quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Na hora do sim: para casar na igreja, agora é preciso se adequar a regras.

Na hora do sim: para casar na igreja, agora é preciso se adequar a regras

Na diocese de Guaxupé, 25 regras restringem cerimônias de casamento.
Menos flores, menos padrinhos e músicas nacionais são alguns dos itens.

Do G1
Quem nunca sonhou com aquele momento especial do casamento, e imaginou cada detalhe da cerimônia do jeito que sempre quis: flores, músicas, vestido? Porém, para quem sonha em casar na igreja, agora vai ter que organizar o sonho de acordo com algumas regrinhas. A realização do matrimônio na maioria das paróquias tem algumas restrições, que devem ser respeitadas na hora de montar o cenário para dizer o sim.
Nas paróquias que fazem parte da diocese de Guaxupé (MG), são 25 itens, mas quatro entre eles são mais polêmicos entre os noivos. De acordo com as orientações da diocese, a decoração deve ser discreta, com flores naturais que podem ser colocadas apenas no altar. O número de padrinhos agora é limitado a oito casais para cada noivo.
No altar, é permitida somente a entrada de uma florista, uma daminha e um pajem para levar as alianças. Aquela música que marcou o começo do namoro? Depende. Não serão mais permitidas músicas internacionais. As paróquias vão sugerir um repertório adequado para a cerimônia.
Para o organizador de casamentos Junior Garcia, as mudanças propostas pela diocese não devem prejudicar os negócios, mas pra isso, ele vai ter que adaptar todo o serviço. "Já não podendo usar tanta coisa na cerimônia, vamos ter que usar mais decoração no salão", comenta ele.
Cada paróquia faz uma orientação específica para os noivos e as regras estão valendo desde o dia 8 de dezembro de 2012. Em muitas igrejas, as determinações começaram a ser aplicadas aos noivos que marcaram o casamento a partir desta data.


Cerimônia em igrejas agora tem que respeitar regras na maioria das paróquias (Foto: Reprodução EPTV) 
Cerimônia em igrejas agora tem que respeitar regras na maioria das paróquias 
(Foto: Reprodução EPTV)
 
 
Débora Figueiredo Menezes e Matheus Augusto Thomaz vão se casar em maio. Como haviam marcado a cerimônia com mais de um ano de antecedência, bem antes da publicação da diocese, eles ainda podem realizar o casamento com algumas exceções à regra. "Por conta da decoração, no planejamento financeiro ajuda muito, mas eu acredito que o casamento tem que ser com tudo que a gente sonhou e que tem direito, então ainda bem que eu marquei antes (risos)", comenta a noiva Débora.
O padre Carlos Pereira é pároco em Poços de Caldas (MG) e foi um dos padres que colaborou com a elaboração das novas regras. Segundo ele, os critérios para a celebração do casamento se tornaram necessários. "Foram necessários em função dos abusos de quem procurava a igreja para a celebração. Foi um processo amplo, que começou em 2008. Então chegamos a um consenso: aquela música que o casal se conheceu, internacional, às vezes os noivos não sabem nem a tradução, é imprópria para a vivência do sacramento do matrimônio", afirma o padre.
Apesar disso, ele destaca a importância de se chegar a um consenso entre o casal e a igreja. " Com um bom diálogo entre o que a igreja pede e o que os noivos desejam, é possível uma conciliação entre as partes", completa padre Pereira.

Inbev é acusada de aguar cerveja nos EUA.

Inbev é acusada de aguar cerveja nos EUA


Empresa nega acusações de que cervejas estariam sendo adulteradas.
Budweiser (Foto BBC)Consumidores americanos entraram com um processo acusando a multinacional Anheuser-Busch Ibev (AB Inbev), de controle belgo-brasileiro, de diluir com água dez de suas marcas de cerveja, entre elas a Budweiser e a Michelob.
Segundo as acusações incluídas no processo, a Anheuser-Busch teria "acelerado vigorosamente suas práticas enganosas" após ter sido comprada pela belgo-brasileira Inbev, em 2008, em um processo de fusão que criou a maior produtora de bebidas do mundo.

"(A empresa) sacrificou a qualidade dos seus produtos para reduzir custos", dizem os consumidores, que pedem uma indenização de US$ 5 milhões (R$ 9,9 milhões) à AB Inbev pelo teor alcoólico das cervejas supostamente não ser igual ao indicado em seus rótulos.
Eles dizem basear suas denúncias em supostos relatos de ex-funcionários de fábricas de bebida da multinacional.

Ex-funcionários

"Nossa informação vem de ex-funcionários na Anheuser-Busch, que nos informaram que, como parte de uma prática corporativa, a empresa tem adicionado água em todos os seus produtos mencionados (no processo)", disse o advogado Josh Boxer.
De acordo com os reclamantes, a AB Inbev utilizaria "algumas das técnicas de controle de processos mais sofisticadas do mundo para monitorar com precisão o teor de álcool na fase final de (produção de sua cerveja)" e, em seguida, adicionaria água "produzindo cerveja com teor de álcool significativamente mais baixo que o indicado em seus rótulos".
Em um comunicado, a AB Inbev classificou as denúncias como "completamente falsas" e disse que suas cervejas estão em "plena conformidade com as leis de rotulagem".
"Temos orgulho em manter os mais altos padrões de produção de cerveja", disse Peter Kraemer, vice-presidente de produção e abastecimento da Anheuser-Busch.

Conheça a moeda menos valiosa do mundo.

Conheça a moeda menos valiosa do mundo


O tiyin é a moeda de menor valor em todo o mundo.
O tiyin (Yuri Dema)Diversos países contam com centavos que ainda estão oficialmente em circulação, mas é muito raro encontrá-los em transações no dia a dia.
O caso mais extremo é o do Uzbequistão e seu tiyin, o centavo da moeda uzbeque, o som.
O centavo uzbeque é atualmente a moeda de menor valor em todo o mundo. Um tiyin equivale a 0,001 centavo de real, ou seja, 1 centavo de real vale 1.000 tiyin.
No Uzbequistão é quase impossível encontrar um centavo de tiyin nas ruas.
A inflação fez com que até as moedas de maior valor do Uzbequistão também fossem relegadas à história, mas, ainda assim, elas permanecem sendo adotadas no país.
No país, é mais comum você receber uma caixa de fósforo ou balas como troco do que uma moeda.
Um centavo britânico, o "penny", equivale a 3.038 tiyin e 1 centavo de dólar equivale a 1.999 centavos.

Trocadinho

Mas bancos centrais de muitos países em que os centavos desapareceram das ruas continuam apegados às suas ''moedinhas''.
Na Tanzânia, moedas de cinco centavos, equivalentes a 320 centavos de dólar, estão definhando nos cofres do Banco Central do país ou estão perdidas pelas casas das pessoas.
''Na Tanzânia, é difícil encontrar moedas de cinco centavos em circulação porque elas literalmente não são capazes de comprar nada. O mínimo que você encontra são moedas de 20 centavos, com as quais só é possível comprar um alface no mercado atualmente'', afirma Emanuel Boaz, do Banco Central da Tanzânia.
Mas até mesmo em países com economias sólidas e moedas estáveis, como os Estados Unidos, os centavos estão passando por contratempos.
A Casa da Moeda canadense parou neste mês de cunhar o centavo de sua moeda, o dólar canadense, já que ele custa mais para ser produzido do que o seu valor nominal.
''O sentido da moeda corrente é facilitar transações em dinheiro. Antigamente, o centavo cumpria essa função porque valia alguma coisa, mas não é mais o caso'', afirma Jeff Gore, presidente da entidade Cidadãos em Defesa do Fim do Centavo Americano.

Sem troco

Existe um histórico de nações que já abriram mão de seus centavos. Os Estados Unidos aboliram o meio centavo em 1857 e a Grã-Bretanha abdicou de seu meio centavo em 1984. A Nova Zelândia e a Austrália abandonaram o centavo e suas moedas de dois centavos na década de 90.
Agora, ativistas nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha estão buscando a abolição do centavo, sob o argumento de que não há mais nada que possa ser comprado com uma moeda de um centavo nos dois países.
''Há muitas pessoas que estão acostumadas a usar suas moedas porque isso já faz parte de seu patrimônio'', disse Phillip Mussell, diretor da revista Coin News Magazine.
E ainda temores de que abolir as moedas de menos valor e que muitas entidades de caridade perderiam suas fontes de financiamento.

Desabamento deixa um morto no Centro de SP, dizem bombeiros.

Desabamento deixa um morto no Centro de SP, dizem bombeiros

Ao menos 19 equipes foram até a Avenida da Liberdade.
Dois cães farejadores trabalhavam nas buscas.

Rosanne D'Agostino e Marcelo Mora Do G1 

Bombeiros trabalham nas buscas por feridos (Foto: Edson Lopes Jr./Folhapress) 
Bombeiros trabalham nas buscas por feridos (Foto: Edson Lopes Jr./Folhapress)
 
 
Uma pedestre morreu no desabamento de um imóvel no Centro de São Paulo na noite desta quinta-feira (28). Segundo o Corpo de Bombeiros, o acidente aconteceu na Avenida da Liberdade, na altura do número 700, em uma obra de um antigo bar.

A corporação não tinha informações sobre mais vítimas até as 20h. Ao menos 19 equipes, com 50 bombeiros, foram encaminhadas para lá. Equipes do Samu e da Defesa Civil também estavam na região. No horário, havia um grande movimento de alunos de universidades da região.



vale esse Desabamento liberdade  (Foto: Reprodução/TV Globo) De acordo com o tenente-coronel Marcelo Pignatari, dos bombeiros, a vítima é um homem que caminhava ao lado da obra no momento do acidente. Ele foi localizado com auxílio de cães farejadores. Sua identidade não foi confirmada.

Segundo o capitão Keffer, também dos bombeiros, outras partes da fachada corriam risco de cair. Ele disse que pode interromper as buscas para derrubar o que está em pé para garantir a segurança dos profissionais do resgate.

Um cano não parava de jorrar na obra. O oficial afirmou que vai pedir para o fornecimento fosse cortado momentaneamente "para garantir a estabilidade e para evitar mais dificuldade no trabalho dos bombeiros", disse à Globo News.
 

Interdição

A Avenida da Liberdade estava totalmente interditada por volta das 18h55 perto da Rua Condessa de São Joaquim, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). O órgão recomenda aos motoristas que evitem circular pela região.

O atendente Fábio Santana, que trabalha em uma lanchonete perto do local do acidente, disse que lá havia uma obra e que uma parede caiu sobre a calçada. “Passava muita gente na hora”, disse.
Dois cães farejadores trabalhavam nas buscas. Oito bombeiros se concentraram por cerca de 20 minutos em um ponto para resgatar o corpo.

Homem é arrastado por carro da polícia.

Homem é arrastado por carro da polícia na África do Sul

Taxista chegou a ser detido após incidente, mas morreu na delegacia.
Ele era natural de Moçambique.

Da BBC
 
 
Taxista foi algemado na traseira de uma van da
polícia (Foto: BBC)
Taxista foi algemado na traseira de uma van da polícia (Foto: BBC) Autoridades sul-africanas abriram nesta quinta-feira (28) uma investigação sobre a morte de um taxista moçambicano que foi algemado na traseira de uma van da polícia e arrastado pelas ruas de Johannesburgo.
A cena foi gravada por um pedestre em seu seu celular e divulgada na imprensa do país. Assista (se necessário, desabilite o bloqueador de pop-up)
Um porta-voz do Diretório de Investigação da Polícia disse estar "chocado" com as imagens. Grupos de direitos humanos acusaram a polícia da África do Sul de "brutalidade".
A imprensa local noticiou que a polícia inicialmente agrediu o homem de 27 anos, acusando-o de ter estacionado seu táxi em local proibido.
O vídeo mostra uma multidão de pessoas ao redor de policiais uniformizados que algemam o homem na van e o arrastam em disparada.
Depois de ter sido arrastado, o taxista foi detido e morreu na delegacia, segundo a imprensa sul-africana.
"Nós estamos investigando o incidente envolvendo a morte de um homem, aparentemente pelas mãos da polícia. Estamos chocados com o vídeo desde que ele foi divulgado", afirmou o porta-voz da polícia, Moses Dlamini, segundo a agência de notícias da AFP.
"As circunstâncias envolvendo sua morte ainda não passam de acusações. Vamos investigar e entender o que realmente aconteceu".
A ONG Anistia Internacional informou que há uma "tendência incrivelmente perturbadora" de brutalidade na polícia na África do Sul.
A comissária da polícia da África do Sul também condenou o episódio.
"O problema é visto pelo Comissariado Nacional como algo muito sério e nós o condenamos fortemente", disse Riah Phiyega.
O departamento de polícia, entretanto, não informou se os policiais envolvidos no incidente foram punidos, acrescentou a AFP.
Este não é o primeiro episódio de violência policial na África do Sul. Em agosto do ano passado, a polícia matou à queima-roupa 34 mineiros que protestavam na mina de platina Marikana, no noroeste do país.
O caso ainda está sendo investigado por uma comissão de juízes indicada pelo presidente sul-africano, Jacob Zuma.

Suspeito de estuprar grávida liga para polícia e pede para ser preso.

Suspeito de estuprar grávida no DF liga para polícia e pede para ser preso

Ele disse que não conseguiria parar de cometer estupros, afirma delegado.
Homem já havia cumprido seis anos de prisão por esse tipo de crime.

Do G1 
A policia civil do Distrito Federal  apresentou nesta quinta-feira (27) um homem de 26 anos apontado como autor de estupros, entfe eles o de uma mulher grávida de nove meses, ocorrido em novembro do ano passado, na Estrutural. Segundo o delegado o Flávio Messina, o suspeito ligou para a delegacia de Samambaia e pediu para ser preso.
Suspeito foi apresentado pela polícia nesta quinta-feira (28)  (Foto: Káthia Mello/G1 DF) 
Suspeito foi apresentado pela polícia nesta quinta-feira (28) (Foto: Káthia Mello/G1 DF)
“Ele disse que preferia ficar preso do que ser morto na rua, porque achava que não ia parar de cometer estupros”, afirmou Messina.
O suspeito cumpriu pena de seis anos por estupro e estava em liberdade desde agosto de 2012. A polícia informou que ele cometeu um estupro este mês em Samambaia. Ele também tem passagens por roubos em Goiânia e Rondônia. 
 
Crime

O homem entrou na residência da mulher grávida para roubar. Segundo a polícia, ele estava armado com uma faca e estuprou a mulher na frente dos três filhos dela. Na ocasião, também teria molestado a filha da vítima, que tem 12 anos.
Na fuga, o suspeito levou uma televisão, um laptop e o celular. Os produtos foram vendidos para um ferro-velho localizado na Estrutural. O delegado disse que os policiais vão ao local para tentar recuperar os produtos do roubo.

Pais de menino de 6 anos que se vê como menina denunciam escola.

Pais de menino de 6 anos que se vê como menina denunciam escola

Coy Mathis foi proibido de usar o banheiro feminino em sua escolinha.
Pais entraram com queixa em agência de direitos civis do Colorado, EUA.

Do G1

Os pais de um menino de 6 anos de idade que se identifica como menina no Colorado, nos EUA, entraram com uma queixa na agência estadual de direitos civis depois que a escola onde a criança estuda proibiu que ela use o banheiro feminino.
Com a polêmica em torno do caso do jovem transgênero Coy Mathis, diagnosticado com desordem de identidade de gênero, sua família chegou a divulgar fotos que mostram sua aparência claramente feminina.
Segundo a família, Coy age como menina desde os 18 meses de idade. Enquanto o irmão Max só queria saber de dinossauros, Coy brincava com bonecas. Aos 4 anos, falou para sua mãe, Kathryn, que havia algo errado com seu corpo.
"Nós queremos que Coy tenha as mesmas oportunidades educacionais que tem qualquer outra criança no estado do Colorado", disse Kathryn em entrevista à ABC News. Além de Coy e Max, o casal tem outras três filhas.
Desde que entrou na Escola Eagle na cidade de Fountain, Colorado, Coy se apresentou como menina e foi tratado dessa forma por professores e colegas, inclusive usando o banheiro feminino. Em dezembro, no entanto, a administração da escola informou os pais de que Coy não poderia mais usar o banheiro das colegas, recomendando que a criança recorra ao banheiro masculino ou ao da enfermaria.
 
Coy brinca em sua casa em Fountain, Colorado, na segunda-feira (25) (Foto: Brennan Linsley/AP) 
Coy brinca em sua casa em Fountain, Colorado, na segunda-feira (25) 
(Foto: Brennan Linsley/AP)
 
 
O menino Coy Mathis, de 6 anos, se identifica como menina (Foto: Reuters/Kathryn Mathis) 
O menino Coy Mathis, de 6 anos, foi diagnosticado com desordem de identidade de gênero (Foto: Reuters/Kathryn Mathis)
 
 
O menino Coy Mathis, de 6 anos, se identifica como menina (Foto: Reuters/Kathryn Mathis) 
Família divulgou fotos de Coy Mathis, de 6 anos (Foto: Reuters/Kathryn Mathis)
 
 
O menino Coy Mathis, de 6 anos, se identifica como menina (Foto: Reuters/Kathryn Mathis) 
Família divulgou fotos de Coy Mathis, de 6 anos (Foto: Reuters/Kathryn Mathis)
 
 
 
Coy (esq.), posa para foto com seu irmão, Max (Foto: Reuters/Kathryn Mathis) 
Coy (esq.), posa para foto com seu irmão, Max (Foto: Reuters/Kathryn Mathis)

Menina de 15 anos, que aparece em vídeo, fazia sexo com padre uma vez por mês há um ano.

Menina de 15 anos, que aparece em vídeo, fazia sexo com padre uma vez por mês há um ano






 
Menina de 15 anos deixa delegacia após depoimento  
Foto: / Darlei Marinho / Extra 
 
 
Rafael Soares
As investigações sobre o caso do padre Emilson Soares Corrêa, já indiciado por estupro de uma menina de sete anos, ganharam novo personagem. A menina de 15 anos que aparece em um vídeo — divulgado pelo EXTRA na última terça-feira — fazendo sexo com o religioso na casa paroquial da Igreja Nossa Senhora do Amparo foi depor ontem na delegacia. Ela confirmou, em seu depoimento, que participou do flagra armado pelo pai das duas meninas que acusam o padre de estupro e afirmou que mantinha relações sexuais mensalmente com o padre desde os 14 anos. No relato, a menina afirma que ele oferecia pequenas quantias em dinheiro a ela.
— Ela disse claramente que aquela não foi a primeira vez. O relato da menor se aproxima muito do depoimento da outra menina, de 19 anos, também seduzida com presentes — afirmou a delegada Marta Dominguez, da Deam de Niterói.
Ela, porém, deixa claro que, apesar de a menina ser menor de idade, o ato sexual não configura crime:
— Ela tinha mais de 14 anos e não houve violência ou ameaça.
Embora o depoimento da menor não tenha produzido efeitos no inquérito, a situação do padre ficou mais complicada ontem. Um novo relato da menina de 19 anos, que também aparece no vídeo, resultou em novo indiciamento do padre por estupro. A jovem relatou à delegada que o padre a convenceu a fazer sexo oral com ele quando ela tinha apenas 13 anos. O episódio teria acontecido na banheira de hidromassagem em formato de coração que o padre tinha em sua casa paroquial.
— O novo indiciamento deixa o padre em situação mais difícil. Se a denúncia for aceita pelo Ministério Público, ele pode incorrer em concurso material, pois cometeu o crime mais de uma vez — explicou a delegada.

Banco do Brasil abre concurso em 6 estados.

Banco do Brasil abre concurso em 6 estados

Cargo é de escriturário, que exige nível médio.
O salário é de R$ 1.892,00 para jornada de 30 horas semanais.

Do G1


O Banco do Brasil abriu concurso para formação de cadastro de reserva para o cargo de escriturário nos estados do Amazonas (parte do estado), Espírito Santo, Minas Gerais (parte do estado), Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina (parte do estado). O salário é de R$ 1.892,00 para jornada de 30 horas semanais.

Banco do Brasil
Inscrições
De 14 de março a 12 de abril
Vagas
cadastro de reserva
Salário
R$ 1.892,00
Taxa
R$ 40
Prova
26 de maio
Além da remuneração, o BB oferece cesta-alimentação de R$ 367,92 e auxílio-refeição de R$ 472,12.

O candidato deve ter nível médio e idade mínima de 18 anos completos até a data da contratação.
O escriturário faz a comercialização de produtos e serviços do banco, atendimento ao público, atuação no caixa (quando necessário), contatos com clientes, prestação de informações aos clientes e usuários; redação de correspondências em geral; conferência de relatórios e documentos; controles estatísticos; atualização/manutenção de dados em sistemas operacionais informatizados; execução de outras tarefas inerentes ao conteúdo ocupacional do cargo, compatíveis com as peculiaridades.
O candidato classificado será convocado, em função das necessidades do banco, a assinar contrato individual pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), obedecidas as ordens de classificação, de acordo com a sua opção no ato da inscrição, por microrregião e por macrorregião. O candidato poderá ser convocado, uma única vez, para microrregião diferente daquela em que se inscreveu desde que exista vaga e não haja candidato classificado para preenchê-la. Nesse caso, o Banco do Brasil utilizará a ordem de classificação da macrorregião. Se o candidato não aceitar tomar posse na dependência fora da microrregião em que se inscreveu, será excluído da classificação por macrorregião, mantendo, porém, a classificação na microrregião em que se inscreveu.
Ficam asseguradas as admissões, conforme necessidade de provimento, dos candidatos classificados nas Seleções Externas 2011/003 e 2012/003 até o término de suas vigências (28/09/2013, 07/05/2014 respectivamente), incluindo o período de prorrogação, se houver.
Os candidatos poderão realizar a inscrição por meio do endereço eletrônico www.concursosfcc.com.br e nos postos credenciados pela Fundação Carlos Chagas,
constantes do anexo III do edital, de 14 de março a 12 de abril. Os postos de inscrição estarão em funcionamento no período das inscrições, em dias úteis, das 9h às 12h e das 13h às 17h. Ao se inscrever o candidato deverá indicar no formulário de inscrição o código da opção de macrorregião/microrregião de classificação para a qual pretende concorrer e a cidade de realização das provas. A taxa é de R$ 40.
A seleção terá prova objetiva e prova discursiva-redação, previstas para o dia 26 de maio, com duração de 4h30, no período da manhã.

As provas serão aplicadas nas cidades de São Gabriel da Cachoeira, Tefé, Tabatinga, Humaitá, Vitória, São Mateus, Linhares, Cachoeiro de Itapemirim, Guarapari, Patos de Minas, Paracatu, Ituiutaba, Uberlândia, Uberaba, Florianópolis, Tubarão, Criciúma, Itajaí, Blumenau, Guaíba, Canoas, Caxias do Sul, Santa Cruz do Sul, Novo Hamburgo, Passo Fundo, Erechim, Pelotas, Bagé, Porto Alegre, Uruguaiana, Santa Maria, Santa Rosa, Duque de Caxias, Petrópolis, Nova Friburgo, Cabo Frio, Macaé, Campo dos Goytacazes, Volta Redonda, Niterói, São Gonçalo, Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, Campo Grande, Barra da Tijuca e Jacarepaguá.

A prova objetiva de conhecimentos básicos terá as disciplinas de português, raciocínio lógico-matemático e atualidades do mercado financeiro. A prova objetiva de conhecimentos específicos terá as disciplinas de cultura organizacional, técnicas de vendas, atendimento (focado em vendas), domínio produtivo da informática e conhecimentos bancários.

Serão avaliadas as provas discursivas apenas dos candidatos habilitados e mais bem classificados na prova objetiva, no limite estabelecido pelo edital.

Saiba quem é Tarcisio Bertone, que assume interinamente o Vaticano.

Saiba quem é Tarcisio Bertone, que assume interinamente o Vaticano

Com saída de Bento XVI, cardeal camerlengo assume suas funções.
Nomeado cardeal em 2003 por João Paulo II, ele é apaixonado por futebol.

Da EFE

Quando um Papa morre ou, no caso excepcional de Bento XVI, renuncia, o governo provisório da Igreja Católica passa para as mãos do cardeal camerlengo, cargo ocupado pelo atual secretário de Estado, o cardeal Tarcisio Bertone, nascido na cidade italiana de Romano Canavese em 2 de dezembro de 1934.
O cardeal camerlengo é o encarregado pela administração dos bens e dos direitos temporários da Santa Sé, ajudado por três cardeais assistentes.

Ele também é o responsável por, se for o caso, confirmar a morte do papa, assinar a ata da morte, selar o apartamento papal no Vaticano, tomar posse do Palácio Apostólico Vaticano e dos palácios Lateranense e de Castel Gandolfo.
Nesta ocasião, o pontífice continua vivo e a primeira ação do camerlengo, depois que Bento XVI deixou o pontificado, será selar o apartamento do pontífice e tomar posse do Palácio Apostólico Vaticano.


O cardeal italiano Tarcisio Bertone reza missa em 9 de fevereiro no Vaticano (Foto: Reuters) 
O cardeal italiano Tarcisio Bertone reza missa em 9 de fevereiro no Vaticano (Foto: Reuters)
 
 
Visto que Bento XVI ficará em Castel Gandolfo e ali não são guardados documentos importantes do pontificado, a residência de verão dos Papas não será selada.
A Constituição Apostólica "Universi Dominici Gregis" estabelece que, enquanto a Sede Apostólica estiver vacante, o colégio de cardeais não tem nenhum poder ou jurisdição sobre as questões que correspondem ao Papa.
Também determina que as leis existentes não podem ser corrigidas ou modificadas e que o dever dos cardeais é tomar decisões urgentes como estabelecer o dia, a hora e como o corpo será transferido à Basílica de São Pedro, além de preparar as exéquias, no caso da morte do Papa.
Quando o Papa morre ou renuncia, todos os chefes dos conselhos pontifícios e inclusive o secretário de Estado perdem os seus cargos. Só permanecem o camerlengo, o penitenciário maior e o vigário de Roma.
Nesta ocasião, o secretário de Estado é também o camerlengo.
 

Trajetória

O cardeal Bertone, nascido na cidade piemontesa de Romano Canavese, no norte da Itália, no dia 2 de dezembro de 1934, é o quinto de oito irmãos.
Membro da Sociedade de São Francisco de Sales de São João Bosco (Salesianos), Bertone é formado em Teologia pela Faculdade salesiana de Turim e obteve o doutorado em Direito Canônico no Pontifício Ateneu Salesiano.
No dia 1º de julho de 1960, foi ordenado sacerdote e, posteriormente, se doutorou em Direito Público Eclesiástico, Teologia Moral e Direito Canônico em Turim e Roma. Foi professor na Pontifícia Universidade Salesiana de Roma.
Desde a década de 1980, foi consultor de diversos dicastérios da Cúria Romana, especialmente da Congregação para a Doutrina da Fé, o antigo Santo Ofício.
Colaborou na revisão do Código do Direito Canônico, publicado em 1983.
Nomeado arcebispo de Vercelli em 1991, no dia 13 de junho de 1995 renunciou ao governo pastoral da arquidiocese ao ser designado secretário da Congregação para a Doutrina da Fé.
Neste dicastério, Bertone se tornou um estreito colaborador do Papa Emérito Bento XVI, o então cardeal Joseph Ratzinger, prefeito da citada Congregação.
Entre outros assuntos, ele se encarregou do caso do arcebispo africano Enmanuel Milingo, ameaçado de excomunhão após se casar com uma coreana pela seita do reverendo Moon.
Além disso, publicou a terceira parte do "segredo" de Fátima, durante o Jubileu de 2000 e, junto com o cardeal Ratzinger, estudou a documentação sobre os escândalos relacionados com abusos sexuais supostamente atribuídos a sacerdotes e clérigos americanos.
No dia 10 de dezembro de 2002, foi nomeado arcebispo de Gênova, e em 21 de outubro de 2003, foi ordenado cardeal no nono e último consistório convocado por João Paulo II dois anos antes de sua morte.
Participou do Conclave do dia 19 de abril de 2005, que elegeu Bento XVI. O pontífice o designou como Secretário de Estado (primeiro-ministro) no dia 22 de junho de 2006, substituindo o cardeal Angelo Sodano.
Em 4 de abril de 2007 foi nomeado camerlengo, depois que o Papa aceitou a renúncia do espanhol Eduardo Martínez Somalo, que tinha completado 80 anos.
Apaixonado por esporte, especialmente futebol, ele comentou partidas para algumas redes de televisão italianas.

Tragédia em Santa Maria completa um mês perto de apontar culpados.

Tragédia em Santa Maria completa um mês perto de apontar culpados

Inquérito policial que apura responsabilidades está perto de ser concluído.
Confira a situação da cidade, dos feridos e os efeitos da tragédia no país.

Felipe Truda* Do G1 

O incêndio foi na boate Kiss, em Santa Maria, na Região Central do Rio Grande do Sul (Foto: Germano Roratto/Agência RBS) 
Incêndio atingiu a boate Kiss, em Santa Maria, no dia 27 de janeiro causando 239 mortes, a maioria de jovens que participam de uma festa promovida por universitários 
(Foto: Germano Roratto/Agência RBS)
Na madrugada do dia 27 de janeiro, um incêndio atingiu a boate Kiss em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. O saldo foi de 239 mortos e centenas de feridos, alguns dos quais seguem hospitalizados. A grande maioria era formada por jovens, vítimas de uma tragédia que comoveu o Brasil e ganhou repercussão internacional. 
Um mês depois, o G1 volta a cidade de 261 mil habitantes e faz um balanço de como os moradores tentam se recuperar do trauma, detalha o inquérito policial que apura as causas e as possíveis responsabilidades sobre a tragédia, além de atualizar as informações sobre o tratamento médico dos sobreviventes.
Se por um lado a dor de familiares e amigos das vítimas ainda está longe de ser superada, já dá para notar que a tragédia de Santa Maria já deixa um legado: por todo o país, centenas de casas noturnas e estabelecimentos semelhantes foram interditadas por apresentarem riscos à segurança dos frequentadores. Autoridades discutem e adotam medidas mais rigorosas para tentar evitar que episódio semelhante jamais se repita.



Inquérito se aproxima da conclusão sem  laudos da perícia

Faltando quatro dias para o fim do prazo do inquérito policial que investiga o incêndio na boate Kiss, no diz 3 de março, a Polícia Civil ainda não recebeu do Instituto Geral de Perícias (IGP) os laudos sobre o incêndio. Os documentos são essenciais para a conclusão do inquérito, pois devem apontar as causas das mortes e as circunstâncias do incêndio.

Dois responsáveis pelas investigações, os delegados Marcelo Arigony e Sandro Meinerz estiveram em Porto Alegre na terça-feira (26) para terem acesso aos documentos. Receberam a resposta de que o IGP ainda não tem data para concluir os exames. Por isso, eles podem pedir a prorrogação do prazo para a conclusão do inquérito ou remetê-lo parcialmente à Justiça. 
“Duas perícias são fundamentais. A primeira, das necropsias, vai apontar a causa das mortes. E a outra é a do local dos fatos, pois ela vai esclarecer muitos detalhes. Toda a prova testemunhal caminha no sentido único, não há divergência no depoimento das testemunhas. O que a perícia vai fazer é dizer onde estavam os pontos de falha no local, que vão fundamentar o dolo eventual”, explica o delegado Meinerz. 
Desde o dia da tragédia, a 1º Delegacia de Polícia de Santa Maria já ouviu mais de 400 pessoas e a expectativa é de que sejam prestados cerca de 500 depoimentos até o final desta semana. Tanto a polícia e o Ministério Público não têm dúvidas de que os proprietários da boate e dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira, que acionaram um artefato pirotécnico no palco naquela noite, assumiram o risco de matar. 
Dois proprietários da boate, Mauro Hoffmann e Elissandro Spohr, o Kiko, além do vocalista da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos, e o produtor do grupo, Luciano Augusto Bonilha Leão, foram presos temporariamente na segunda-feira seguinte, dia 28..

Spohr chegou a ficar hospitalizado em Cruz Alta por ter sido exposto à fumaça no incêndio até o dia 5, quando foi transferido à Penitenciária Estadual de Santa Maria, onde também se encontram os outros três envolvidos. O prazo inicial da prisão temporária, de cinco dias, foi prorrogado por mais 30 no dia 1º de fevereiro e vence no dia 3 de março. A prisão temporária ainda pode ser convertida em prisão preventiva.
Cada um dos suspeitos prestou um depoimento inicial. A polícia planeja ouvi-los novamente antes de concluir o inquérito. Até o momento, segundo o titular da 1ª Delegacia de Polícia, Sandro Meinerz, e o delegado regional, Marcelo Arigony, a suspeita é de que os quatro presos tenham cometido homicídio doloso (intencional) qualificado. A tese é reforçada pelo Ministério Público.
“Estamos acompanhado o inquérito desde o início e os elementos colhidos nos permitem essa denúncia. É preciso materialidade, indícios de autoria, e apontamentos para o descaso dos acusados com a possibilidade de tal resultado (matar)”, afirma o promotor criminal Joel Dutra, um dos responsáveis pelo processo. 
Até o momento, os fatores apontados pela como causadores do incêndio pela polícia foram a espuma do revestimento acústico que cobria o teto, feita de um material inflamável, o equipamento pirotécnico usado pela banda, superlotação, falta de luz e de sinalização de emergência e uma segunda porta para evacuação. Ainda é investigada a possível parcela de culpa das autoridades municipais e estaduais, como prefeitura e Corpo de Bombeiros, que permitiram o funcionamento da boate, apesar de ela não apresentar condições.


Um dos donos da boate Kiss, Mauro Hoffmann
e mais três investigados seguem presos
(Foto: Emerson Souza/Agência RBS)
Um dos donos da boate Kiss, o empresário Mauro Hoffmann se entrega à polícia e é preso.  (Foto: Emerson Souza/Agência RBS) Os detidos foram os primeiros a serem ouvidos. Depois disso, a polícia apreendeu fotografias na casa de integrantes da Gurizada Fandangueira que, conforme Meinerz, evidenciam o uso do equipamento pirotécnico em outras apresentações do grupo, inclusive dentro da mesma boate. Até mesmo a banda de Spohr já usou show de fogos na Kiss, como mostram fotos divulgadas por uma ex-funcionária da casa.
O vocalista da banda disse à polícia que a boate estava superlotada na noite do show, e que Spohr nunca havia contestado o uso de efeito pirotécnicos. O advogado Jader Marques, que representa Kiko, pediu que fosse feita uma acareação entre os dois. Em entrevista à RBS TV quando ainda estava hospitalizado, ele afirmou que o grupo não havia pedido permissão para utilizar o recurso.
Segundo o advogado do vocalista da banda, ele não negou que tenha usado fogos no show. Porém, o equipamento usado era apropriado para locais fechados, garante. Já Hoffmann afirmou à polícia que adquiriu 50% das cotas do estabelecimento, mas não participava do gerencimento. Também em depoimento, Ângela Callegaro, irmã de Spohr, disse que “decisões e assuntos importantes” eram tomadas pelos dois sócios.
Mas a investigação não se limita aos quatro presos. Com o objetivo de apurar a responsabilidade de quem permitiu a abertura da boate, a polícia solicitou uma lista com fiscais que atuaram na prefeitura entre 2009, quando a casa noturna teve o alvará concedido, até hoje. No dia 15, foram entregues aos delegados o nome de 26 fiscais e três secretários com passagem pela Secretaria de Mobilidade Urbana de Santa Maria desde 2009.
Além dos bombeiros que realizaram o socorro das vítima na madrugada do incêndio, prestou depoimento também o tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Daniel da Silva Adriano, que assinou o primeiro alvará de funcionamento da boate Kiss. Segundo o delegado Marcos Vianna, ele afirmou que, à época da assinatura, em 2009, todas as providências para garantir a segurança dos frequentadores foram tomadas.


Interior da boate Kiss passou por diversas perícias
nesses 30 dias (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Peritos usam equipamento alemão para montar maquete virtual da boate Kiss (Foto: Divulgação/Polícia Civil) Na última segunda-feira (25), também foi ouvido o ex-secretário da Saúde e atual vice-prefeito da cidade, José Haidar Farret. Conforme Meinerz, ele não levou novidades à polícia. “O ouvimos porque ele atuava na Saúde, e a parte de Vigilância Sanitária tem um certa autonomia. Por isso ele teria de dar algumas explicações”, declarou.
Além dos depoimentos, foi feita uma série de perícias e reconstituições no prédio onde funcionava a boate, na Rua dos Andradas, que segue isolado. Em uma delas, um scanner foi usado para reproduzir uma maquete virtual, por meio de uma parceria com o Instituto Geral de Perícias de Brasília. O objetivo é ajudar a reconstituir o que ocorreu na noite da tragédia.

Sem os laudos do IPG e após tomar o depoimento das últimas testemunhas, nenhum deles considerado fundamental para o desfecho do caso, a polícia pode concluir uma parte do inquérito na sexta-feira (1º de março) já que a data limite, dia 3, cai em um domingo. No documento que pode ser remetido à Justiça não devem constar o novo depoimento dos suspeitos nem os laudos das perícias, que serão anexados posteriormente.



De 145 feridos no incêndio, 22 permanecem internados

Em outra frente, médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais e profissionais de saúde seguem prestando assistência aos feridos no incêndio e familiares das vítimas. Dos 145 pacientes hospitalizadas após a tragédia, 22 permaneciam em hospitais até a noite de terça-feira (26), de acordo com o Ministério da Saúde. Cinco morreram e 118 receberam alta.


Feridos graves foram levados a Porto Alegre em
aeronaves (Foto: Camila Domingues/Reuters)
Vítima do incêndio na boate Kiss chega a Porto Alegre de helicóptero para receber tratamento neste domingo (27) (Foto: Camila Domingues/Reuters) Dos que permanecem sob cuidados, 18 pacientes estão em hospitais de Porto Alegre e quatro em Santa Maria. Três deles ainda precisam de ventilação mecânica, isto é, dependiam de aparelhos para respirar. Segundo o coordenador de Média e Alta Complexidade do Ministério da Saúde, José Eduardo Fogolin, esses pacientes chegaram aos hospitais em condições muito graves e ainda inspiram cuidados, mas a maioria já está fora de perigo.
“O principal comprometimento de alguns hoje é clínico múltiplo. Isso inclui comprometimento respiratório, circulatório, metabólico, insuficiência renal, entre outros”, diz Fogolin.
Um dos responsáveis pelo atendimento no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, que acolheu alguns dos casos mais graves, o médico pneumologista e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Hugo Goulart de Olveira, diz que os sete pacientes internados na instituição já respiram sem auxílio de aparelhos.
“A parte pulmonar e das vias aéreas teve uma evolução muito boa, mas várias pacientes ainda apresentam sequelas como queimaduras no rosto, tronco e membros. Alguns já passaram por várias cirurgias reparadoras. Outros tiveram membros amputados. O foco agora é tratar desses problemas”, diz o chefe da unidade de endoscopia respiratória do Clínicas, que também é major da Brigada Militar.
Vítimas da Kiss que tiveram alta terão de
hospitais terão acompanhamento permanente
(Foto: Gustavo Riet/Arquivo Pessoal)
Gustavo Riet, 34 anos, teve alta após ser hospitalizado devido ao incêndio na boate Kiss (Foto: Gustavo Riet/Arquivo Pessoal) Outra preocupação das autoridades de saúde é com problemas futuros que as pessoas que inalaram a fumaça tóxica durante o incêndio possam apresentar. São doenças como a bronquiolite, que, a grosso modo, é a obstrução das canais que levam o ar até os alvéolos pulmonares. Por isso, o Ministério da Saúde pretende adotar um acompanhamento prolongado de todos os pacientes.
“Nesse momento, começa a fase de acompanhamento das vítimas. Os que tiveram alta dos hospitais serão monitorados por um longo período, de até cinco anos. Vai depender de cada caso, de acordo com o protocolo a ser estabelecido”, diz Fogolin.
A terceira etapa da estratégia de saúde também prevê o atendimento psicossocial para familiares, amigos, vítimas e profissionais envolvidos no atendimento e socorro. O serviço de acolhimento 24h no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), de Santa Maria, será mantido por mais seis meses. A ação também prevê a expansão da rede de atenção e a contratação e qualificação de profissionais da área de saúde mental para atendimento domiciliar.

Presente em Santa Maria no primeiro dia da tragédia, ao lado do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, Fogolin comemora os resultados obtidos até o momento no tratamento dos feridos. Segundo ele, a taxa de recuperação dos feridos é de 92%. Número que só foi possível graças a rapidez no socorro e qualidade do atendimento.

"O atendimento desde a porta da boate até as transferências e transportes para hospitalização teve muita qualidade. A triagem dos casos mais graves foi fundamental para isso. Além disso, o ministério e a Secretaria Estadual de Saúde fizeram o possível para salver vidas. Todos os recursos necessidades que os especialistas solicitaram, como respiradores artificiais e o antídoto contra a fumaça, foram disponibilizados", conclui.



Tragédia causou aumento na fiscalização e promessas de lei

Se teve algum aspecto positivo, a tragédia na Kiss motivou uma onda de fiscalizações e fechamento de casas noturnas e boates por todo o país. Centenas foram interdidatas, de Norte a Sul. As autoridades passaram a redobrar os cuidados, exigindo documentos e a adoção de algumas medidas que antes já eram obrigatórias, mas que não recebiam a atenção necessária.


Fiscalizações passaram a ser mais rigorosas em
boates (Foto: Leonardo Ferreira/RBS TV)
Força-tarefa da Smic fará fiscalização de casas noturnas de Porto Alegre (Foto: Leonardo Ferreira/RBS TV) Em Santa Maria, três dias após a tragédia, um decreto foi assinado pelo prefeito Cezar Schirmer determinando o fechamento de bares e casas noturnas por 30 dias. Os locais só foram reabertos quando os proprietários apresentaram alvará de localização, de vigilância sanitária e de combate e prevenção a incêndio. A prefeitura também intensificou fiscalizações, com órgãos competentes visitando casas noturnas, exigindo documentação e fechando estabelecimentos irregulares.
Uma Comissão Externa da Câmara dos Deputados foi criada para acompanhar a apuração dos fatos relacionados ao incêndio na Kiss. Logo no primeiro encontro, parlamentares discutiram normas de prevenção de incêndios que sirvam para qualquer tipo de local com aglomeração de pessoas. Alguns deles estiveram em Santa Maria para acompanhar os desdobramentos da tragédia.
O grupo, formado por dez deputados, definiu o prazo de 120 dias para apresentar um relatório com sugestões de aperfeiçoamento da legislação federal e com o acompanhamento das investigações da tragédia. O relatório da comissão deverá apontar para uma legislação federal que inclua, por exemplo, a padronização de saídas de emergência, plano de evacuação e treinamento da equipe dos estabelecimentos.
Em Porto Alegre, o rigor com casas noturnas também aumentou. A prefeitura deu um prazo de 15 dias para que os estabelecimentos entregassem alvará de prevenção contra incêndio expedido pelo Corpo de Bombeiros. Até a noite de terça-feira (26), 13 casas noturnas haviam sido fechadas por causa de irregularidades. Um grupo de trabalho foi formado para intensificar e ampliar a fiscalização dos bares noturnos na capital gaúcha. O objetivo é, a médio e longo prazo, fazer os ajustes necessários para aperfeiçoar a legislação sobre normas de segurança.
A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul também criou duas comissões parlamentares relacionadas ao incêndio. Uma Comissão de Representação Externa foi designada para acompanhar as investigações. Também foi aprovado o pedido prevendo a instalação de uma comissão especial para analisar as legislações estadual e municipais sobre segurança contra incêndio em prédios comerciais, industriais e residenciais.
Na segunda-feira (26), foi realizada a primeira audiência pública sobre o tema no Legislativo gaúcho. Engenheiro de formação, o deputado Adão Villaverde vai presidir a Comissão Especial de Revisão e Atualização da Legislação de Segurança, Prevenção e Proteção contra Incêndios. Segundo ele, após a discussão com especialistas na área, uma lei mais rígida deve ser elaborada e votada em plenário até junho deste ano.



Um mês depois, Santa Maria tenta voltar à normalidade

Embora a lembrança das vítimas ainda cause comoção um mês após a tragédia, aos poucos Santa Maria tenta retomar a rotina. O movimento no centro da cidade durante o dia voltou a ser intenso, o que não se via nos dias de luto subsequentes ao incêndio. Muitas lojas que fecharam em sinal de luto funcionam normalmente e o comércio começa a se recuperar. Apesar de ainda aparecer em rodas de conversa, o assunto da boate Kiss não é mais o tema dominante da cidade.

Rafaela acredita que vida noturna de Santa Maria
está se recuperando  (Foto: Felipe Truda/G1)
Rafaela acredita que o movimento à noite começou a aumentar  (Foto: Felipe Truda/G1) Um dos principais pontos do centro da cidade, a Praça Saldanha Marinho aos poucos volta à normalidade. “O movimento está retomando. As pessoas estão buscando mais a praça e sorrindo mais. No começo, foi triste”, diz o porteiro Tiago dos Santos, de 29 anos. O representante comercial Franque de Freitas, de 25 anos, tem a mesma impressão. “Essa semana percebi uma mudança. O pessoal está saindo e se divertindo mais”, conta.
Já a estudante de enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Bruna Zanon, de 22 anos, discorda. Para ela, a tragédia na Kiss ainda é muito recente. “Vai demorar muito para mudar. O pessoal continua triste. Na universidade, lembramos de tudo o que aconteceu. É complicado. Ficamos pensando no quanto somos vulneráveis”, conta.
Moradora de Nova Palma, ela vai à cidade frequentemente para estudar. Mesmo assim, foi visitar o prédio onde funcionava a boate, na Rua dos Andradas, pela primeira vez apenas na terça-feira, um dia antes da tragédia completar o primeiro mês. “Cheguei a passar de ônibus aqui, na semana seguinte, e o cobrador começou a chorar”, lembra ela.
À noite, percebe-se uma mudança maior. A fachada de uma concessionária na Avenida Presidente Vargas, no Centro de Santa Maria, costumava ser um ponto de encontro dos jovens na cidade. Os poucos frequentadores que vão ao local agora contam que, mesmo em finais de semana, o movimento caiu muito após a tragédia. Agora já é possível ver alguns jovens no local. “Demorou uns 15 dias para o pessoal voltar a sair”, diz a estudante Rafaela Hoffmann, de 18 anos.

Aos poucos, Calil recupera fregueses na loja
de conveniências (Foto: Felipe Truda/G1)
Calil vê mais movimento na loja de conveniências com fechamento das boates (Foto: Felipe Truda/G1) Os carros com som alto que costumavam ficar estacionados em frente à loja de conveniências na Avenida Fernando Ferrari, cheios de jovens, não estão mais lá. Mas o movimento no estabelecimento  do empresário Paulo Calil, de 37 anos, começou a aumentar nos últimos dias. “Durante uns 20 dias, o movimento caiu entre 70% e 90%. Começou a aumentar na semana passada, entre quinta e sexta-feira. Aí começou a chegar mais gente que antes, até porque com as boates fechadas a conveniência vira a única opção”, explica.
Se o negócio voltou a prosperar para Calil, quem vive da noite ainda tem  prejuízo. É o caso do músico Thiago Tampa, de 31 anos. “Eu tinha oito trabalhos marcados para fevereiro, fiquei com apenas um. Entendo que o fato foi surreal, mas me prejudicou”, diz o músico.
A expectativa para o próximo final de semana, o primeiro após o fim do período de luto oficial de 30 dias decretado pela prefeitura, é que as oportunidades voltem a aparecer para quem ganha a vida com a diversão noturna. Porém, Tampa teme que mesmo com a liberação das festas, o clima continue sendo de luto. “É uma incógnita. Ninguém sabe se o pessoal vai levar para o lado do ‘não façam festas’. Não há como respondermos isso, porque teve muita gente envolvida, e todo mundo perdeu alguém”, constata.
* Coloboraram Gabriel Cardoso e Márcio Luiz

Leilão da 'virgindade' de boneca inflável chega a R$ 100 mil.

Leilão da 'virgindade' de boneca inflável chega a R$ 100 mil

Valentina é uma boneca inflável de nova geração, mais realista.
Vencedor poderá passar uma noite com ela em um motel de SP.

Do G1

Valentina é uma boneca inflável de nova geração
que tem 'virgindade' leiloada (Foto: Divulgação)
Valentina é uma boneca inflável de nova geração que tem 'virgindade' leiloada (Foto: Divulgação) Um leilão na internet pretende vender a "virgindade" de uma boneca inflável, e o sucesso do acessório já alcançou os R$ 100 mil. Valentina, o nome da boneca, estará exposta em uma feira erótica que acontece na cidade de São Paulo e passará uma noite com quem der o lance mais alto.
O leilão é promovido pela empresa Sexônico, uma das organizadoras do evento que trará ao Brasil diversos tipos de bonecas infláveis.
Valentina é uma "Real Doll", uma nova geração de bonecas infláveis, muito mais realista, com pele sintética, cabelos e peso similares ao de uma mulher. Para o uso, ela deve ser colocada por alguns minutos em uma banheira quente para que ela fique com a temperatura próxima a do corpo humano. Ela custa cerca de US$ 7 mil nos Estados Unidos e é uma das primeiras a chegar no Brasil.
O leilão da virgindade da Valentina começou em R$ 5 mil e em poucos dias chegou a R$ 100 mil. Ele será finalizado no dia 31 de março, quando o vencedor poderá passar uma noite com Valentina.
Além de ser o primeiro a usar a boneca inflável, o ganhador terá uma noite em uma suíte presidencial de um motel na capital paulista, um jantar à luz de velas com champanhe francesa, banho aromático com pétalas de rodas e translado. Quem não mora em São Paulo receberá passagem aerea.
Valentina e outros tipos de bonecas infláveis estarão expostas na 1ª Mostra Internacional de Bonecas Infláveis, que acontece entre os dias 6 a 9 de março em São Paulo. De acordo com o site, a entrada é gratuita.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Colombiano é escolhido para fazer um dos trajes do novo Papa.

Colombiano é escolhido para fazer um dos trajes do novo Papa

O alfaiate Luis Abel Delgado foi indicado pelo Vaticano.
Colombiano já havia feito roupas para Bento XVI.

Do G1

Delgado trabalha em uma das mitras que serão utilizados pelo novo Papa (Foto: Luis Robayo/AFP) 
Delgado trabalha em uma das mitras que serão utilizados pelo novo Papa 
(Foto: Luis Robayo/AFP)
 
 
O colombiano Luis Abel Delgado foi escolhido pelo Vaticano para fazer uma das vestimentas que serão utilizadas pelo sucessor de Bento XVI.
Delgado, 43 anos, vive em Cali, no departamento de Valle del Cauca, na Colômbia. O alfaiate já havia confeccionado roupas para o Papa Bento XVI e as entregou em mãos durante uma audiência no Vaticano, os vídeos e as fotos da ocasião estão disponíveis em seu site.


Detalhe da mitra preparada pelo colombiano (Foto: Luis Robayo/AFP) 
Detalhe da mitra preparada pelo colombiano (Foto: Luis Robayo/AFP)
 
 
O primeiro traje usado pelo novo Papa é feito em Roma na Itália. A alfaiataria Gammarelli tradicionalmente confecciona a roupa em três tamanhos diferentes, pequeno, médio e grande, para caber em qualquer cardeal que possa ser eleito como o novo pontífice.


O alfaiate colombiano trabalha em sua oficina (Foto: Luis Robayo/AFP) 
O alfaiate colombiano trabalha em sua oficina (Foto: Luis Robayo/AFP)
 

Quinta-feira, último dia

Na quinta (28), Bento XVI deixará o posto, em um acontecimento sem precedentes na história da Igreja moderna. Na manhã de quinta, no Palácio Papal, o decano do Colégio de Cardeais, Angelo Sodano, fará um pequeno discurso de despedida, e então cada cardeal poderá separadamente se despedir do pontífice. A expectativa é de que cerca de cem cardeais participem deste encontro, segundo o Vaticano.
Durante a tarde, no Pátio de Saint-Damase, no coração do pequeno Estado, a Guarda Suíça carregará suas bandeiras em saudação. Em seguida, por volta das 13h (horário de Brasília),  Bento XVI irá para o heliporto do Vaticano para viajar a Castel Gandolfo, 25 quilômetros ao sul de Roma, a residência de verão do Papa, onde passará dois meses, antes de se estabelecer em um mosteiro no Monte do Vaticano.
Bento XVI chegará à residência de verão e saudará os fiéis a partir da varanda. Esta será sua última aparição como chefe da Igreja. Nada de especial está previsto quando o relógio badalar oito horas da noite (hora local), momento em que oficialmente termina o pontificado. Ele provavelmente estará em oração na capela neste momento.
Às 20h, o pequeno destacamento da Guarda Suíça, em frente à residência, fechará a porta e colocará assim um fim ao seu serviço, reservado exclusivamente ao Papa. Mas a polícia vai continuar a garantir a segurança de "Sua Santidade, o Papa Emérito". No Vaticano, a Guarda Suíça continuará a fazer a proteção, apesar do "trono vacante".

Segunda ligação no celular feita em até dois minutos não será mais cobrada, diz Anatel.

Segunda ligação no celular feita em até dois minutos não será mais cobrada, diz Anatel

 
A nova regra da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) sobre a tarifação para chamadas de telefonia móvel interrompidas passaram a vigorar nesta quarta-feira, informou a autarquia.

Assim, se uma ligação móvel for interrompida por qualquer motivo, o usuário terá dois minutos para realizar outra chamada para o mesmo número, que será considerada parte da primeira, portanto, sem efeito de tarifação extra.
"No caso de quem paga a ligação por tempo, haverá a soma dos segundos e minutos de todas as chamadas sucessivas", explicou a Anatel em seu website.
"No caso de quem paga por ligação, as chamadas sucessivas serão consideradas uma só para efeito de cobrança e não poderão ser cobradas do consumidor como ligações diferentes", complementou.
Essa regra vale apenas para chamadas feitas por celulares, tanto para números móveis quanto para fixos, sem limite para chamadas sucessivas.
A regra foi aprovada pela Anatel no fim de novembro.
(Por Sérgio Spagnuolo)

Embraer vence disputa para fornecer aviões para Força Aérea dos EUA.

Embraer vence disputa para fornecer 20 aviões para Força Aérea dos EUA

Avião militar modelo Super Tucano da Embraer Divulgação


A Embraer (EMBR3) venceu a norte-americana Beechcraft em uma disputa para fornecer 20 aviões leves de apoio para a Força Aérea dos Estados Unidos, que serão utilizados por militares do Afeganistão para treinamento e contra-insurgência.
A Embraer e sua parceira norte-americana, Sierra Nevada, ganharam o negócio de US$ 427,5 milhões, anunciou o Pentágono nesta quarta-feira (27).
As duas empresas ganharam um contrato de US$ 355 milhões inicial em dezembro de 2011, mas o negócio foi desfeito depois de ser questionado pela Beechcraft, então conhecida como Hawker Beechcraft. 

Entenda o impasse

No fim de 2011, a Força Aérea dos Estados Unidos definiu que a Sierra Nevada e a Embraer tinham ganhado o contrato para venda de 20 aviões Super Tucano A-29, assim como treinamento e suporte. De acordo com a licitação, as aeronaves da Embraer seriam fornecidas em parceria com a norte-americana Sierra Nevada Corporation (SNC) e seriam utilizadas para treinamento avançado em voo, reconhecimento e operações de apoio aéreo no Afeganistão.
Entretanto, a licitação foi paralisada em janeiro, quando a Hawker Beechcraft entrou na Justiça questionando a decisão.
Na época, a Força Aérea norte-americana disse que a seleção tinha sido justa e transparente.
"A concorrência e a avaliação de seleção foram justas, abertas e transparentes. A Força Aérea está confiante nos méritos de sua decisão de concessão do contrato e espera que o litígio seja rapidamente resolvido", divulgou, na época, em nota John Dorrian, porta-voz da Força Aérea norte-americana.
Porém, em meados de fevereiro de 2012, a Força Aérea informou ter cancelado o contrato, citando problemas com a documentação.  
(Com Reuters)

Raio atinge e mata 10 cabeças de gado em fazenda de Campo Belo.

Raio atinge e mata 10 cabeças de gado em fazenda de Campo Belo

Produtor rural afirma que o prejuízo estimado é de R$ 25 mil.
Em novembro de 2012 cinco cabeças de gado foram atingidas.

Do G1

Um raio matou 10 cabeças de gado no último domingo (24) em Campo Belo (MG). Segundo o proprietário, William Anastácio, o raio caiu próximo a uma árvore e matou os animais. Eram oito vacas leiteira, um novilho e um touro. As vacas eram da raça girolando e o prejuízo estimado é de cerca de R$ 25 mil. O caso só foi divulgado nesta terça-feira (26) pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).
De acordo com o produtor, são produzidos cerca de 200 mil litros de leite por mês, no entanto, as vacas atingidas pelo raio não estavam entre as produtoras. “As vacas que morreram estavam todas prenhas”, disse.
Em novembro de 2012 outros cinco animais morreram afetados por uma descarga elétrica. “Na ocasião o prejuízo foi menor, de cerca de R$ 8 mil”, contou.  As vacas foram atingidas no momento em que estavam embaixo de uma árvore.
Ainda segundo o produtor, os raios são comuns na região. A distância entre o local em que caiu o primeiro raio e o segundo é de apenas 70 metros. “Não sei o motivo de tantos raios, até então não recebi nenhum tipo de orientação sobre o que fazer em casos de descargas elétricas ou para evitar a morte do gado”, comentou.
Nota da redação: Ao contrário do que foi publicado antes, são produzidos cerca de 200 mil litros de leite por mês e não por dia. 

Animais morrem atingidos por descarga elétrica. (Foto: Arquivo produtor) 
Animais morrem atingidos por descarga elétrica. (Foto: Arquivo pessoal)
 
 
Eles foram atingidos debaixo de uma árvore. (Foto: Arquivo produtor) 
Eles foram atingidos debaixo de uma árvore. (Foto: Arquivo pessoal)

Mulher quebra dentes ao encontrar 'diamante' dentro de pote de sorvete.

Mulher quebra dentes ao encontrar 'diamante' dentro de pote de sorvete

Jornalista do Acre não pretende processar a empresa.
Fábrica se comprometeu a ressarcir a consumidora.

Yuri Marcel Do G1

Diamante no sorvete (Foto: Geisy Negreiros G1) 
Kátia encontrou a pedrinha brilhante quando tomava um sorvete (Foto: Geisy Negreiros/G1)
 
 
O que era pra ser um prazer acabou se tornando uma dor de cabeça para a jornalista Kátia Oliveira (43). Na noite da última segunda-feira (25) Kátia quebrou dois dentes ao morder uma pedra no formato de um diamante lapidado que veio dentro de um pote de sorvete Kibon que ela havia comprado.

Kátia conta que no domingo (24) comprou uma embalagem de 2 litros de sorvete de creme para tomar junto com os filhos adolescentes e o neto de cinco anos. Como os garotos não gostaram muito do sabor, a sobremesa ficou guardada no congelador até que a mulher resolveu prová-la.


Kátia Oliveira não pretende processar a
empresa  (Foto: Yuri Marcel/G1)
Kátia Oliveira (Foto: Yuri Marcel/G1) A jornalista conta que embora tenha estranhado a textura mais dura no sorvete não desconfiou que se tratasse de um objeto estranho. "Eu senti um pedaço mais grosso, mas achei que fosse um pedaço de fruta ou gelo porque o sorvete estava no congelador", conta.

Ao morder a pedra, foi surpreendida pelo 'estalo' nos dentes. "Fui verificar o que era e lá tava aquela pedrinha que não sei o que é. Os meninos até brincaram dizendo que eu tinha encontrado um diamante no sorvete", diz.

Kátia não sabe se o objeto transparente que tem formato de pedra preciosa tem algum valor, mas pretende levar a pedrinha a um joalheiro para avaliar. "Eu estou curiosa, ainda não tive tempo, mas vou pedir a um joalheiro que analise para mim", conta.


Pedra estava dentro de pote de
sorvete (Foto: Arquivo pessoal)
pote de sorvete (Foto: Arquivo pessoal)Ressarcimento

A jornalista conta que mandou um e-mail à Kibon, relatando o fato, mas não obteve resposta. Na terça-feira (26) resolveu ligar para o Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) da empresa e disse que foi orientada a ir a um dentista para fazer um orçamento.

Em princípio, Kátia explica que não pretende processar a empresa. "Se eles resolverem o problema não vejo necessidade de processá-los", afirma.

Para ela, só é preciso que a fábrica tome mais cuidado com a segurança. "Só acho que como é um produto que criança toma eles deveriam ter mais cuidado. Se alguém engole uma pedra que risca um espelho, pode acabar tendo algum órgão perfurado", conclui.

Procurado pela reportagem do G1, o SAC da Unilever, empresa responsável pela produção do sorvete, confirmou que irá ressarcir os danos sofridos pela consumidora. Segundo a atendente Eliana Fonseca, o produto também será substituído e o material estranho será levado para análise. O resultado será apresentado para Kátia em até 30 dias.

A atendente disse ainda que é estranho o surgimento de corpos estranhos dentro do sorvete já que o processo é todo manufaturado. "Para a gente surpreende bastante um caso assim", disse.