enquanto a bateria da escola de samba da Grande Rio entrou no gramado, depois que Ivete Sangalo terminou sua performance. Depois da faixa ser arrancada, o voluntário correu para a arquibancada, batendo no peito.
Um organizador se aproximou dele, quando ele já tinha voltado ao lugar (para ficar agachado e ter a fantasia no formato de bola) e o mandou rumo ao túnel para deixar o gramado.
Outro voluntário que estava fantasiado de "bolinha" ergueu um cartaz com a seguinte inscrição: "Ser gay é... mara... aberração é o preconceito." 



Adriano Vizoni/Folhapress
Voluntário exibe faixa "Ser gay é.. mara.. aberração é o preconceito!"
Voluntário exibe faixa "Ser gay é.. mara.. aberração é o preconceito!"

SUS deverá notificar ao governo casos de agressão por homofobia.

SUS deverá notificar ao governo casos de agressão por homofobia

Número de vítimas por homofobia triplicou de 2011 para o ano passado

Ativista participa de manifestação pelo Dia Internacional de combate a Homofobia em Manágua, capital da Nicarágua
SUS: Profissionais da rede pública devem registrar quando atenderem vítimas de agressão por homofobia (Oswaldo Rivas/Reuters)


O registro dos casos de violência por homofobia atendidos na rede pública de saúde será obrigatório. A estratégia será posta em prática a partir de agosto em Goiás, Minas e Rio Grande do Sul e, em janeiro, passará a valer em todo o país, de acordo com o Ministério da Saúde. A medida foi anunciada após a divulgação do Relatório sobre Violência Homofóbica, que mostra que o número de vítimas por esse tipo de agressão triplicou no ano passado, em relação a 2011.
Atualmente, quando um profissional do Sistema Único de Saúde (SUS) atende alguma vítima de agressão, ele deve preencher um formulário especificando o tipo de violência – se foi doméstica, contra crianças, mulheres ou idosos, por exemplo. Depois disso, o formulário é encaminhado ao governo. São esses dados que compõem o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), que fornece ainda subsídios que permitem explicar causas, além de indicar riscos aos quais as pessoas estão sujeitas, contribuindo assim para a identificação da realidade epidemiológica de determinada área. 
Com a nova medida, a homofobia será inclusa nesse formulário como um dos tipos de agressão, que pode ser física, psicológica ou discriminação. É o próprio paciente que deve dizer ao profissional de saúde se a agressão que sofreu tem relação com a homofobia. Casos de agressão entre casais homossexuais serão entendidos como violência doméstica. Na avaliação do ministério, isso poderá trazer maior clareza sobre a exata dimensão do problema no país e para formulação de políticas de enfrentamento às violências contra homossexuais. 


Números

O Relatório sobre Violência Homofóbica mostra que ocorreram 3.084 denúncias e 9.982 violações de direitos humanos relacionadas à identidade de gênero em 2012. No ano anterior, foram 1.159 denúncias de violência e 6.809 violações de direitos. Também houve crescimento de 183% no registro de vítimas de violência por homofobia, passando de 1.713 para 4.851. O documento teve por base dados do Disque Direitos Humanos, Central de Atendimento à Mulher e da Ouvidoria do Ministério da Saúde.
Como essa é a segunda edição do relatório, a comparação dos dados é inédita no país. "Esse é um instrumento fundamental para o enfrentamento à violação e promoção de direitos", diz o coordenador-geral de Promoção dos Direitos LGBT, Gustavo Bernardes. Entre as recomendações finais estão a criminalização da homofobia e a criação de um canal de denúncias específico para travestis e transexuais.


Tipos de agressão

Em 2012, as denúncias mais comuns foram, pela ordem: violência psicológica, discriminação e violência física. Ao contrário do que aconteceu em 2011, quando a maior parte das denúncias (41,9%) partiu das próprias vítimas, no ano passado, em mais de 71% dos casos, os denunciantes sequer conheciam as pessoas agredidas.
Pessoas do sexo masculino, entre 15 e 29 anos (61,6%), são as que mais sofreram alguma forma de violência homofóbica, segundo o relatório, e 60% dos homens agredidos se declararam gays. O relatório não discriminou o sexo dos agressores, porém mais da metade conhecia a vítima. 
(Com Estadão Conteúdo)

Karine, o verdadeiro ponto X de Eike Batista.

Karine, o verdadeiro ponto X de Eike Batista

Juliana Linhares. Com Alvaro Leme, Marília Leoni e Thaís Botelho
 
Karine Dal Toé
Karine Dal Toé (Patrick Brito)
 
 
Avaliação de riscos, avanços táticos, recuos estratégicos e até o domínio sutil do uso das aspas são algumas das qualidades da advogada e aspirante a atriz KARINE DAL TOÉ, 37. Filmada por celular embrulhada numa toalha na sala de visitas do bilionário Eike Batista, aquela da Lamborghini ao fundo, Karine enfrentou com garbo uma pequena crise: inexplicavelmente, as imagens foram parar na internet. “Desde março de 2012 nos encontramos, em restaurantes e na casa dele. Optamos por ser discretos”, disse ela na quinta-feira. Sobre a empresária Flávia Sampaio, que tem um filho recém-nascido com Eike, declarou apenas: “Ele me fala que é solteiro”. Na sexta-feira, Karine divulgou uma nota sobre as “fotos” - com aspas - e uma nova explicação. Estava apenas se divertindo num dos “eventos musicais” na casa do DJ Olin Batista, que, por incrível coincidência, também é a de Eike.

Grupo alerta para deportação da Estátua da Liberdade.

Grupo alerta para deportação da Estátua da Liberdade


Imagem da campanha da ONG Breakthrough
Foto: BreakthroughA Estátua da Liberdade em Nova York pode estar com os dias contados como um dos ícones dos Estados Unidos, se for bem sucedida a iniciativa de um grupo conservador que quer deportar o famoso ponto turístico, por afirmar que o monumento entrou no país ilegalmente há mais um século.
A campanha, liderada por uma organização chamada Legais pela Preservação da Cultura Americana (Legals for the Preservation of American Culture), tem um vídeo promocional, página web e até uma conta na rede social Twitter.
Mas espere! Se depois de ler esta história alguém pensar em viajar para a Big Apple para se despedir da estátua, terá que mudar os planos.
A campanha para deportar o monumento que a França deu para a cidade de Nova York, em 1886, é apenas uma ficção inventada pela organização de direitos humanos Breakthrough para lidar com humor com a discussão sobre a reforma da imigração que está tramitando no Congresso dos EUA e cuja aprovação no Senado está prevista para quinta-feira.
"Queríamos dar uma abordagem diferente para a reforma e ter mais pessoas interessadas no assunto", explica à BBC Ishita Srivastava, um dos autores da iniciativa.
De acordo com Srivastava, "agora a maioria dos americanos é a favor da reforma, mas muitas pessoas acreditam que é uma questão que não lhes cabe".


Verdade ou não


"Então pensamos que, utilizando um formato inovador, poderíamos conseguir mais pessoas interessadas", disse o ativista, que explica que eles escolheram a Estátua da Liberdade "porque é um dos símbolos dos EUA e da imigração, além de ser uma mulher. "
A falsa campanha teve um grande impacto nas redes sociais. A peça promocional coloca a Estátua da Liberdade em um escritório de imigração, com um sotaque francês e pedindo o direito de ficar nos EUA, mesmo sem ter recebido documentos ao chegar ao país - situação semelhante a de muitos imigrantes ilegais.

A estátua foi um presente da França
para os Estados Unidos
Foto: APO funcionário da imigração, por sua vez, pergunta se a estátua pode provar não estar tomando um posto de trabalho de uma estátua americana qualificada, para o qual "Senhora Liberdade" responde que tem 120 anos de experiência e é um ícone da liberdade.
A produção do vídeo, em que colaboraram estudantes da Universidade de Nova Iorque, foi realizada em um dia, com um orçamento de menos de US $ 1.000, já que a maioria dos que participaram o fizeram de graça.
"Estamos muito contentes com a resposta que a campanha teve. Foi uma experiência interessante usar sátira para resolver este problema", diz Ishita Srivastava.
"Queremos deixar claro que era uma brincadeira, embora alguns a princípio tenham duvidado se era verdade ou não", disse o ativista.


Breakthrough


A organização tem mais de uma década de trabalho na promoção dos direitos humanos através de campanhas interativas, com especial atenção para as mulheres.
"Nós não concordamos com algumas das alterações no projeto (da Lei de Imigração), como o reforço da segurança nas fronteiras, por isso temos que ter a certeza de que não viola os direitos dos imigrantes", diz Ishita Srivastava.
Sem dúvida, em sua campanha, a Breakthrough deu um tom de humor a um assunto caro aos mais de 11 milhões de imigrantes ilegais que estariam vivendo nos EUA atualmente.

Protesto em campo e mistura de ritmos marcam festa de encerramento.

Protesto em campo e mistura de ritmos marcam festa de encerramento

Enquanto cantores se reuniam no centro do gramado, figurante fantasiado de bola de futebol abre faixa e é retirado por organizadores da cerimônia

Por SporTV.com* Rio de Janeiro
 
 
Muita música, diversidade de ritmos e um protesto inesperado. Assim foi a cerimônia de encerramento da Copa das Confederações neste domingo, no Maracanã. Samba, sertanejo, axé e MPB se fizeram presentes antes do confronto entre Brasil e Espanha. E tudo sob o olhar atento dos jogadores da Roja, que acompanharam a movimentação do gramado do estádio do banco de reservas.

Com o campo coberto com uma lona verde, diversos figurantes, fantasiados como bolas de futebol, realizavam coreografias enquanto Arlindo Cruz, Vítor e Léo, Jorge Ben e Ivete Sangalo cantavam os seus principais sucessos para um Maracanã lotado. Os cantores incendiaram o público.


Protesto Maracanã (Foto: Agência Reuters) 
Dançarinos exibem faixa pedindo a anulação da privatização do Maracanã 
(Foto: Agência Reuters)
 
 
Após Ivete cantar “A Festa”, os quatro artistas, posicionados um em cada canto do gramado, presenciaram a entrada da bateria de uma escola de samba, com os componentes trajados nas cores da bandeira do Brasil.


Maracanã festa encerramento final Confederações (Foto: Alexandre Durão / Globoesporte.com) 
Ritmistas formam bandeira do Brasil na festa de encerramento 
(Foto: Alexandre Durão / Globoesporte.com)
 
 
Em dado momento da festa de abertura, um dos figurantes abriu uma faixa de protesto, com os dizeres "Imediata anulação da privatização do Maracanã". Rapidamente, o componente foi retirado do gramado do Maracanã. Minutos depois, outra pessoa fantasiada como bola de futebol passou mal e foi carregada pelos organizadores. O atendimento ocorreu do lado de fora do campo.

No fim, os ritmistas entraram em forma, fazendo o desenho da bandeira do Brasil. A partir daí, Jorge Ben, Ivete Sangalo, Arlindo Cruz, Vítor e Léo entoaram “País Tropical” para delírio dos mais de 60 mil torcedores no estádio.

O confronto entre Brasil e Espanha será transmitido ao vivo pela TV Globo, Sportv e GLOBOESPORTE.COM. O site também acompanha em Tempo Real.

* Participaram da cobertura: Alexandre Alliatti, Alexandre Lozetti, Leandro Canônico, Márcio Iannacca e Victor Canedo


Voluntaria protesto maracanã final  (Foto: Getty Images) 
Manifestante é carregada por seguranças após exibir faixa (Foto: Getty Images)
 
 
Maracanã campo encerramento final Confederações (Foto: Thiago Dias) 
Gramado do Maracanã é palco da festa de encerramento (Foto: Thiago Dias)
 
 
Ivete Sangalo, Brasil x Espanha -  Maracanã (Foto: Alexandre Durão) 
Ivete Sangalo durante a cerimônia (Foto: Alexandre Durão)

Jim Kelly, ator de ‘Operação dragão’, morre aos 67 anos.

Jim Kelly, ator de ‘Operação dragão’, morre aos 67 anos

Mestre em karatê contracenou com Bruce Lee em filme de 1973.
Ex-mulher divulgou o falecimento, mas não revelou a causa.

Do G1

Jim Kelly em cena de 'Operação dragão' (Foto: Divulgação) 
Jim Kelly em cena de 'Operação dragão' (Foto: Divulgação)


Jim Kelly, o ator e mestre em karatê que interpretou Williams em “Operação dragão”, filme protagonizado por Bruce Lee, morreu no sábado (29), aos 67 anos. A notícia foi divulgada por sua ex-mulher, Marilyn Dishman, que não revelou a causa.

Em um comunicado no Facebook, neste domingo, ela disse que James Milton Kelly, mais conhecido como Jim Kelly, havia falecido no sábado e que sua filha, Sabrena Kelly-Lewis, precisa agora de “todos os bons pensamentos e orações” dos amigos. Ainda de acordo com Dishman, não haverá qualquer cerimônia religiosa no funeral do ex-marido.

“Operação dragão”, de 1973, foi o filme mais conhecido do ator, que deixou a carreira na metade da década de 80 para se tornar técnico profissional de tênis. Embora tenha atuado em outros títulos, como “Jones, o faixa preta” e “Black samurai”, era graças ao trabalho ao lado de Lee que ele continuava recebendo convites para participar de convenções e outros eventos. Em 2009, a presença de Kelly na Comic-Con de San Diego, nos Estados Unidos, atraiu uma grande quantidade de fãs.

'Ela está humilhada', diz tio de jovem estuprada em UTI de Santos.

'Ela está humilhada', diz tio de jovem estuprada em UTI de Santos

Suspeito foi preso na madrugada deste sábado (29).
Hospital Guilherme Álvaro diz em nota que abrirá sindicância para apuração

Anna Gabriela Ribeiro Do G1 

Tio da vítima diz que jovem está abalada
(Foto: Anna Gabriela Ribeiro / G1)
Tio da vítima diz que jovem está abalada (Foto: Anna Gabriela Ribeiro / G1) O tio da jovem de 22 anos, que afirma ter sofrido abuso sexual na UTI de um hospital em Santos, no litoral de São Paulo, afirma que a sobrinha ligou para a família imediatamente para pedir socorro. Ele conta ainda que o suspeito se disse inocente o tempo todo, mas que a família vai lutar por Justiça.

O comerciante Luis Santos Menezes explica que a sobrinha, que está grávida de quatro meses, ligou para a família aos prantos após sofrer abusos de um auxiliar de enfermagem, de 47 anos. “Ficamos sabendo por telefone, ela pegou o celular que estava com ela e ligou para nós umas 2h, dizendo que tinha sido molestada pelo enfermeiro e que ele teria tentado estuprá-la. As próprias enfermeiras chamaram a polícia e ele se fazia de vítima, só que nós não estávamos sabendo dos precedentes que ele já tinha, em relação a estupro”, diz Luis.

O tio conta que a jovem ficou bastante abalada. “Estive com ela e estava muito agitada, está se sentindo humilhada. Estamos preocupados porque ela está com quatro meses de gestação e está com sérios problemas pulmonares. Os médicos estão fazendo baterias de exames, isso já causa um transtorno para ela, e ontem o que ela sofreu foi uma humilhação", explica o tio.

A família diz que não tem nenhuma reclamação referente a problemas no hospital, apenas da situação com o enfermeiro na madrugada. "Não tenho queixas do hospital em relação à equipe médica, mas um funcionário desse denigre a imagem do hospital e tem que ser tomada providência para que não aconteça com outras pessoas, como foi ela poderia ter sido com uma criança. Isso para mim é um animal, desculpe, mas é um animal”, desabafa o tio da vítima.
Segundo o familiar, o suspeito alegou inocência. “Ele falava que ela podia estar dopada e imaginando coisas, mas uma pessoa dopada não vai pegar um celular e ligar pedindo socorro como ela fez, por mais que a medicação seja forte, isso não vem ao caso. Mas essa pessoa tem antecedente, então quem é errado? Ela está mentindo ou ele está mentindo? Se ele não tivesse antecedente, nós até poderíamos relevar alguma coisa”, diz Luis. O suspeito, preso em flagrante, tinha passagens pela polícia por estupro e atentado ao pudor.

Luis afirma que a família espera que alguma providência seja tomada para contornar a situação. “Infelizmente sofri uma humilhação ontem. A família quer que a Justiça seja feita, que seja averiguado o que ocorreu realmente, que a polícia tome providência e que o hospital tome as providências também com o funcionário. Ela se batia, chorava muito, a mãe está com ela para evitar que fique mais nervosa, mas queremos Justiça”, finaliza o tio.

Em nota, o Hospital Guilherme Álvaro informou que abriu sindicância para apurar o caso e que o auxiliar de enfermagem foi, imediatamente, afastado de suas funções. A nota diz ainda que o hospital está à disposição para quaisquer esclarecimentos às autoridades e à família da paciente.

Exame comprova que suspeito de matar mulher a marteladas teve surto psicótico após o crime.

Exame comprova que suspeito de matar mulher a marteladas teve surto psicótico após o crime

Extra
 
 
Talita foi morta a marteladas na última terça-feira Foto: Reprodução da internet /
A Secretaria municipal de Saúde informou que o analista de sistemas Mario Henrique Rodrigues Lopes, de 28 anos, suspeito de matar a marteladas a mulher, Talita Juliane Peixoto Paiva, de 24, sofreu mesmo um surto psicótico. Os policiais da Divisão de Homicídios (DH) tentaram ouvi-lo no Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, onde ele está internado, mas isso não foi possível porque ele não tinha condições de dar a sua versão para o crime, ocorrido na última terça-feira, em Vila Isabel.

Segundo a Secretaria municipal de Saúde, Mario Henrique foi submetido a um exame que comprovou o distúrbio e ele estaria aguardando uma vaga no manicômio judiciário, já que está sem condições de ir para uma prisão normal.

A polícia aguarda uma melhora no estado de saúde de Mario Henrique para colher um depoimento formal dele.

Camaro fica pendurado em viaduto.

Motorista perde controle e Camaro fica pendurado em viaduto no Paraná

Acidente aconteceu na madrugada deste domingo (30), em Foz do Iguaçu.
Carro com placas do Paraguai precisou ser guinchado. Ninguém se feriu.

Do G1 PR

Camaro com placas do Paraguai ficou pendurado a uma altura de quase cinco metros (Foto: Enrique Alliana) 
Camaro com placas do Paraguai ficou pendurado a uma altura de quase cinco metros 
(Foto: Enrique Alliana)

Um motorista estrangeiro perdeu o controle do veículo que dirigia e por pouco não despencou de uma altura de quase cinco metros na madrugada deste domingo (30), em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. O acidente aconteceu por volta da 0h no viaduto da BR-277 que dá acesso à Ponte Internacional da Amizade, na fronteira entre o Brasil e o Paraguai.
De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o proprietário do Camaro, de placas do Paraguai, disse não ter conseguido fazer a curva de um dos acessos ao viaduto e acabou saindo da pista com o veículo. Como o condutor não aparentava sinais de embriaguez, os patrulheiros não fizeram o teste do bafômetro. 
Funcionários da Concessionária Ecocataratas - responsável pelo trecho da rodovia entre Foz do Iguaçu e Guarapuava - foram acionados para sinalizar o local do acidente até a chegada de um guincho. O veículo só foi retirado do viaduto por volta das 2h. Ninguém se feriu.

Carro atravessa pista e atropela espectadores de exibição na Polônia.

Carro atravessa pista e atropela espectadores de exibição na Polônia

Piloto norueguês perdeu o controle do veículo e feriu 17 pessoas.
Espectadora registrou em vídeo o momento do acidente.

Do G1

Vídeo do acidente (Foto: Reprodução/YouTube/pauluniaa2)
Vídeo do acidente na Polônia (Foto: Reprodução/YouTube/pauluniaa2) Um carro de luxo que participava de uma exibição neste domingo (30) em Poznan, na Polônia, avançou sobre o público e deixou 17 pessoas feridas, incluindo duas crianças. Quatro estão em estado grave, mas, de acordo com uma declaração oficial emitida pelo governo local, ninguém corre risco de morrer.

Em um vídeo gravado por uma das espectadoras é possível ver o momento exato em que o motorista perde o controle do veículo em uma reta e atravessa uma barreira de proteção, atropelando parte do público. Assista ao vídeo clicando aqui.

Segundo a agência de notícias polonesa PAP, o motorista é um norueguês e seu carro foi fabricado pela montadora sueca Koenigsegg. O acidente aconteceu durante um evento chamado Gran Turismo Polonia, que reúne carros esportivos raros e de luxo.

Espectadores ajudam a socorrer as vítimas do atropelamento no Grand Turismo Polonia  (Foto: AP Photo/Wojciech Wloch) 
Espectadores ajudam a socorrer as vítimas do atropelamento no Grand Turismo Polonia (Foto: AP Photo/Wojciech Wloch)

Menina de dois anos é baleada dentro do carro em Betim, na Grande BH.

Menina de dois anos é baleada dentro do carro em Betim, na Grande BH

Este é o 2º caso de criança atingida por tiro dentro de carro em 14 dias.
A menina foi levada em estado grave e está internada no CTI.

Do G1 

 
 Uma menina de dois anos foi baleada quando estava dentro de um carro com a mãe, no início da madrugada deste sábado, em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Este é o segundo atentado onde uma criança de dois anos é baleada em 14 dias na Grande BH. No último dia 15, um menino de dois anos morreu em uma tentativa de assalto, dentro do carro do pai, em Contagem. Segundo a ocorrência da PM, o tiro foi dado nas costas e passou pelo abdome.
De acordo com a Polícia Militar, a mãe, que tem 20 anos, contou a policiais que estava dentro do carro com o marido, o primo e a filha. Eles iam pela Rua Liberdade em direção ao bairro São Luiz, em Betim, quando um Palio de cor escura ficou emparelhado com o carro e indivíduos não identificados dispararam. A jovem relata que quando percebeu que a menina tinha sido atingida, saiu do carro para pedir socorro. Neste momento, o marido e pai da criança e o primo, cujas idades não foram divulgadas, fugiram do local.
Uma pessoa que passava pelo local no momento do atentado socorreu a mãe e a criança, que foram levadas para a Unidade de Atendimento Imediato (UAI) do bairro Teresópolis, e depois para o Hospital Regional de Betim. No Hospital, funcionários confirmaram que a menina está internada no Centro de Tratamento Intensivo (CTI), mas o estado de saúde não foi revelado.
De acordo com a PM, a mãe não é considerada suspeita. O pai, o primo da família e o carro onde estavam, um Escort de cor branca, não foram encontrados.

Manifestantes seguem na ocupação da Câmara Municipal de BH.

Manifestantes seguem na ocupação da Câmara Municipal de BH

Segundo ativistas, cerca de 200 pessoas continuam na sede do Legislativo.
Eles conseguiram fogão a gás e de almoço farão macarronada e arroz.

Do G1

Cerca de 200 pessoas ocupam, neste domingo (30), a Câmara Municipal de Belo Horizonte, no bairro Santa Efigênia, na Região Centro-Sul da capital. De acordo com Verônica Gomes, assessora de comunicação do Movimento da Mulher Olga Benário, os manifestantes realizam atividades culturais como oficina de cartazes, tocam violão e piano. “A gente dá preferência para a música brasileira como samba, bossa nova e [canções da época] da Tropicália”, explicou.
Segundo a Polícia Militar (PM), a movimentação das pessoas é tranquila e não há incidentes registrados neste domingo.
Verônica disse que cerca de 300 pessoas dormiram na câmara. Eles se reuniram e fizeram um sarau que começou às 21h deste sábado e terminou durante a madrugada.
Ela falou que eles conseguiram um fogão a gás e que de almoço farão uma macarronada com arroz temperado. Segundo a ativista, os alimentos foram conseguidos por meio de doações.
Neste domingo, às 15h, os manifestantes farão uma assembleia para decidir se permanecem na sede do Poder Legislativo municipal.

Atleta do nado sincronizado morre em acidente.

Atleta do nado sincronizado morre em acidente em Macaé, no RJ

Marcela Pereira, de 22 anos, morreu neste sábado em acidente de carro.
Ela estava a caminho de Macaé quando veículo bateu em uma carreta.

Do G1 


Marcela Pereira, à direita, na apresentação do
patrocínio da Caixa (Foto: Richard Souza)
Atleta do Flamengo, Marcela Pereira, de 22 anos, morre em acidente de carro (Foto: Marcela Pereira (à dir.) na apresentação do patrocínio da Caixa (Foto: Richard Souza)) Marcela Pereira, de 22 anos, atleta do nado sincronizado do Flamengo, morreu no começo da madrugada deste sábado (29) em um acidente de carro, no Km 159 da BR-101, a caminho de Macaé, na Baixada Litorânea. No acidente, outras três pessoas ficaram feridas, sendo duas em estado grave. As vítimas foram encaminhadas ao Hospital Público de Macaé (HPM). A que sofreu ferimentos leves já foi liberada. O carro em que Marcela estava fazia uma ultrapassagem, mas acabou batendo em uma carreta que transportava frutas e legumes. Uma outra carreta carregada com 60 toneladas de mármore, também se envolveu no acidente. O congestionamento no local chegou a cinco quilômetros e o trânsito fluiu no sistema de pare e siga.


Atleta Marcela Pereira morre em acidente de carro. (Foto: Reprodução / Inter TV) 
Atleta Marcela Pereira morre em acidente de carro. (Foto: Reprodução / Inter TV)
 
Congestionamento foi de cinco quilômetros
(Foto: Reprodução / Inter TV)
Atleta Marcela Pereira morre em acidente de carro. (Foto: Reprodução / Inter TV) Parte da carreta carregada com mármore ficou sobre a ponte do Rio São Pedro. Policiais da Policia Rodoviária Federal e funcionários da concessionária que administra a rodovia passaram o dia trabalhando na desobstrução da via.

Marcela Pereira também integrou as Seleções Brasileiras juvenil e junior de 2005 a 2008. Neste sábado (29) a Confederação Brasilseira de Desportos Aquáticos (CBDA) divulgou nota lamentando o ocorrido em nome de toda a comunidade do nado sincronizado brasileiro.
A Confederação confirmou que Marcela Pereira será sepultada no Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro, às 16h deste domingo (30).

Aos 2 anos, garoto tem QI maior que o de Barack Obama e é aceito em sociedade britânica de gênios.

Garoto de 2 anos com QI alto é aceito em sociedade britânica de gênios

Adam Kirby lê Shakespeare e está aprendendo novos idiomas.
Menino tem QI mais alto que o estimado para Barack Obama, diz agência.

Do G1

O menino Adam Kirby, de dois anos, que tem QI de 141 (Foto: Mikey Jones/Caters News) 
O menino britânico Adam Kirby, de dois anos, que tem QI de 141 
(Foto: Mikey Jones/Caters News)


Um garoto britânico de dois anos tornou-se o mais jovem membro de uma sociedade formada por pessoas de alto QI, a Mensa, fundada na Inglaterra em 1946, segundo a agência de notícias Caters. Adam Kirby fez um teste que lhe deu 141 como índice de QI, mais alto que o estimado para o presidente dos EUA, Barack Obama, e para o primeiro-ministro britânico, David Cameron, ainda de acordo com a agência.

Apesar de não ser capaz de falar frases completas, o garoto lê Shakespeare e está aprendendo três idiomas: japonês, espanhol e francês, afirma a Caters. Os pais dizem ter percebido que o filho era especial quando ele leu um livro e "se treinou" para ir ao banheiro sozinho com apenas um ano.
Seu pai, Dean Kirby, de 33 anos, disse ao jornal britânico "Daily Mail" que as habilidades de Adam são "surpreendentes". "Enquanto a maioria das crianças está aprendendo a engatinhar ou ficar em pé, Adam lê muito, e a impressão que temos é que seu desenvolvimento é muito rápido", contou.
"Costumávamos mostrar a ele cartões com as palavras 'rinoceronte' e hipopótamo', quando ele era menor, e ele conseguia quase sempre identificar os animais corretamente", relatou o pai ao jornal. Com apenas dois anos, o garoto já consegue falar mais de cem palavras, está aprendendo a tabela periódica e outros feitos, de acordo com a Caters.

sábado, 29 de junho de 2013

Fotógrafo brasileiro faz expedição ao Polo Norte e clica 'baleia-unicórnio'.

Fotógrafo brasileiro faz expedição ao Polo Norte e clica 'baleia-unicórnio'

Animal possui dente de marfim que se projeta para fora da cabeça.
Baleia narval habita o Ártico e é rara de ser fotografada, diz Daniel Botelho.

Rafael Sampaio Do G1

Macho de baleia narval fotografado por Daniel Botelho (Foto: Divulgação/Daniel Botelho) 
Macho de baleia narval fotografado por Daniel Botelho (Foto: Divulgação/Daniel Botelho)


Fotógrafo brasileiro com experiência em clicar imagens subaquáticas e animais marinhos, Daniel Botelho participou de uma expedição de dez dias ao Polo Norte, no início do mês de junho, e retornou ao brasil há cerca de uma semana. Ele fotografou icebergs, paisagens de gelo e grupos de baleias narval - animais naturais do Ártico, conhecidos pelo macho possuir uma presa parecida com um "chifre", que é, na verdade, um dente de marfim que se projeta por até três metros da cabeça. O cetáceo, segundo a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), também é conhecido como "baleia-unicórnio".
"É um animal raro de ser fotografado", disse Botelho. A viagem começou em Ottawa, no Canadá, e seguiu para um povoado remoto no norte do país chamado Arctic Bay. De lá, o fotógrafo seguiu de trenó por dois dias até chegar ao acampamento do grupo da expedição, que foi montado em uma região congelada do oceano.
O grupo explorou regiões de neve próximas à beira do mar, onde o gelo é fino e rachaduras formam-se com facilidade. As temperaturas fora da água chegavam a 30 ºC negativos, conta Botelho. "Nosso acampamento-base ficava recuado desse limite. Às vezes eram centenas de metros de gelo partido a partir de um certo ponto, que nos impediam de prosseguir. Isso foi uma das maiores dificuldades", relata.


Grupo de baleias narval nada no Ártico próximo a
fotógrafo (Foto: Divulgação/Daniel Botelho)
Grupo de baleias narval nada no Ártico próximo a fotógrafo (Foto: Divulgação/Daniel Botelho) Roupas especiais, máscaras, luvas e equipamento de mergulho foram usados por Botelho, além de aparelhagem de fotografia preparada para imagens dentro do mar. "Eu pensava: 'vou ficar com dor, vou queimar o rosto, mas eu sei que a vantagem de estar ali é interagir o máximo de tempo com o animal [baleia narval], para ele se acostumar à minha presença'", afirma o fotógrafo.
Tanto esforço foi recompensado: Botelho chegou a nadar cerca de um quilômetro para longe do grupo, de expedição em um dos dias em que entrou na água, próximo ao local onde imaginava que as "baleias-unicórnio" estariam. O dia estava escuro, o clima era terrível, conta ele. Mesmo assim, uma baleia macho passou pelo explorador e se deixou fotografar.
Depois de algumas imagens, o fotógrafo decidiu nadar de volta para próximo de onde estava o grupo da expedição. "Aconteceu uma das coisas mais incríveis. Eu olho para o lado, sinto um cutucão na perta esquerda, é uma narval fêmea me cutucando, perto", conta. Ele disse ter ficado chocado com o contato tão próximo do animal, que o seguiu. "Foi um momento muito especial", relata.
"[O Ártico] É um ambiente lindo, singular, mas ao mesmo tempo um lugar onde é possível morrer facilmente" devido ao frio e às condições adversas, explica o fotógrafo. Ele ressalta que é a primeira vez que viaja à região do Polo Norte. Botelho chegou a ficar quatro horas dentro da água para fazer imagens de icebergs. O território, diz ele, é "maravilhosamente mortal".


Baleia narval fêmea se aproxima de fotógrafo enquanto ele nada rumo ao grupo da expedição (Foto: Divulgação/Daniel Botelho) 
Baleia narval fêmea se aproxima de fotógrafo enquanto ele nada  
(Foto: Divulgação/Daniel Botelho)
 
 
Iceberg fotografado em mergulho subaquático no Ártico (Foto: Divulgação/Daniel Botelho) 
Iceberg fotografado em mergulho subaquático no Ártico (Foto: Divulgação/Daniel Botelho)
 
 
 
Membros da expedição sobre bloco de gelo próximo a local onde fotógrafo mergulhou (Foto: Divulgação/Daniel Botelho) 
Membros da expedição sobre região de gelo e neve no Ártico 
(Foto: Divulgação/Daniel Botelho)
 
 
Tendas de acampamento de expedição ao Polo Norte (Foto: Divulgação/Daniel Botelho) 
Tendas de acampamento de expedição ao Polo Norte (Foto: Divulgação/Daniel Botelho)

Menina de 14 anos que desapareceu no Paraná foi estuprada e morta !

Menina que desapareceu no Paraná foi estuprada e morta, diz polícia

Adolescente tinha 14 anos e estava desaparecida desde terça-feira (25).
Até as 10h50 desta sexta (28) o corpo não tinha sido localizado pela polícia.

Adriana Justi Do G1

Tayná Adriane da Silva tinha 14 anos
(Foto: Reprodução/RPC TV)
Tayná Adriane da Silva (Foto: Reprodução/RPC TV) Os quatro funcionários de um parque de diversões instalado em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, confessaram ter estuprado e matado a adolescente Tayná Adriane da Silva, de 14 anos, que estava desaparecida desde terça-feira (25), segundo a Polícia Civil. De acordo com o chefe de investigações da delegacia do Alto Maracanã, Rudi Eloy, os presos confessaram a participação no crime durante o depoimento na noite de quinta-feira (27). Até as 10h50 desta sexta-feira (28) o corpo não tinha sido localizado.
"Eles disseram que seguiram a garota quando ela estava passando em frente ao parque. Depois, levaram para um matagal e a estupraram", relatou Eloy. O chefe de investigações também disse que os homens ainda enterraram o corpo da menina no local. "Só que eles ainda não explicaram exatamente onde está o corpo. Desde ontem nós estamos fazendo buscas para tentar localizar".
O desaparecimento de Tayná Adriane da Silva causou manifestação em Colombo. Moradores protestaram no parque de diversões onde os suspeitos trabalham ateando fogo em diversos brinquedos. Mesmo com o reforço policial, os manifestantes não foram contidos.
A mãe de Tayná, Cleuza Cadomá da Silva, contou que a filha tinha saído de casa para ir até a casa de um amigo. Como ele não estava em casa, ela seguiu para a casa de uma amiga. Tayná chegou a mandar uma mensagem de texto pelo celular para a mãe dizendo que estava voltando para casa, mas desapareceu.
"Quando ela saiu da casa dessa amiga, me mandou uma mensagem pelo celular dizendo que estava voltando, mas até agora eu não tive mais notícias", relatou. A distância entre a casa de Tayná e da amiga com quem ela teria se encontrado, é de aproximadamente um quilômetro.

Mãe diz que menino de 5 anos pediu a assaltantes para 'não morrer'.

Mãe diz que menino de 5 anos pediu a assaltantes para 'não morrer'

Pais disseram ao G1 que criminosos atiraram porque criança chorava.
Ladrões queriam mais dinheiro e ameaçaram garoto várias vezes em SP.

Kleber Tomaz Do G1

Crianças participam de protesto realizado por imigrantes bolivianos pedindo justiça em frente à residência da família do menino Bryan Yanarico   Capch, no Jardim São Rafael, na zona leste de São Paulo. (Foto: Epitácio Pessoa/Estadão Conteúdo) 
Em frente à casa da família, crianças protestam pedindo justiça. 
(Foto: Epitácio Pessoa/Estadão Conteúdo)
 
 
A mãe do menino de 5 anos que foi assassinado com um tiro na cabeça durante um assalto na madrugada desta sexta-feira (28) na região de São Mateus, Zona Leste de São Paulo, afirmou que o filho pediu aos criminosos para "não morrer". Durante a ação, os assaltantes ameaçavam o menino com uma faca no pescoço e atiraram, segundo os pais, porque a criança chorava e a família não tinha mais dinheiro.
“Não me mate, não mate minha mãe”, foram as últimas palavras da criança antes de ser baleada, relatou nesta manhã ao G1 a mãe, a costureira boliviana Veronica Capcha Mamani, de 24 anos. Brayan Yanarico Capcha era filho único dela e do marido, Edberto Yanarico Quiuchaca, 28. A criança chegou a ser socorrida e levada ao Hospital Geral de São Mateus, mas chegou morta ao local.
A Polícia Civil investiga o caso e procura a quadrilha, que fugiu com R$ 4,5 mil das vítimas após o crime. Seis criminosos armados com revólveres e facas invadiram o sobrado onde o casal mora e trabalha com costura na Vila Bela durante a madrugada desta sexta. No local moram mais outras família. Cinco dos bandidos usavam máscaras para não serem identificados. O bando rendeu o tio da vítima que chegava com o carro na garagem, por volta da 0h30.
Dois assaltantes carregavam armas e quatro estavam com facas. Alguns criminosos ficaram com o tio no andar térreo do imóvel e os outros subiram para o andar superior da casa, onde renderam os pais de Brayan. De acordo com as vítimas, os bandidos eram brasileiros.
Os pais contaram ter dado R$ 3,5 mil aos assaltantes, mas eles exigiam mais. Em seguida, o tio entregou R$ 1 mil aos bandidos, que não se deram por satisfeitos e passaram a ameaçar matar Brayan com uma faca caso não recebessem mais dinheiro. Veronica relatou que ainda abriu a carteira vazia e mostrou aos bandidos. "Não tinha mais nada", disse ela, que está há seis meses no Brasil, depois de vir com o marido e filho da Bolívia.
A costureira disse ainda que segurou o menino no colo durante o assalto, se ajoelhou e implorou que os criminosos não matessem a criança. Porém, assustado com a situação, o garoto chorava muito, o que irritou os bandidos. Ela relatou que o criminoso gritava para o menino "parar de chorar" e não chamar a atenção dos vizinhos. Irritado com o choro da criança, um dos criminosos atirou na cabeça do menino, que completaria 6 anos de idade no próximo dia 6 de julho.
"Em seguida, sem nada dizer, friamente o ladrão apontou para a cabeça da criança e disparou contra sua cabeça", informa o resumo do boletim de ocorrência registrado como latrocínio no 49º Distrito Policial, em São Mateus.


Veronica e Edberto Yanarico mostram documento de
identidade do filho assassinado (Kleber Tomaz / G1)
Pais de boliviano morto (Foto: Kleber Tomaz / G1)'Insaciáveis'
De janeiro até maio deste ano, o 49º DP ainda não havia tido nenhum caso de roubo seguido de morte. Policiais civis ouvidos pela equipe de reportagem investigam a possibilidade de os criminosos conhecerem às vítimas já que alguns deles cobriam os rostos. Também não é descartada a hipótese de a motivação do crime ter sido por vingança devido à crueldade contra a criança.
O crime foi considerado tão hediondo pelos policiais civis que eles chamaram os criminosos de insaciáveis no boletim de ocorrência. "Insaciáveis, extremamente agressivos e cruéis, demonstrando profunda depravação espiritual, visto que os bolivianos não dispunham de mais nenhuma quantia em dinheiro, não satisfeitos, um dos ladrazes que fazia uso de capuz para esconder sua fisionomia, veio a efetuar um disparo de arma de fogo na cabeça da criança, evadindo-se em seguida para rumo ignorado".

Segundo o registro do caso na polícia, o local onde ocorreu o crime é uma área de invasão. Os pais de Brayan disseram ao G1 que não têm inimigos no Brasil e que a situação deles está regularizada desde que vieram de La Paz. Como falam o idioma Aimará e um pouco de espanhol, a conversa com eles foi acompanhada de parentes que falam português e serviram como tradutores.
"A única coisa que queremos agora é Justiça e a prisão dos culpados. Depois queremos ir embora daqui e volta a morar na Bolívia. Viemos aqui em busca de empregos melhores, mas só encontramos violência", disse Edberto, que ainda não havia decidido se o sepultamento do filho Brayan ocorreria no Brasil ou em La Paz. "Precisamos de ajuda financeira para retornar, mas não conseguimos falar com o consulado".
A equipe de reportagem também não localizou o Consulado Geral da Bolívia em São Paulo para comentar o assunto. De acordo com representantes da Associação de Residentes Bolivianos na capital paulista, São Mateus passou a concentrar muitas comunidades bolivianas na região por causa do preço do aluguel.


Prioridade máxima
 
Até o início desta manhã, a polícia ainda não havia identificado os criminosos ou detidos suspeitos do crime.
O secretário da Segurança Pública do Estado de SP, Fernando Grella Vieira, afirmou nesta tarde que cobrou prioridade máxima no esclarecimento do caso e na prisão dos criminosos. "Temos uma pista. A polícia está toda empenhada. É um crime difícil porque não havia câmeras, não havia elementos outros de informação. Então vai exigir muito trabalho de campo. E eu queria aproveitar a presença dos senhores para solicitar à população através do Disque-Denúncia, 181, que ajude a polícia".
A delegacia especializada em latrocínios do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) e o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) também ajudam nas investigações.


Pais de boliviano morto  (Foto: Kleber Tomaz / G1) 
Pais de boliviano dizem que pretender voltar para a terra natal (Foto: Kleber Tomaz / G1)

Americano celebra nova vida após se recuperar de transplante de face.

Americano celebra nova vida após se recuperar de transplante de face

Richard Norris recebeu nova mandíbula, dentes e língua em 2012.
Ele voltou a estudar e trabalha na produção de um livro sobre sua vida.

Da AP
 
 
O americano Richard Norris, que passou em 2012 por um transplante de face considerado um dos mais extensos já feitos, comemora sua recuperação e sua nova vida pouco mais de um ano após a cirurgia. O homem, que recebeu uma nova mandíbula, dentes e língua em março de 2012, voltou a estudar e trabalha em um livro que conta a história de sua vida.


Richard Norris em foto de 18 de junho durante consulta ao psiquiatra que o acompanha após transplante de face. Imagem foi divulgada nesta sexta-feira (28) (Foto: Patrick Semansky/AP) 
Richard Norris em foto de 18 de junho durante consulta ao psiquiatra que o acompanha após transplante de face. Imagem foi divulgada nesta sexta-feira (28) (Foto: Patrick Semansky/AP)


Richard atirou acidentalmente contra seu rosto com uma arma de fogo em 1997, e até a cirurgia vivia recluso. Durante o período, ele enfrentou a crueldade de estranhos, lutou contra o vício em remédios e até pensou em suicídio. Agora, depois da cirurgia e com uma recuperação considerada exemplar pelos médicos, ele diz que, se pudesse voltar no tempo, talvez não apagaria o episódio de sua vida.
 
“Os mais de 10 anos de horror que vivi me deram um grande conhecimento”, disse Norris à Associated Press, em sua segunda entrevista após o transplante. “Isso colocou algumas das melhores pessoas que conheço na minha vida”.
Aos 38 anos, ele começou a fazer aulas pela internet em busca de um diploma em sistema da informação e quer criar uma fundação para ajudar futuros pacientes de transplante de rosto a bancar os gastos durante o tratamento. Ele também tem trabalhado com um fotojornalista em um livro sobre sua vida que foi recentemente finalizado, com o título “As duas faces de Richard”.
Ele espera que sua história envie uma mensagem de esperança para pessoas em situações semelhantes.


Fotos mostram Richard antes do acidente, após atirar contra si mesmo e a evolução depois de passar pelo transplante de face (Foto: University of Maryland Medical Center e Pat Semansky/AP) 
Fotos mostram Richard antes do acidente, após atirar contra si mesmo e a evolução 
depois de passar pelo transplante de face 
(Foto: University of Maryland Medical Center e Pat Semansky/AP)
 
 
Depois do acidente, Richard ficou sem dentes, nariz e partes de sua língua. Ele podia falar e identificar sabores, mas perdeu o olfato. Quando saía em público, normalmente à noite, se escondia com uma máscara.
Ele passou por dezenas de cirurgias para tentar recuperar sua face, mas eventualmente seu corpo chegou a um limite. Foi quando um de seus médicos sugeriu um transplante de rosto.
O medico Eduardo Rodriguez, que liderou a equipe que fez o transplante, já vinha trabalhando na área há algum tempo. O time explicou todos os riscos, como a rejeição dos tecidos, para todos os familiares. A mãe de Richard, Sandra, lembra do risco de 50% de seu filho morrer durante a cirurgia.
Os tecidos recebidos por Richard eram de Joshua Aversano, um jovem de 21 anos morto após ser atropelado. A família do doador não quis dar entrevistas, mas emitiu um comunicado. “Somos gratos por saber que o legado de Joshua irá continuar através das vidas das pessoas que ele foi capaz de salvar com a doação de órgãos e tecidos”.


Richard Norris trabalha com material de pesca em foto de 25 de junho (Foto: Chuck Burton/AP) 
Richard Norris trabalha com material de pesca em foto de 25 de junho 
(Foto: Chuck Burton/AP)
 
Richard contou que conversa com a família do doador regularmente e os mantém atualizados sobre sua vida e condições de saúde.
A cirurgia de 36 horas sofrida por Richard ainda é considerada a mais extensa já conduzida na área de transplante de face porque incluiu o transplante de dentes, mandíbula, parte a língua e todo o tecido desde o couro cabeludo até a base do pescoço.
Richard terá que tomar remédios contra a rejeição dos tecidos pelo resto da vida. O médico que fez a cirurgia disse esperar que o transplante possa ter duração de 20 a 30 anos.
Enquanto isso, o americano que precisou reaprender a falar, comer e andar novamente, vai ajustando a vida aos poucos. Ele continua frequentando a terapia e viaja frequentemente para consultas médicas.
Mas a maior diferença em sua vida é poder aparecer em público novamente sem se sentir observado e excluído. “Infelizmente, as pessoas faziam comentários que nunca fariam a alguém em uma cadeira de rodas, por exemplo”. “Quando eu estava desfigurado, me surpreendia como as pessoas me encaravam. Agora, ninguém presta atenção. A não ser que a pessoa me conheça pessoalmente, ninguém sabe que passei por um transplante de face.”

Ato no Rio tem velas contra 'cura gay'.

Manifestantes protestam contra 'cura gay' durante mais de 4 horas no Rio

Ato reuniu aproximadamente mil pessoas no Centro da cidade.
Concentração foi na Igreja da Candelária e terminou em frente à Câmara.

Priscilla Souza Do G1 

candelaria velas cura gay (Foto: Kátia Carvalho/Estadão Conteúdo) 
Manifestantes pedem a saída do deputado Marco Feliciano da presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara (Foto: Kátia Carvalho/Estadão Conteúdo)
 
 
Cerca de mil manifestantes caminharam pelo Centro do Rio, nesta sexta-feira (28), num protesto contra o projeto de "cura gay", aprovado pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, em Brasília. O ato, iniciado na Candelária, terminou em frente a Câmara do Rio, mais de quatro horas depois da concentração. O tráfego da Avenida Rio Branco chegou a ser fechado.
A psicóloga Fernanda Haikal, do Conselho Regional de Psicologia, foi à manifestação em apoio ao movimento e criticou o projeto do deputado Marco Feliciano, que preside a comissão responsável pela aprovação do projeto. "Considero a medida perversa porque não se trata de uma doença, nem uma opção, mas de uma condição. No entendimento da psicologia, nós profissionais podemos acolher e orientar para amenizar a dor do preconceito, se for o caso, mas não podemos mudar o que a pessoa é", disse.

Eula Rochard, artista, quer que Dilma proteja grupo
LGBT. (Foto: Priscilla Souza/G1)
Eula Rochard, artista, quer que Dilma proteja grupo LGBT.  (Foto: Priscilla Souza) Além de protestarem contra o projeto de "cura gay", os manifestantes são contra o estatuto do nascituro e pedem a elaboração de uma lei que criminalize a homofobia. "Queria que a Dilma se posicionasse em relação à população LGBT. Não pode deixar esse cara [deputado Marco Feliciano] ficar massacrando a população  LGBT, que também votou nela, sem fazer nada", disse Eula Rochard, artista e membro do  Grupo Diversidade de Niterói.

A manifestação aconteceu no Dia Mundial do Orgulho Gay. Para Moreira, a aprovação da lei que criminaliza a homofobia é de fundamental importância para a comunidade LGBT. "Enquanto isso não acontecer, a violência vai continuar. Só no ano passado, foram 338 assassinatos no estado do Rio. E essa é uma violência que atinge a sociedade como um todo", disse, acrescentando que a lei tramita no Congresso Nacional desde 2001.
Entre os cânticos da manifestação: "eu amo homem, amo mulher. Tenho direito de amar quem eu quiser" e "fora Feliciano".

Julio Moreira (à esquerda na foto) quer legislação
contra homofobia (Foto: Priscilla Souza/G1)

Julio Moreira quer legislação contra homofobia (Foto: Priscilla Souza) O secretário de Ambiente, Carlos Minc, chegou por volta de 17h30 à concentracão do ato. Minc é autor de uma lei estadual que punia estabelecimentos comerciais que discriminam a comunidade LGBT e ficou em vigor durante 12 anos. Em 2012, a lei foi derrubada pelo Tribunal de Justiça. No entanto, este ano o governador Sérgio Cabral enviou à Assembleia Legislativa do Rio o projeto de lei 2.054, com o mesmo teor. Para o secretário, a votação da lei, uma das reivindicações dos manifestantes, é de fundamental importância.
"Há uma resistência na Alerj, mas é preciso repor a lei que foi derrubada", disse.
Minc também criticou o projeto de "cura gay". "Isso é a mesma coisa que dizer que 12% da população é doente. Não se pode dizer "seu jeito de amar é doente". Quem pensa assim não bate bem da cachola", disse o secretário, acrescentando que acredita que o projeto não vá avançar por causa das manifestações:  "Do mesmo jeito que não aprovaram a PEC 37, não vai passar. Agora, está todo mundo bonzinho. A voz das ruas é um fluído mágico. Um elixir da felicidade", afirmou o secretário.


Manifestantes fazem ato, no Rio, pedindo a criminalização da homofobia (Foto: Marcelo Piu/ Agência O Globo) 
Manifestantes fazem ato, no Rio, pedindo a criminalização da homofobia 
(Foto: Marcelo Piu/ Agência O Globo)

Califórnia volta a ter casamento gay após 5 anos.

Gays se casam na Califórnia após proibição de 2008 ser suspensa

Casais oficializaram união homoafetiva nesta sexta, em Los Angeles.
Casamento entre pessoas do mesmo sexo era proibido pela Proposição 8.

Do G1


O casal Paul Katami e Jeff Zarrillo se casaram nesta sexta-feira (28), na Califórnia, EUA, após revogação da Proposição 8 (Foto: REUTERS/Lucy Nicholson) 
O casal Paul Katami e Jeff Zarrillo se casou nesta sexta (28), na Califórnia 
(Foto: Lucy Nicholson/Reuters)


O estado da Califórnia, nos EUA, contou com seus primeiros casamentos gays em cinco anos depois que um tribunal federal americano suspendeu, na sexta-feira (28), a proibição da união homoafetiva. Segundo a agência de notícias France Presse, a Corte de Apelações em São Francisco, que legisla para todo o estado, anunciou que a decisão tinha efeito imediato. Para comemorar, casais homossexuais decidiram oficializar sua união na própria sexta.

Na Califórnia, os casamentos entre pessoas do mesmo sexo haviam sido admitidos por um breve período em 2008, até o veto no referendo que aprovou a chamada Proposição 8. Essa decisão ficou em vigor até o ano passado, quando foi declarada inconstitucional.
Porém, grupos que são contra a união civil entre homossexuais entraram com um recurso na Suprema Corte dos Estados Unidos, instância máxima da Justiça americana. Os juízes da Suprema Corte então instruíram a Corte de Apelações de São Francisco que suspendesse a proibição.


Celebração
 
O casal Paul Katami e Jeff Zarrillo esperou por cinco anos para oficializar sua união, em cerimônia que aconteceu nesta sexta-feira (28), em Los Angeles, na Califórnia. Sandy Stier, uma das demandantes da revogação, também se casou com sua companheira, Kris Perry, com quem tem quatro filhos, nesta sexta, na Califórnia.
O casamento gay já é aceito em outros 12 estados do país: Connecticut, Delaware, Iowa, Maine, Maryland, Massachusetts, Minnesota, New Hampshire, Nova York, Rhode Island, Vermont e Washington, assim como na capital, Washington D.C.


Kristin Perry e Sandra Stier se casaram nesta sexta-feira (28), na Califórnia, EUA, após revogação da Proposição 8 (Foto: REUTERS/Stephen Lam) 
Kristin Perry e Sandra Stier se casaram após revogação da Proposição 8 
(Foto: REUTERS/Stephen Lam)
 
 
Kristin Perry e Sandra Stier se casaram nesta sexta-feira (28), na Califórnia, EUA, após revogação da Proposição 8 (Foto: REUTERS/Stephen Lam) 
O casal de lésbicas aproveitou o fim da proibição para oficializar sua união 
(Foto: REUTERS/Stephen Lam)
 
 
O casal Paul Katami e Jeff Zarrillo se casaram nesta sexta-feira (28), na Califórnia, EUA, após revogação da Proposição 8 (Foto: REUTERS/Lucy Nicholson) 
Paul Katami e Jeff Zarrillo se emocionam durante cerimônia de casamento 
(Foto: REUTERS/Lucy Nicholson)